Mario Quintana

Mario Quintana

Poeta e tradutor brasileiro
76 - 100 do total de 558 pensamentos de Mario Quintana

A maior dor do vento é não ser colorido.

O mais feroz dos animais domésticos é o relógio de parede: conheço um que já devorou três gerações da minha família.

Mario Quintana CARVALHAL, Tania Franco (org.). Mario Quintana: Poesia Completa. Rio de Janeiro: Nova. Aguilar, 2005.

Escadas de caracol
Sempre
São misteriosas: conturbam...
Quando as desce, a gente
Se desparafusa...
Quando a gente as sobe
Se parafusa
(...)

O Eterno Espanto

Que haverá com a lua que sempre que a gente a olha é com o súbito espanto da primeira vez?

Verso Avulso
O luar é a luz do sol que está dormindo...

Linha Curva

O caminho mais agradável entre dois pontos.

Melancolia: Maneira romântica de ficar triste.

Ao Pé da Letra
Enforcar-se é levar muito a sério o nó na garganta.

A Coisa
A gente pensa uma coisa, acaba escrevendo outra e o leitor entende uma terceira coisa... e, enquanto se passa tudo isso, a coisa propriamente dita começa a desconfiar que não foi propriamente dita.

Sinônimos
Esses que pensam que existem sinônimos, desconfio que não sabem distinguir as diferentes nuanças de uma cor.

Poema
Mas por que datar um poema? Os poetas que põem datas nos seus poemas me lembram essas galinhas que carimbam os ovos...

O Poema

O poema, essa estranha máscara mais verdadeira do que a própria face.

O Berço e o Terremoto

Os versos, em geral, são versos de embalar, como eu às vezes os tenho feito, não sei se por simples complacência... ou pura piedade.
Contudo, os verdadeiros versos não são para embalar - mas para abalar.
Mesmo a mais simples canção, quando a canta um Camela Lorca, desperta-te a alma para um mundo de espanto.

DOS MUNDOS
Deus criou este mundo. O homem, todavia,
Entrou a desconfiar, cogitabundo...
Decerto não gostou lá muito do que via...
E foi logo inventando o outro mundo.

Mario Quintana QUINTANA, Mario. Espelho mágico. Ed. Globo. 2005

Tempo
Coisa que acaba de deixar a querida leitora um pouco mais velha ao chegar ao fim desta linha.

Sonho
Um poema que ao lê-lo, nem sentirias que ele já estivesse escrito, mas que fosse brotando, no mesmo instante, de teu próprio coração.

Do Estilo

O estilo é uma dificuldade de expressão.

Às vezes a gente pensa que está dizendo bobagens e está fazendo poesia.

Há noites que eu não posso dormir de remorso por tudo o que eu deixei de cometer.

Mario Quintana , Mário Quintana: poesia completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2005.

Despertador é bom para a gente se virar para o outro lado e dormir de novo.

Trova
Coração que bate-bate...
Antes deixes de bater!
Só num relógio é que as horas
Vão passando sem sofrer.

A noite acendeu as estrelas porque tinha medo da própria escuridão.