Luciano Calazans

26 - 39 do total de 39 pensamentos de Luciano Calazans

MILAGRES À GRANEL

Há quem não acredite em milagres
Há quem tenha certeza que é só uma miragem
Há quem duvide do quase não difícil
Há quem acredite no impossível
Há quem creia que o passível é o mesmo que passivo ou permissivo
Há quem acredite que o incrível não é crível!
Vejam vocês: o impossível é passível de possibilidades
O possível, por sua vez, é repleto de impossibilidades
O sol não se põe no horizonte, pois o horizonte é nada mais nada menos que uma miragem; uma ilusão.
Mas é impossível e crível não existir o esplendor aos olhos da poesia.
O milagre está aí(ou ali) tão longe e tão perto.
Cabe aos olhares crentes — e até não crentes
Que a luz coexiste com a escuridão e
Que o sim coexiste com o não em suas mais difíceis entranhas.

Observo uma bola de fogo, uma gema, um ovo cercada por por cores qual um imenso afresco celestial
pintados por elementos naturais que fazem parte do nosso corpo e consequentemente da nossa breve existência.
Que poder esta obra-prima mutante tem sobre os que fitam com muitos sentimentos guardados ou soltos
Retos ou tortos
Vivos ou mortos
Há quem acredite em milagres...
Sou um deles
Você, Idem
Então viva os incríveis, críveis, impossíveis, passíveis com permissividade e regozijo
Os milhões de milagres que estão à sua volta, no alto e debaixo da terra.
Você é um milagre!
Felizes Anos Novos!

Luciano Calazans. Salvador, Bahia. 28/12/2017

Luciano Calazans
Inserida por Maestroazul
1 compartilhamento

“A MORTE É A ÚLTIMA QUE DORME”

Se uma nova vida da morte brota
Vivemos em um edênico e turbulento jardim
De epitáfios
Se a morte é outra espécie de vida
Aquém e além das vãs filosofias
Além e aquém de toda analogia(mortal?)
Somos o grão e o adubo
O graal e o escudo
O horizonte que emudece quando
O sol se deita em seu leito
Se aninha em seu peito
E num novo alvorecer, brada: estou aqui! Só para você!
Somos lápides e cinzas
Não de Quartas do final
Não da Quinta do Carnaval
Tigres sem Eufrates
Estige sem barqueiro
Chama sem candeeiros
Castiçais sem sombras de vela.
A vida nova morte é certeza
Qual a certeza que estamos por ora vivos
O que nos traz um parco conforto, um alívio efêmero
Que será tragado, deglutido
Pelo espaço e tempo, em úteros, convertidos.
O céu está ao nosso lado
O inferno também
O horizonte é o que nos cerca
Nos engole e nos dejeta
Num tépido e silencioso vai e vem
Como as ondas do oceano
Como o mendigo que agora observo
Resmungando como o poeta
A tradução mexicana da odisseia de Homero.

Vai acunam! Desfruta dos braços do horizonte
E em seu brado mais que demais retumbante
Desperte em luz e nos vários tons do alvorecer.

Luciano Calazans, Salvador, Bahia, 14/11/2017
À Manuca Almeida (in memoriam)

Luciano Calazans
Inserida por Maestroazul
1 compartilhamento

IMENSO CÉU SEU



Com ou sem turbulência
O azul daqui de cima
É o imã que prende minha alma
E seus olhares
Brados, pungência...

Algodão celestial
Sobre a imensidão salgada – nu paladar
Doce, no olhar
Traz o que é bom
Ceifa o que é mau
O bem suplanta o sal.

Aroma comestível
Frágil semblante natural
Naturalmente, água e sal
Que do céu ganha um presente
Um azul quase que onipotente
Que traz um sentido - ou vários - real e
Ambivalente
Dualidade do horizonte
Ou horizontes
Retidão do universo sem fim
O azul, o Branco
O mar que morre em mim.

Luciano Calazans. Céu Brasileiro, 02/09/2017

Luciano Calazans
Inserida por Maestroazul

CASO VOCÊ NÃO SAIBA.

Não! Não ouvirei o sussurro da sanha
De temer a luta — e não ser temido
De temer o luto — sem ao menos lutar!
De temer sanhas, façanhas e artimanhas
De uma vez por todas, daqueles que tentam amiúde fazer o auriverde, pendão auriverde, brado auriverde sangrar.

