Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura

1 - 25 do total de 32 pensamentos de Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura

Quaisquer tipo de feito que fizeres intencionalmente para mim voltará para ti, então tenhas certeza de que dejejastes - me somente o bem, pois caso contrário provará do próprio veneno!

Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura
Inserida por marialu_t_snishimura

O código da felicidade

O código da felicidade tu já tem:
Olhe para cima e para baixo também!
Veja do seu lado o teu próximo,
agradeça a Deus o que Ele deu em acréscimo...

Repare no espelho o teu reflexo:
Nada é tão difícil e tão complexo!
Olhe nos teus olhos e se descubra
e não fique no chão se te derrubam...

A felicidade tá no seu sorriso
e no seu bom humor se mantém,
porque se continuar é preciso,

é preciso agradecer o além,
porque Deus é o paraíso
que quer sempre seu bem!

Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura
Inserida por marialu_t_snishimura

A capacidade do amor

Onde quer que esteja, sejais de ti
tal palmas que se dispõe no chão,
tal amor que reflete cada coração.
No Brasil, na Grécia ou no Taiti...

Não sei por onde andas seu corpo!
Só sei que a nossa vida é um sopro
e num instante se pensou e já foi,
passa tão depressa feito um oi...

Pensemos e reflitamos sobre nós:
- Quem depende do nosso amor?
O que se acrescenta - nos os pós?

Será que és a terra que assenta,
ou és tu a poeira que levanta,
ou a mão que afaga e planta?

II

Toda semente tem um anseio
e se dela o nascer é uma benção,
não se perca e não tenha receio,
não cultive a semente da aflição!

Sejais pacíficos e benevolentes,
misericórdiosos e caridadosos,
não sedes maus e indolentes,
nem seu ego dos mais vaidosos!

Muito se quisera do mundo
entretanto, o que se fez por ele?
Qual é seu papel? Ser mudo?

Então meu jovem ou sei lá
quantos anos você tem..
O que você dispõe convém?

III

Eu não sei se adiantaria dizer
das coisas que aprendi a cá
contudo, vou dizer - lhes um, tá?
- Em tudo há uma razão de ser!

E na razão não se desperdiça nada:
- Nem erros, nem acertos!
Até mesmo uma poeira levantada...
de repente se faz do pó os enxertos!

Sei quão fértil é um solo regado;
Sei quão valioso é o bem instruído;
Sei o quanto pode ser - lhe negado...

Porém, de ti não arrancarás a paz,
se tudo o que fizer em seu sentido
for com todo o amor que for capaz!

IV

Mostrei este poema a uma colega
e ela disse que sentiu falta da raça,
das discriminações que se alarga,
entretanto, disse - lhe: Que trapaça...

- Na verdade não há raça no amor!
Nele não existe religião, raça e cor,
as pessoas são pessoas e basta!
Na linguagem, a poesia me arrasta,

então porque falaria: Descriminação!
Haveria isso no dizer que diz: Japa?
Ela então se calou e leu meu coração...

...porque pude ver que tudo tem capa,
e nunca se esconde alheia a emoção,
porque a verdade à alma não escapa!

V

Às vezes, a discriminação é desculpa
é um jeito de defender a própria sorte,
porque não há rejeito abjeto da culpa
se o coração for envolto de amor forte:

- No amor de família, ser amor respeito!
Daquele que nos mantém pra vida inteira,
no que põe abençoar e agradecer o leito,
mesmo humilde o pé descalço numa eira!

A eira de arroz no vão de um cafezal,
a eira de milho, do feijão, ou da alface!
O trabalho é sempre digno e cordial

à aquele que valoriza o chão que pisa,
mais há quem precise ser descomunal,
ser vítima da história até virar pizza!

VI

Eu prefiro esquecer e só valorizar tudo,
e se possível resgatar os reais valores:
- Amor, caridade, misericórdia no mundo!
Porque isso não depende dos favores!

Isso não depende de raça, credo e cor,
isso depende unicamente do Amor!
Então, não quis discutir e me calei,
mas no poema tudo isso acrescentei!

Porque me calo e meu coração fala
que nos temos muito que aprender
e não precisamos de canhão com bala!

Se ainda eu não for suficiente e ativa
então, nada serei além de uma tala...
no enrosco, entalado na gengiva!

Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura
Inserida por marialu_t_snishimura

Beija - flor beijador

O beija-flor beijador
mais um vez beijou,
beijou a mais bela flor,
que quiçá encontrou!

No doce mel do beijo
afagou com carinho,
saciou seu desejo,
o pequeno passarinho!

Se assim vive a beijar
respira ele só do amor,
só amor ele tem pra dar!

Ingênua são as flores:
- Num beijo do beijador,
sede o mel e as cores!

Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura
Inserida por marialu_t_snishimura

Há mais razões na dúvida do que nas certezas!

Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura
Inserida por marialu_t_snishimura

Amor bonito

Ah! Já posso dizer-te sobre o amor!
Amor, amor, amorzinho, amorzão,
amor grande, grande amor, só amor,
amor, amor, amor com definição!

Definição de coração no amor bonito
tem olhos de amor sublime e límpido,
corpos de amor vibram, sempre junto,
e o tudo é lindo e o tudo se faz rindo!

Neste tudo cabe o tudo e tudo mais,
mas tudo também é vida de razão,
em que um mais um são dois...

e...depois, e depois, e depois, depois?
Depois mais nada além de só os dois,
só os dois no universo, só os dois!

Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura
Inserida por marialu_t_snishimura

No meu love não tem game over

Eu quero você meu love
não quero um game over.
O amor não é um jogo,
na aposta em uma mesa de poker!

Pare de fazer jogo comigo;
Pare com isso;
Quero você meu love...
Quero você comigo.

Comigo não há vacilo não
Confia...tenho amor pra te dar
Meu love...quero te amar;
Não faço jogo...
No meu amor não tem game over.
Não estou fazendo aposta
numa mesa em um jogo de poker!

O meu love é sincero
É você que eu quero
Vem amor...
Vem no meu love,
Me surpreenda que me comove...
No meu love não tem game over!

Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura
Inserida por marialu_t_snishimura

Caliente e Nua

Não diga não...
Não pra mim que te amo
Te amo tanto
Tanto que nem sei quanto...

Não há como medir um sentimento
Eu me recuso ao seu julgamento.
Me ama e pronto!

Não tenta me compreender,
nem mesmo eu sei de mim.
Sem você vou me perder,
na escuridão de uma noite sem fim.
Preciso de você perto de mim!

Você é minha luz!
É o prisma que ilumina a minha vida;
É o sol do meu dia;
Na noite é o brilho das estrelas;
É o segredo da lua...
Eu me dispo em ti caliente e nua.

Então...não diga não!
Não pra mim porque sou sua...
Caliente e nua!

Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura
Inserida por marialu_t_snishimura

Quem rouba é ladrão

Honestidade, hombridade é caráter
É a dignidade que todos devem ter
Sem isso de que vale seus milhões

Conquistar as coisas sendo vilões
Fazendo qualquer trapaça
Isso não é coisa de raça
São coisas de ladrões

Tem que ser honesto,
Fazer tudo certo
O esperto é ser bom
E não ser malandro, ladrão

Pra quando tiver dinheiro
Poder mostrar pro mundo inteiro
Que não roubou nenhum tostão

Põe raça,
Põe raça,
Põe raça neste coração,
Põe raça
Põe raça
Põe raça neste coração
Quem rouba é ladrão

Ladrão?
Polícia
Coloquem
Todos eles na prisão

Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura
Inserida por marialu_t_snishimura

Detalhes da paixão

Por um detalhe apenas eu fiquei...
Fiquei sem dizer nada,
me fechei.

Fiquei no meu silêncio assim
até você voltar pra mim,
porque você é o detalhe
mais importante em mim!

Sem você sou pedaço...
O inteiro de mim é uma fração
dependente de você,
pois uma parte de mim é amor
e a outra é paixão!

Não sei se choro no silêncio,
porque o detalhe me secou,
fez de mim uma folha seca
que da raíz me separou!

Vou navegar pelo vento...
Sem aconchego no pensamento
Assim tão só vou me arrastar no tempo
até me sucumbir ao pó!

Volta, logo pra mim
Você é o detalhe mais importante em mim
Sem você falta um pedaço no meu coração
Meu aconchego é o amor em seus braços
onde o detalhe em nós se completa no amor
e se transforma em fogo e paixão!

Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura
Inserida por marialu_t_snishimura

Sob a mira do palco

Ah, háaaa, aaah, humm
Um chamego colado
Um beijo no rosto...
Na boca se for namorados
Se for casados acoxa
e deixa subir o fogo
mais a brasa...
deixa pra queimar em casa!

Chamego pode
Se sacode e dança sem parar
Sobre a cama
Vocês é quem sabe se vão se amar!

Sob a mira de um palco
Disfarça o açanhamento
mesmo que tenhas anos
de casamento
ou se és esse caso de momento!

Olha o beijo
Estou vendo a vontade na boca...
O brilho no olhar
e a vontade louca
de se amar!

Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura
Inserida por marialu_t_snishimura

Queremos a paz na sociedade

Nada tanto faz
Nos importamos com tudo
Somos cidadãos deste mundo
Queremos escrever a paz!

Não toleramos a violência
Já se tornou insustentável
A miséria é insuportável
E a violência lamentável

Nada tanto faz
Nos importamos com tudo
Queremos a paz
A qualidade no mundo
Principalmente na nossa sociedade!

Já chega de fingir - se cego
Não queremos evocar o ego,
Mas somos da paz!

Quermos a paz,
Ié, ié, Ié
Queremos a paz
Queremos a paz
Iiiiéééé!
Na nossa sociedade!

Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura
Inserida por marialu_t_snishimura

Amanhã

Amanhã
É outro dia
Vou sair de manhã
Vou rasgar o dia!

Bom dia, ó sol
Bom dia, ó passarinho
Quero voar
E contigo fazer meu ninho!

Heieei, heieei!
Amanhã
É outro dia
Vou sem ninguém
Vou sair por aí
Vou sem rumo!

Se encontro uma flor
Pergunto do meu amor
Se encontro o beija-flor
Pergunto:
Onde está o meu amor?

Vou ficar fora o dia inteiro
Vou fazer do céu
O meu celeiro
Vou repousar sob o sol!

E se a noite vier
Vou perguntar pra lua
Onde está o meu amor?
Se uma estrela piscar
É pra lá que vou...
Vou buscar o meu amor!

Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura
Inserida por marialu_t_snishimura

Fala Professora

A crônica da bronca


Um aluno em sala de aula ao portar - se indisciplinado foi levado a diretora que aplicava - lhe um sermão:
- Por que você age assim? Não respeita a professora, não faz a lição, importuna a aula ...o que adianta por fora bela viola e por dentro pão borolento!
O sermão soou tão alto que ecoava pelos corredores. O aluno permaneceu em silêncio e assim foi levado de volta pra sala de aula. Mas, como há alguns dias atrás a própria diretora, em uma Reunião Pedagógica, onde convocaram todos: professores e funcionários, disseram sob a importância da postura do professor em sala de aula. Todos deveriam tomar cuidado com o que diziam aos alunos em sala de aula, visto que havia um pai que estava insatisfeito com a forma que uma determinada professora tratava seus alunos em sala de aula, pois o mesmo ouvira brados da professora humilhando o aluno com seus "sermões". Fizera uma reclamação formal e queria uma resposta por escrito, pois caso não fosse tomado as devidas providências, iria acionar a ouvidoria e processar a escola.
Ao eco conciliei o fato e fiz alguns questionamentos sobre a bronca ao aluno o qual estrondou em altos brados:
- De que adianta por fora bela viola e por dentro pão borolento!
Parecia que havia raiva na voz da diretora, mas pareceu - me contraditório num dia cobrar postura e no outri agir sem compostura. O aluno merece respeito até mesmo dentro da sala da diretora. Com está bronca o aluno foi humilhado, escurraçado verbalmente e emocionalmente.
O que se quer dizer na força de uma voz?
De onde vinha a raiva da diretora?
Ela queria dar bronca no menino ou em todos que pudessem ouvir? Será que estaria querendo atingir - me? Até isso pensei e busquei razões ou motivos que se ela estivesse com raiva de mim, daí que encontrei:
- Assim que começou este ano letivo houve o seguinte episódio: - Estava eu em minha sala e por várias vezes ao consultar a pasta contendo os conceito e notas finais do aluno, não encontrava determinados ano/série e fui a sala da diretora e informei. Ele disse que pediria para a vice diretora da tarde ver isso. Ela resolveu em partes, pois dois anos/séries não foram encontrados, motivo pelo qual os históricos das referidas salas ao serem consultados seus registros, iam para a caixa com nota:
- Mapão não encontrado na pasta!
E assim insatisfeita fui levando meu trabalho em frente, mas o computador voltou a dar problemas igual ao ano passado, então comuniquei a secretaria e fiquei no aguardo da providência e assim se passaram três ou quatro dias. Até a diretora chegou a questionar - me por duas vezes:
- Você não vai fazer os históricos?
- Vou. Respondi-lhe secamente, certa de que ela sabia que se estou parada é porque alguma coisa aconteceu e que já comuniquei e estou no aguardo da providência. ( Até durmo, se quiser, pois quem avisa, amigo é!).
A questão é que se usavam a máquina de xerox o computador desligava, sem contar que não havia sinal de internet. (Eu já tinha avisado e não sou papagaio pra ficar repetindo.).
Até que enfim chamaram os responsáveis técnicos da Secretaria de Educação e lá vieram. Trocaram o transformador do computador porque não estava segurando a carga elétrica, resolvendo o problema, mas aproveitando da situação eu disse aos técnicos:
- Toda vez que ligo o computador ou quando cai a força ou ainda quando ele simplesmente não liga, tenho que ajustar o relógio, não haveria possibilidade de colocarem uma bateria para girar isso?
- Nós não temos a bateria. Respondeu um deles.
- Mas, está bateria é muito cara? Perguntei.
- Não. É baratinho. Disse ele.
- Quanto? Perguntei.
- Três reais. Falou.
- E qual é o modelo para este computador e onde pode ser comprado? Perguntei.
O técnico disse o modelo, anotei em um papel e seria possível comprar em qualquer banca de eletro- eletrônico e que se a escola comprasse eles viriam instalar. Então levei isso à diretora que disse - me com ares de boa "amiga":
- Você não pode comprar? Depois te dou o dinheiro...
- Eu não! ( Pois, pensei: - Oxe! Dê - me o dinheiro, que eu compro!).
Ela, ainda insistiu:
- Ah! Compra vai...( Com voz de quem quisesse - me contornar).
- Por que que você não pode fazer isso?
Mas, eu que do verde, colho maduro; Do grão já faço o pão, respondi - lhe espontâneamente...
- Oras, porque você tá me devendo o seis reais da cópia da chave e não me pagou até hoje...(Ops! Pensei, mas já foi). Sai, mais que de imediato e ouvi o eco:
- Que chave? (Fulana: Vice diretora: Vamos nomeá-la: Bete), dá pra ela seis reais! Disse nervosa, pude ouvir da minha sala.
Sentei - me um pouco e testei o computador, estava tudo ok, mas como já era por volta das onze horas estava a abrir o armário para colocar a comida para aquecer em um suporte em banho Maria, já não disponha nesta sala de espaço e tomadas para frigobar e microondas. (Risos) Pois, tenho a autorização assinada por está diretora para os dois aparelhos meus serem colocados e usados por mim na escola, mas vamos - se dizer que estou evitando fadiga...( Mas...). De repente a diretora adentra a minha sala e deposita seis reais sobre, este armário dizendo:
- Tô pagando uma dívida que nem eu sabia que tinha! E saiu. ( Pareceu - me que bufava...).
Eu, simplesmente não iria fazê - la lembrar, mesmo porque sei que cada um sabe exatamente o que faz e fez, mas muitas vezes preferem apagar detalhes que parecem - lhes insignificante, contudo eu não sei porque raios, me apego exatamente a estes por menores que os outros fazem questão de não guardar em suas memórias.
Então haveria a possibilidade de a diretora estar com raiva de mim por ter - lhe dito uma verdade e na verdade quis chamar a mim de pão borolento. A questão é que de fato fui ruim ao dizer - lhe, mas também não consigo fingir e muito menos que me façam de trouxa, pois prefiro ser o pão que ninguém come, do que pão fresco de fácil consumo, pois gosto da verdade, da honestidade e da razão.

