Isabel Rosete

Encontrados 13 pensamentos de Isabel Rosete

PENSAMENTOS DISPERSOS, por Isabel Rosete

18/10/07
I.
Portugal: Uma pátria desolada nos confins da Europa. Outrora, vitoriosa, no “reino cadaveroso da cultura”.
Portugal: um Povo, uma massa de gente deslumbrada, com outros modos de fazer mundos, com os mundos das outras Pátrias, não perdidas nas marés do assombro.

II.

* Amo o Mundo, fechando-me dentro de mim própria…

* Não há espaços que nos absorvam nos caminhos da Vida e que à Morte não nos conduzam….

* Vivemos…Estamos…Caminhamos…em que direcção? Não o sabemos. Mas, algum Destino nos guia…

* Somos o que somos. Não mais do que somos.

* Amamos, odiamos, sentimos… Somos humanos.

* A morte faz-se e desfaz-se, em cada pedaço de Vida…

* Sorrio, sempre, como se as rosas não tivessem espinhos…

* Resta-nos pensar o Infinito…

* Não temos Vida. Vamos vivendo. Não temos esperança. Permanecemos expectantes…

* Suamos por todos os poros o que a Vida não nos dá.

* Permanecemos nos rodeios da Vida, com indeléveis marcas de esperança.

* Não posso esperar que o Mundo venha ter comigo… Vou ter com o Mundo…

* A inocência não é sinónimo de infantilidade. Mas, tão-só, da Pureza da Alma.

* O Amor arde, queima, corrói… Sobressalta os corações, sempre na expectativa de um outro amanhecer…

* Os amantes são sôfregos.

* O Amor entusiasma. Leva os corações para uma outra idade.

* As gerações são como um ciclo, em perpétuo ou eterno retorno…

* Há almas que fazem transparecer o hálito opaco dos corpos imundos…

* Cogitar o impossível. A maior satisfação do Ego.

* O Mundo, em perpétuo movimento, mantém-se sob a corda bamba do equilibrista.

* Movemo-nos no espaço incerto do Universo comunicacional. Sempre presentes e ausentes de todos os auditórios.

* Passamos ao lado dos outros. Não os vemos. Vemo-nos a nós mesmos.

Isabel Rosete
2 compartilhamentos

III.

* Assumir, convictamente, a identidade… Seguramente, o maior esforço de todo o ser humano, neste Mundo de falsas identidades ou de identidades camufladas, mergulhadas no espaço camaliónico das “diferenças” impostas, improvisadas, por esta sociedade do “parecer-ser”, em nome de um tal “bem-estar” comum.
Pura hipocrisia anulativa das dissemelhanças, da diversidade, que faz a singela Beleza, intrínseca à essência de um Mundo, a que já não pertencemos mais.
Adulterámos as Leis da Natureza. Instaurámos o caos cósmico. A isso, chamamos progresso. Que progresso? O da rarefacção da camada de ozono? O do efeito de estufa e do degelo dos oceanos? O do “des-equilíbrio” dos ecossistemas? O da miséria das crianças sub-nutridas? O dos Povos famintos? O da infelicidade dos homens que clamam o Paraíso perdido?
O “progresso” da irracionalidade, das mentes inconscientes, dos pensamentos corroídos pelo ódio, instaurou-se, definitivamente, no seio desta massa humana, indefesa, des-norteada, que hoje somos.
Coitados dos homens. Tão potentes e tão frágeis, ao mesmo tempo. Meras peças soltas do grande puzzele, o puzzele universal, onde já não se encaixam mais.
Somos mero pó em incandescência dissonante. Brilho opaco dos restos do lixo cósmico, em degeneração total.
Corremos pelos leitos de todos os rios, que, no mar, não desaguam mais.
Perdemo-nos de nós mesmos. Não nos encontramos mais. Rodopiamos num círculo imperfeito de esferas desencontradas, de espaços sem intersecção, indefinidos, incertos, indeterminados, mas, ao mesmo tempo, “extra-ordinários”, libidinais, irrascíveis e concupiscentes.
Erramos, navegamos pelos espaços infinitos da imaginação. Buscamos o Infinito, o Eterno, o Imutável. Projectamos um futuro outro, apenas existente no mundo ficcional de todos os sonhos: do “princípio da realidade” se afastam, para erguer, sempre, o “princípio do prazer”.
Velejamos por todos os mares. Pairamos por todos os espaços siderais. Percorremos todos os caminhos da Floresta, sempre paralelos, sempre descontínuos. A escolha não é mais possível.
Esmagamos um Ego desesperado, descentrado de si mesmo, tão narcísico, quanto paradoxal. E, no entanto, ainda somos aves de rapina, predadores universais, dominadores de todas as possíveis presas, camuflados com o meio, que já não é mais natural.
Percorremos todos os atalhos. Edificamos uma nova ordem. A da caoticidade mundial. E, no entanto, ainda somos apelidados de “animais racionais”.
Que racionalidade é esta, criadora de um tempo de infortúnio? Que racionalidade é esta, “des-veladora” de todas as misérias? Que racionalidade é esta “re-veladora” da massa indigente das gentes vagueantes?

IV.

* Convivo com o Mundo dentro de mim própria. Basta-me.

* A “Paz Perpétua” reina dentro de mim. Conquistei a felicidade.

12/11/07

* Não quero viver no Inferno das noites claras,
Na solidão das gentes,
Nos espaços atópicos de cada pensamento,
Nos espaços indefinidos dos pensamentos dispersos.

* Não quero a luz opaca dos olhares indiscretos. O brilho negro dos falsos sorrisos. A demagogia retórica das palavras sórdidas. O cheiro nauseabundo dos corpos em putrefacção.

* O Mundo está podre. Rejeito-o completamente. Recuso-me a compactuar com a hipocrisia, com as falsas verosimilhanças, com as vãs ironias, com as inglórias inteligências dessas mentes foragidas, que nada vêm. São inúteis. Completamente inúteis. Perpetuam, apenas, um saber “fantasiado”, com longos rasgos de ignorância extrema.

15/11/07

* Distante, no meu Mundo, penso as trilhas da Vida e da Morte.

* Viver é o quê, afinal? As respostas são múltiplas. Nenhuma me satisfaz…

20/11/07

I.

* O meu corpo, morto, embala-se nas cinzas do chão que, um dia, o deixou esvanecer.

* Quero viver Tudo, intensamente, como se cada instante fosse o último dia do resto da minha Vida.

* Sou a exemplificação da Hipérbole…

II.

* A monotonia congela-me o cérebro. Irrita-me a alma, ávida do sempre novo, do perpetuamente diferente, da metamorfose, do mistério, do enigma, de todas as incógnitas…
A minha alma requer o desafio do desconhecido, do nunca visto ou imaginado. Do impensado e do impensável. Caminha para o impossível, para o reino efémero da ausência de limites, para o paralelamente infinito, para todos os caminhos, até mesmo para os mais recônditos.
Procura a inocência primeira, a leveza do Ser de todas as coisas, animadas e inanimadas, terrestres e celestes, no seio dos dois lados da quadratura perfeita: os Homens, a Terra; os Deuses, o Céu.
Busca o infinito, na esperança de encontrar um mundo novo, perfeito. Este já está gasto, saturado, desgovernado, demasiadamente costumeiro para quem deseja ver mais longe, para além das ilusórias aparências que ofuscam o olhar primogénito.
A minha alma procura, sem cessar, a liberdade, esse espaço aberto de expansão total do Tudo, onde não há o acaso, nem o vazio, nem o nada.
Quer percorrer os círculos viscerais de todos os entes. Ama a Totalidade, na sua grandeza, que foge aos estreitos limites do Tempo, do Espaço, do Destino.
Vagueia por todos os lugares. Não cabe dentro de si mesma. Procura o Aberto, onde Tudo se funde, em perpétua comunhão com o Ser, o Estar e o Pensar.
A minha alma pensa o Mundo. Esmorece perante o caótico cenário da miséria humana. Quer mudar o Mundo, a mente das gentes agrilhoadas à mesquinhez do mero sobreviver. Quer ultrapassar as barreiras do tempo e do espaço. Quer ser eterna.
Não é narcísica. