Lucas Splint

Encontrados 5 pensamentos de Lucas Splint

Em todo lugar do mundo os passos vão ter o mesmo nome, os olhares dos bailarinos vão ter o mesmo brilho, o coração dos mesmos vão ter o mesmo amor, não importa se seja branco, negro, japonês, homossexual, heterossexual, rico ou pobre, o ballet une acima das características físicas. Pessoas delicadas, anjos, batalhadores, artistas, sonhadores... Apaixonados.
Uma vez bailarino, nunca mais um ser humano qualquer. Será sempre diferente na sociedade, no grupo de amigos, na família... Será uma pessoa completamente apaixonada, com um sorriso diferente, com os pés cheios de calos, com uma postura elegante, com asas ao invés de braços.
Todo bailarino se não é privilegiado pelo físico ou pela facilidade de executar os passos, é privilegiado por ser bailarino, por saber como é fugir desse mundo de violência, por saber como é a sensação de ter um príncipe, mesmo que o "partner" seja seu melhor amigo. No palco ele vira seu primeiro amor. O olhar de amizade se transforma em um olhar apaixonado. Apaixonados primeiramente pela escolha de ser do mundo da barra, da sapatilha rasgada, da meia-calça furada, do collant suado... Que por mais que tudo que foi citado não esteja em perfeito estado, é o que te deixa em um estado perfeito.
Não concordo com a frase "Muita gente ama o ballet, mas o ballet ama poucas pessoas”; o ballet se deixar ser amado. É preciso conquista-lo um pouco todos os dias, para que ele seja seu. E quando for, ninguém nunca vai conseguir separar, porque ele estará dentro de você.
Bailarinos... Ah, bailarinos... Como podem amar o ballet mais que si mesmos? Como podem sonhar acordados? Como podem estar com o ballet todos os dias e não enjoar dele? Ninguém vai saber me responder, mas se a pergunta for diferente e eu quiser saber se todos os bailarinos sentem orgulho de si, com certeza a resposta vai ser sim, porque esticar os pés não é para qualquer um.

Lucas Splint
2 compartilhamentos

Sapatilhas da Alma!

São fabricadas como um calçado normal, um pouco exóticas, porém sem sentindo nenhum, pois é no mínimo estranho alguém calçar algo com um gesso na ponta, com madeira na sola... Só passam a ter sentido quando são colocadas nos pés e tomam vida e são usadas por “princesas”, “fadas”, “cisnes”... Mas ao mesmo tempo em que proporcionam magia, trazem realidade, machucados, dores, bolhas... Coisas que você antes não deixava nenhum calçado fazer com seus pés, mas as sapatilhas são diferentes, porque elas machucam os pés, mas curam a alma.
Há pessoas que irão achar que é fácil, que não dói. Quando você fizer alguém pensar dessa forma, é porque está a usando corretamente, pois não é apenas coloca-la nos pés, você tem que coloca-las com a consciência que elas vão te levar para outro mundo, esquecer o que vive.
O momento certo de começar a usar uma, é quando a pessoa não quer usar para poder se sentir bailarina, mas quando já se sente uma bailarina, e é. Quando olha para ela depois de uma apresentação e percebe que ela vale muito mais do que foi pago, vê que ela não fez ficar nas pontas dos pés, mas sim que a fez voar.
Muitas vão olhar para elas guardadas no armário por não usarem mais, e irão lembrar-se de todos os sentimentos que sentiram ao usá-las, porque elas não “guardaram” seus pés, mas sim suas memórias, mesmo que velhas que rasgadas. Você pode ver fotos, vídeos com ótima qualidade, mas só sentirá como foi, o que sentiu, quando tocar nelas, porque sem elas você nunca teria sido uma princesa, você continuaria achando que liberdade era andar descalça.
As sapatilhas não tem pé direito nem esquerdo porque não foram feitas para os pés, foram feitas para o coração usar.

Lucas Splint
41 compartilhamentos

Absorvido pelo Mundo do Piano!