Moral da história: É melhor ser fingido e ser querido do que ser verdadeiro e ser odiado.

Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura
Inserida por marialu_t_snishimura

Espaços vazios


Espaços vazios, sem ninguém
porque nelas havia medo também
Medo de quem?
Do invisível,
pois o impossível aconteceu!

Óh! Pai de bondade
Protejei - nos neste momento,
porque o sofrimento se alastrou...
E só parece forte, a dor que nos acomete,
mas Deus é maior...
Eu sei que ele nos promete:
- Vencer!

Venceremos, venceremos!
Juntos venceremos
Venceremos...
Com fé e união!

Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura
Inserida por marialu_t_snishimura

Virose Fatal


Vírus, vírus, vírus, vírus...
Virose fatal
Pessoal toma cuidado
Com sabão, com sabão,
com sabão ensaboado
laves suas mãos...
O corona vírus é fatal
Já virou pandemia internacional,
se tiver doente procure o hospital!

Ao espirro, intercepte com o braço
Evite o abraço e o aperto de mão
Cuidado com a aglomeração
O vírus se espalha com grande extensão
se alguém tiver doente e faz a transmissão
pela tosse, pelo espirro
e o contato com as mãos!

O álcool gel tem aí?
E a máscara no nariz?
É a pandemia internacional
É viral, é viral...
É a virose fatal!

Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura
Inserida por marialu_t_snishimura

Rosas Perfumadas

Uma flor se fores me dar...
Dê-me rosas perfumadas...
Ah! Eu gosto disso...
No seu perfume vou me embriagar!

Me embriago e deixo-me ir,
Por onde você me conduzir...
Deixo - me levar,
no seu jeito quente de me amar!

Até posso te seduzir
com meu corpo e meu calor,
mas deixo - me conduzir,
embriagada neste amor!

Rosas perfumadas eu gosto,
Trazes - me rosas perfumadas...
Nenhuma cor causa-me desgosto,
a menos que estejas perfuradas...

Daí, jogo fora
E te boto pra fora
Com afinco e gosto!

Rosas perfumadas eu gosto...
Mas, traga - me tenras e vigorosas...
Amo as rosas com sedução,
principalmente com um belo cartão...
Marcando o encontro de paixão!

Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura
Inserida por marialu_t_snishimura

Baile do coração


Girei o ombro
Abri o peito
Seu corpo colado no meu
O corpo tremeu, desceu até o chão...
E o meu coração bailou junto do seu!

Baile do coração é assim mesmo
Tem que ter par
Senão ele não dança
e fica a esmo!

Vem pra junto de mim,
Vem bailar com meu coração
Vem fazer tremer meu corpo e descer até o chão.
Se o ritmo for bom
dançaremos por todo o salão!

Eita...que tá bom...
Este baile do coração!
Nosso corpo treme que treme...
Dançando pelo salão!

Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura
Inserida por marialu_t_snishimura

Se você pensar que o outro é Deus,
tudo o que você fizer contra o outro,
estará fazendo contra Deus!

Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura
Inserida por marialu_t_snishimura

20/02/2020

Esse dia pareceu - me especial,
mas talvez isso seja um mito,
pois não pode existir apenas um...
afinal todos os dias os são!

Em todo caso fiz uma oração
ao Santo Anjo de cada um
para que abram seus caminhos
e que tragam- lhes tudo de bom.

Numericamente o dois pode
O três, o quatro, o cinco, o seis...
Todos podem do um ao nove!

Daí, somei tudo e vi um oito
e infinitamente se propõe
na continuidade da linha, a vida!

Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura
Inserida por marialu_t_snishimura

Altíssimo Espírito Santo

Ó Pai, altíssimo Espírito Santo
glorioso Senhor,
generoso e grandioso Pai,
Santo de Deus!

Sois o caminho e a verdade;
a paz e a felicidade
firme caminho a seguir...

Altíssimo Espírito Santo
fraterno coração de bondade e amor
és benevolente glorioso
repleto de sabedoria e glória...

Em seu altar justo altíssimo Espírito Santo,
Deus glorioso Senhor generoso
ó Jesus Cristo Senhor de bondade, Amém!

Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura
Inserida por marialu_t_snishimura

Versos brancos

Ah! Esse versos brancos...
não têm rimas!

Eles são livres e soltos,
correm no vento simplesmente!

Mas, não deixa de ter sua graça
porque tem poesia...

A poesia não é a forma
e sim o sentimento e uma emoção!

Poema sim é a estrutura;
Poema é a forma;
Poema é o corpo da poesia!

Então decide aí!
Sejam todos poetas
e poetisas....

Afinal para sentir...
basta ter um coração,
um lápis ou uma caneta azul! 😜

Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura
Inserida por marialu_t_snishimura

Flutuando na paixão

Chegou a hora:
-Vou cantar
-Vou dançar
-Vou abraçar-te como sempre sonhei.

Me abraça com carinho
Com afeto e amor
Ouça meu coração
Sinta-me
Estou nos teus braços
Em seu abraço
Sintonizados no mesmo calor...

Aaaaaahaaaaamor!
Sinta -me
Abraça- me
Beija - me com paixão!

Sinta-me leve
Sinta- me breve
Estamos a flutuar!

Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura
Inserida por marialu_t_snishimura

A terceira guerra mundial

A terceira guerra mundial
fanfarrou intrépida, quieta
mas o mundo todo em alerta,
sob epidêmica virose fatal!

Pandemia da clausurada panacéia,
se viu enclausurada a economia
instituiu no universo a miséria
e todos ficaram sem companhia!

O pavor nas mídias alertadas
entre bilhões de infectados,
mortes insurgiam encomendadas...

Tudo por ganância e poder
em tubos de ensaios testados,
ameaçadora arma pra morrer!

Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura
Inserida por marialu_t_snishimura

Ao passar entre meio as pessoas a tua volta, passes como uma cruz, pois serás por elas crucificados ainda que tenhas o coração puro e a alma transparente, porque assim foste Jesus Cristo em meio a multidão.

Maria de Lourdes Terumy Suzuki Nishimura
Inserida por marialu_t_snishimura