Não sou Aquiles tampouco Heitor
E Não serei o fígado de Prometeu...
Quero Atena atenuando a quase calefação do meu sangue, vermelho sangue, suado sangue — enquanto párias jogam xadrez

Macabras aritméticas
Tenebrosas equações
Quinhentos e treze é morte, é monturo e azar
Malfadado português falado por quem desconhece os verbos, incluindo o SER!
Preferem à revelia de milhões,
E em milhões o verbo Ter...

Poder? O que é poder?
Onde começa? Onde termina
Poder é não querer e poder não sucumbir à besta e suas quinhentas e treze cabeças

Línguas bifurcadas, perdidas, enroladas, perdidas e ensimesmadas.

Poder?

Prefiro não discorrer sobre tal verbo
Tão procurado da mais vil forma subsidiado pelo mais vil metal.

Quero o sonho, o pão e a arte
Quero a vida comungada em qualquer parte
Quero a lucidez da comunhão
Quero a loucura do sim e do não
Quero abrigo para os meninos
Quero abrigo para as meninas
Quero água do sertão
E a brisa beira-mar
Quero o rio doce em minha língua
Quero minha pátria
Tabaréus, cafuzos, mamelucos, mulatos – nação vira-lata!
Sim! Vira-lata!

Prestem atenção! A besta jamais dirá sim
Sem algo em troca.
Quinhentos e treze cabeças
Bilhões de Aves Marias

Amém .

Luciano Calazans. Salvador, Bahia.
-

Luciano Calazans
Inserida por Maestroazul
1 compartilhamento

DÁ NÃO DÁ

A cidade quer a noite
A cidade quer o dia
As baladas querem ritmo
Não importa a harmonia

O menino quer poder
A menina também quer
O sagrado é profano
Bem me quer ou mal me quer?

Somos sós quando queremos
Somos brasa em pleno inverno
E no verão quase Dezembro
A alegria é eterna, terna!

"Vamos a la praia"
É o refrão mais que mais se ouve
Bichos e bichas num só grito:

Queremos mais amor
Seja como for
Seja o que for
Sentimento não se mede

Queremos mais calor
Queremos sol e mar
Sentimento não se pede
Queremos celebrar
Um segundo é importante
Depois vemos no que dá

Luciano Calazans, 10/08/2017

Luciano Calazans
Inserida por Maestroazul

O que tanto esperei(cria minha)

Quando vejo você dormindo
seu sono é o doce grito da paz
Beijo o silêncio vestido de música
Que emana dos anjos que te cercam

Quando vejo você sorrindo
Um sorriso que desconstrói qualquer traço de tristeza
A mente vai ao momento em que esteve dentro de mim, só meu.

É assim...Você nasceu daqui...
Daqui, do esperar sem fim.
Foi assim...Você devolveu a luz
Que em um grito, pude também ofertar

A primeira vez, o primeiro mês
Sem desmantelo, sem as regras
Boas novas se fizeram em um só dia
Convertendo essa mulher em outra...
Mais vívida, boba e completa
A lacuna que faltava agora preenchida
Ah! Meu melhor presente ao futuro.

Tempo...Você nasceu de mim
Horas...De um esperar sem fim
Foi, enfim, você que trouxe a luz
Luz essa que guardei só para ti

É menino ou menina?
Não importava o masculino ou feminino
O esperar da plena saúde
Era o único verbo a me guiar

Semanas que não passavam, dias oscilantes
De humor e nãos
Inseguranças e certezas
Valeram a pena, pois hoje sou forte
E você meu norte, quando falta exatidão

Nasceu uma canção, o choro mais lindo
Composição de dois destinos em uma só beleza – que agora observo dormir

Criatura, és o estribilho da minha vida.. hit, refrão..sei lá.
Só sei que em ti enxergo e, do meu ventre
Desse ventre que tanto lhe esperou
Se fortalece a cada segundo o meu cantar

A ti...Toda manhã que houver
É assim...de onde eu estiver
Assim, o amor concretizou
Em mim, o que o destino traçou

É tanto amor e comunhão
Que não cabe só em uma canção
Mas acredite, pessoa celestial
Que minha alma hoje é sua
Sua dor é minha
O meu sangue é seu
O amor é o teu nome
Para toda a minha jornada


