José Carlos Limeira

Encontrados 6 pensamentos de José Carlos Limeira

ESTAÇÕES INTERNAS

Estou contando
com a primavera.
Ultimamente
não tem havido flores
Dentro de mim;
Tenho andado
meio chuvoso,
Horizontes nublados,
embora tempestuosos
São frios, frios.
Hoje de manhã
não abri a janela
Saí de surpresa,
E de surpresa vi o dia
Estava lindo.
E fiquei sem vontade
De mudar minha
meteorologia interior
Decididamente
vou romper
com este inverno,
Estou muito úmido
por dentro.
E para tanto,
receita simples,
Vou com o vento
comer, devorar,
Um raio,
um raio de sol.

José Carlos Limeira

TREZE

Cansado de ser servido,
em prantos regados de cor e som
para comensais risonhos,
que dilaceram nossos valores,
com os dentes afiados.

Quero agora, no momento lúcido
gritar o necessário fato,
de que os treze ou treze
não nos diz nada além
do que vocês, caros convivas,
querem mostrar, encobrir, ostentar.
Criaram fotos coloridas,
comemorações festivas,
toques de tambores e atabaques,
para mostrar que somos
livres, felizes, e aceitos.
Tolas mentiras!
somos sim:
lascas de suor,
cortes de chicotes,
cheiro de fogão
entradas de serviço.
Precisamos fazer algo sim
para que ao invés
do paternalismo brutal
da gentil princesinha
haja a liberdade
de podermos realmente
abrir a porta desta senzala
para fazer a festa da cor real
do som dos atabaques
de danças e corpos
que rasgarão a noite,
os tempos
no verdadeiro canto
da ABOLIÇÃO que ainda não houve.

De O Arco-Íris Negro, São Paulo, 1978

José Carlos Limeira
Inserida por fazinhos

Preferências

Para Nelson Gonçalves Maca*

Acho o Machado porreta
Tanto quanto o Barreto
Assis está para Lima
Quanto o enredo e a vida
Usam os dois como estetas

São também compatíveis
De modo natural
D2 , Cartola, BuleBule
Bezerra, Djavan e Mano Brown

Nunca recuse o conhecimento
Não adiantaria o som do clássico
Se omitida a voz do gueto
A alma humana, alegre ou trágica
Ergue-se, acima dos preconceitos

Quero ligar, ouvir e ver
Quilombo Vivo,
Blackitude
Maestros e ÊMeCis
Afrogueto, Quilombola
Testemunhas, Chopin
Buarque e Elemento X

Ogãs, makotas e pierrots
Hera Negra
Os meninos do CRIA
Pois em tudo mora a arte
Em todos vive a poesia

Viajo na batida
Libertária, confidente
Na denúncia da violência
Do policial demente

Gosto da espera vertida em versos
Ou o olho vivo que espreita
Quilombo armado de rima
Lanças, línguas e canetas

Espetando de todos os jeitos
As goelas dos racistas, elitistas
Pretensamente perfeitos
A perfeição pode ser métrica
Mas o poema da vida
Nunca se deu só por ela
Feliz ou satisfeito

A perfeição é um A U com rolê
Ou o passo da passista
Um Stradivarius, Monet
Transformando agonia e fome
Em arte pura e sem nome
Que brota da pedra e da pista
Dos fatos, do incidente
Da criação, do artista
Rima, peleja, repente
Cantador ou DJ, nesta fita

Daí certas preferências
Que alimento, como revide
Desaforo posto no verso
Como nos versos do Thaíde
Ou de outros repentistas
Profetas de toda coragem
Carregando pelo mundo
Caminho novo e viagem
Fazendo de modo correto
Ensinamento e mensagem

E outros atrevidos, sagrados
Estrelas brilhando no dia
Como meu mestre Maca
Língua qual gume de faca
Entendendo toda poesia
De Homero ao quilombola Juno
Vencendo os estereótipos
Reeducando a academia