No começo eu só achava o mundo do ballet lindo, aquelas garotas com tutus bem bordados, na ponta dos pés, aquele alongamento que achava que eu jamais teria, aquelas piruetas que eu não entendia como eles faziam sem ficar tontos.
E depois eu fui ficando fascinado sem perceber, quando eu vi as sapatilhas não queriam mais sair dos meus pés, e eu não queria sair mais da sala de aula, não queria mais ouvir as buzinas na rua, campainha, pessoas gritando; não queria ouvir nada, além do som do piano.
E quando eu me dei conta, deixei de lado o filme com que gosto no meio da semana, por falta de tempo, o sair de um sábado agitado com os amigos por dores, nas fotos entre eles eu nem aparecia mais, na reunião da família a minha ausência sempre era o maior questionamento, o sorriso fugia até de mim mesmo por não ter ido bem na aula. Mas tudo isso é recompensando quando ouço os aplausos da plateia, e me provam que escolhi o caminho certo.
E mesmo que eu queira sair do ballet, meu coração não deixa mais, meu corpo já virou dependente dos alongamentos diários e dos "pliés" que alimentam minha alma.

Lucas Splint
2 compartilhamentos

Para Sempre Bailarina!

Sophia antes de qualquer descrição, antes de ser um ser humano, é uma bailarina, característica que ela mais valoriza em si.
Não tinha pernas altas, colo de pé, não era alongada, muito menos tinha pernas em "x". Tinha seios grandes, talvez menores só que o próprio sonho, o de vestir um “tutu”.
Por mais que às vezes ela ficasse perdida nas aulas, lá era onde se encontrava, só queria se sentir bailarina, bailava para si.
Mas todos os meninos da sala a olhavam com olhar se desprezo. O mesmo olhar que ela se esforçava tanto para conseguir fazer uma pirueta dupla, era o que facilmente escapavam lágrimas quando se encontrava sozinha. Mas por mais que às vezes ficasse triste pelo ballet, nada a proporcionava alegria igual ao de preparar uma quinta posição e começar a dançar.
Chegado o final do ano, era dia de apresentação, ela chegou ao camarim faltando meia hora para a apresentação, sua mãe já estava na plateia com uma câmera fotográfica pronta para registrar o momento de sua entrada, mas ela não entrou.
A mãe, preocupada, foi até o camarim e lá estava Sophia, de "tutu" em frente ao espelho, e a mesma perguntou indignada o porquê de ela não ter entrado, e Sophia respondeu: "Mamãe, eu já realizei meu sonho, eu não preciso de fotos, não preciso de aplausos, eu só preciso desse momento registrado na minha memória, o dia que me senti bailarina".
Sophia cresceu, é dentista mas sempre faz um "grand jeté" ao pular uma poça d’água, imaginando estar vestindo aquele "tutu", mas na verdade está se calça jeans no corpo e um sonho realizado no coração.

Lucas Splint
Inserida por lucassplint
1 compartilhamento

Sob o Domínio da Arte

Todo amanhecer para bailarinos é complicado. O chão que você não sente ao pisar, as pernas que doem, as bolhas que perturbam... Seu corpo te dá bom dia estalando.
É uma relação de amor e ódio com a dor. É inevitável não se viciar nessas dores diárias que fazem questão de te lembrar sempre que você é bailarino. É um desgaste com sabor de trabalho.
E nunca vai parar. Tem dia que dói menos, tem dia que dói mais. Lembrando que me refiro ao corpo, pois se for avaliar o coração de um bailarino, perceberá que não existem feridas, porque não se deixa ferir.
Você entrega seu amor ao ballet sem medo, pois tem a certeza de que ele não te abandonará. Seu coração vai estar sob o domínio da arte, em troca você receberá algumas bolhas sim, feridas, lesões; mas prefiro um corpo dolorido à um coração machucado.
Todos chegam à aula reclamando das dores, às vezes até choram, mas no fundo sabem que fazem parte da sua felicidade, sabem que quando um dia não as sentirem mais, sentirão falta.
E acredito que sem as dores os aplausos não seriam tão gratificantes, com sonoridade de superação, e com uma sensação de orgulho, por nunca desistir.
E quando for reclamar da dor, substitua o semblante triste por um sorriso, porque se você não estivesse com ela, o ballet não estaria com você.

Lucas Splint
13 compartilhamentos