Luciano Calazans. 14/07/2017

Luciano Calazans
Inserida por Maestroazul
1 compartilhamento

TRÊS

Três palavras, três suspiros
Três estrelas, cinturão de Órion
Três vidas, três canções
Três amores, vastidão
Três por quatro, três, quatro, cinco, seis, sete...
Nu quarto...
Três motivos, três centelhas
Três divinos, "trés bien"
Tríade perfeita, do sim, do não e do ser
Três quatros estações
Três letras : AMO!
Três anos de homogêneos pensamentos
De alguns poucos tormentos
De azul no firmamento.
Feliz sou por ser seu
Três mil vezes, três mil cantos
Três anos luz!

À Tais Nader, com todo amor que há em meus nada quietos, corações e mentes!

Luciano Calazans
Inserida por Maestroazul

LU- Curas

Essa coisa que trago e que me traga
essa desmesura de luz que aporta
Em meu cais aberto às embarcações
vindas do nada, trazendo sua mercadorias

Catraias, saveiros, navios mercantes
diferentes idiomas, trazem consigo
Variados fusos e confusões diárias
esquecendo o silêncio profundo da alma

Sim, me tragam, sugam e devoram
parte dos restos em entropia latente
naus perdidas em águas, como gente

Num ato antropofágico e ambivalente
num vai e vêm interminável e angustiante
Ah! Que saudade de um novo Dante

Do Estige, hoje, paraíso revisitado
de círculos que poderiam não girar
Nessa coisa que traga, engole, rumina

Labaredas de um fogo eterno e nuclear
que só jaz quando o silêncio solitário
Traz a paz para uma reflexão

Que a vida me trague e me traga, então.

Luciano Calazans.

Luciano Calazans
Inserida por Maestroazul

QUANDO TE ENCONTREI


Quando te encontrei
Num dia de sol
Eu pensei comigo:
Como é bom estar vivo e poder
Sei que a vida é mais
Que um amanhã
Vida é um dia
E hoje é o dia de você
Caminhei em busca de um nada
Nada encontrei até aqui
O som e a dor
E de cara encontro um sorriso
Foi você que fez nascer
Quando te beijei
Linda
Quando te toquei
Música
Pude acreditar
Que quando o sol brilhar
Quando entardecer
Quando ouvir um som
Será você
Quando o céu chorar
Quando o mar gritar
E a onda bater
Será você
Quando eu repetir
Eu vou te dizer
Como eu sou feliz em ter você.

Luciano Calazans
Inserida por Maestroazul

ANÓDINAS

O que sou?
Sou um cão
Um grão
Um não
Um tudo
Um nada
Nada é talvez
Tudo é talvez

Mal-passado
Passado o mau
Peço anódinas
Quentes, frias, mal-passadas
Mas que cheguem depressa

Pois a depressão inútil e controversa
Está aqui, latente
Dentro de mim ou em forma de gente
Cercando minha casa de palha
Meu jardim de plumas
Meu viver de sonhos.

O que sou?

Um fruto de um ventre
Um soprar de um vento leste
Uma ponta de icebergue
Uma semibreve

Preliminar de uma vida seca
Linha torta desenhada pelo tempo
Que caleja e que ensina
Que somos o que não querem
Que fomos o que queriam
Seremos uma pergunta [sempre]

Quem sou?

A tépida face que gargalha
A funesta sílaba de uma fala
A sábia águia a voar
Na vastidão de mil tormentos
Em segundos, meses, momentos

Que voam em uníssono
Em diferentes cores e firmamentos

O grão germina
É da sua natureza
Quem enxergar tal grandeza
Há de ser sempre a tal águia

A grandeza de um grão está em sua morte
A grandeza do sim é suportar
Um simples não
Com ou sem anódinas

Passado mau
Leite derramado
Mal-passado.

Quem é você?
O que é você?

Outra luz a acender...

Luciano Calazans
Inserida por Maestroazul
1 compartilhamento

#12;
QUANDO CHOVEU
(reflexão sobre uma melodia homônima)

Em uma bruma qualquer da vida
Encontrei algo próximo da plenitude
Sem feridas ou chagas em nenhuma parte do corpo ( ou de mentes)

Chovia...