José Carlos Limeira
Inserida por fazinhos
1 compartilhamento

Continuo andando naquele carro velho
Que cruza com total insensatez a cidade
Vem da Liberdade e vai até o que ultimamente penso de liberdade
Aquela de poder sentir novos versos ebulindo
Em antigas Antígonas, segundo Mário, antigonas
Ou meu andar caricato e trágico
Carrego pesos como o Fausto, não o do Goethe, o daqui
Só que os meus não me dão velocidade
Como erros, meus pesos, não estão a serviço dos acertos
Lido com a dor sem domesticá-la
Apenas não sou por ela aniquilado
Pois primitivo me privo de ser íntimo de deuses e tebanos
Mas sem a ilusão é impossível atuar, como dizem
E não sou belo,
O trágico, também dizem, é alegre
Apenas caminho com essa solidão sem espelho
Em seu todo perfeita, plena, repleta de erros, pesos, e acertos
E sonho este desejo insano de completude
Molhado de sêmen e risco
Pela insônia das horas

José Carlos Limeira
Inserida por calimasa

O poder do poema

Um poema pode surgir silente, insolente, trôpego, carente, somente semente
Como o canto que só no recolhimento se ouve, ao toque seguro e forte
Que só o alabê mais velho sabe
Ou o eco que da voz da mulher de Aleduma ecoa
Ou o encanto da manhã mais terna
Quando o sol banha manso e surpreso as areias de uma praia distante, bem distante...
Um poema quando quer surge de onde quer
Veste a fatiota de um baile antigo, ou o abadá do bloco de reggae
E sem perigo segue
Sem amarras, pois cordas não lhe servem para as danças das yaôs vestais e marés
Somente meneios doces e vindos dos pés
Um poema consome o tempo da espera e pode durar um minuto, um século ou uma era
Pode despir-se do sorriso desta tarde e inaugurar outro silêncio na aurora
Pode ainda ser cúmplice de um festim posto a contragosto
Dos miseráveis vestidos todos de ternos e gravatas contando bravatas ao oco do mundo
Um poema vai fundo, pode estar imundo, mas dando respostas aos insurretos, ou a outros que se rotulam ou se julgam donos dos becos,vielas e guetos
Um poema pode e deve ser a resposta de quem gosta ou não gosta do que diz alguém
Um só poema vale mais que cem, pretexto para cena é tema
Desarticula o inusitado do verso curso diverso, afluente da estrofe, desabafo, dilema
Ou erro confesso, não sabe o próprio endereço, para desaguar conjunto,
Verbo, promessa e apreço no oceano pretenso do completo sentimento
Que possuo e mereço.

José Carlos Limeira
Inserida por calimasa
1 compartilhamento

Para confundir tudo
para Cássia Lopes por todas as palavras
Trago no bolso uma moeda para Exu
Para que fazendo seu papel não me corte dedos
Pois deles preciso para o corte das oferendas, sangue e verossimilhanças
Como as aves que se recolhem ao crepúsculo
Enquanto crianças tombam nas encostas, esquinas e becos.
Laroiê!
Saúdo seu lugar tempo e presença
O uso da graça, do riso, tua gargalhada
Própria para remissão do medo
Atrevimento além de tudo que está impresso
E que se revela drama e como tal afia bordas metafóricas de papéis
Que enorme falta papéis: cortar os dedos gentis da musa Cássia
E esses doem, ao doer, fazem com que ela diga do silêncio das sepulturas
Do Cementerio de la Recoleta onde moram Adolfo Bioy Casares, Bartolomé Mitre
Eva Perón, e outros de alta casta. La Recoleta evita certas presenças
Negros lá não têm o sono eterno, não lhes cabe
E tu Exu estando acima de ódios ou vinganças
Deves ter levado os teus nas asas dos condores quiçá abutres gigantes
Ao universo verso da imortalidade...
Todos os mitos, caráter, elocução, pensamento, espetáculo e melopéia
Sinos silêncio, Luz e Ação
E meu momento, receptáculo do mais descrente amém à dolorida verdade.

José Carlos Limeira
Inserida por calimasa
1 compartilhamento