Era o céu em desmantelo ...
Suave derramar de um cheiro de alegria e fantasia
Transeuntes desatentos e ignóbeis em seus "possantes"
Pareciam vermes rastejantes alheios ao que ali acontecia

Naquele dia choveu...

Corpo que queria e transpirava a outra face
Jazia estatelado em frente à Deusa (chuva) e à outra parte em uma audiência de corações

Ah! Como é doce o poder que todos temos, que é a simples fantasia
Renegada por uma triste maioria
Que preferem o real ao sonho

Chovia fantasia naquele dia

Vem, ó magnânima e pungente chuva!
Vem e roça meu rosto alegre e revigorado por seu cheiro e sabor

O que era tristeza naquele dia
A sacramentada água da chuva
Consigo levou

Ainda que tardia
A alegria e esperança
Virá e verá com sua face enluarada
Tudo o que um dia o amargo levou

Naquele dia chovia união
Naquele dia choveu a mais cândida emoção.

Naquele dia, simplesmente chovia
Uma leve afeição.

Choveu quando encontrei a Deusa despida da angústia e aflição.
Naquela chuva toquei os pingos

Quando choveu as cordas do pinstrumento caíram em pranto.

Choveu.

Luciano Calazans
2 compartilhamentos

IN-SONE

Insônia
Única companheira que chamo também
De refúgio da criação
Invólucro dos pesares
Caixa de Pandora aberta
Em um eterno-efêmero momento de solidão

O estar perto e longe do firmamento particular
Uma algoz que atormenta o tormento
Uma sombra iluminada por idéias que se misturam
Em um liqüidificador de sons imaginários e reais ou solidificador de imagens de sons.

Vêm me buscar
quando não preciso
Me abandona quando o sim encontra o não
Paredes e arrebóis carregados de uma leve frustração
De quem quer o que tem e não pode ter o que quer
Penso! Penso! Penso...
Criação? Às vezes não.
A respiração predadora da alma inquieta
Não levanta sua flâmula, seu pendão branco.
E resta-me a réstia de um novo amanhecer.

Luciano Calazans
Inserida por Maestroazul



E ENTÃO…

Então me vi sem norte
Sem porte
Sem porto
Ambíguo e quase menos vivo

Então ouvi seus olhos
Cheirei tua boca
Afaguei teu sorriso
Beijei sua nuvem

Então sorri teu pranto
Uma vida chegando
Duas estrelas, um ventre
Fecundo e tenaz

Então cataclismas - breve torpor de nossas almas.
Então movimentos
Circulares
Círculos de Plotino
Círculos de Hipátia
Círculos de Dante
Universo ensimesmado
Infindáveis questionamentos...

Não caíste em desmantelo
Naquele ano do nosso senhor - tempo
Que o vento não levou e brisa sorridente
Nos gracious com choros enfantes sem dentes

Então chorei teu sorriso
Reguei seu jardim
Então a luz chegou
Poderosa e ofuscante

Então sorrimos o choro...




Luciano Calazans
Inserida por Maestroazul

ANJOS E PÁSSAROS
(soneto melódico)

Não que me importe com a sua porta
Aberta para outros portos
Não que me importe com a sua vida
Alheia ao meu inteiro dispor

Não que me importe com meu segundo círculo
Do meu inferno de antes
Ainda ouço o canto da cotovia

Estranho o canto do sabiá do forte
E suas melodias sinuosas em plena
Hora que o anjo também costuma
Versar, cantar

Amigos, Angelus, flores
Mil melodias de cantos e prantos
Numa saborosa agonia
Espanto!

Não que eu queira me antecipar
Mas se a dor purifica a alma azul
Peço às cotovias e sabiás

Em forma de anjos
Que cantem suas mis melodias
Em cânones reverberados e retumbantes

O sim
O sim
O sim

Desejo este atendido
Pelas singelas aves-anjos
Aos que penam no segundo inferno

Não que seja o recomeço
Mas ouvi os anjos a cantar
Não sofras coração maculado

Não! Não!

As portas estão abertas e o que está atrás delas também.

Não que me importe por alguns momentos me calar.

Quem sou eu para com quimeras
Desafiar os cantos dos anjos, cotovias e sabiás?

Luciano Calazans
Inserida por Maestroazul
1 compartilhamento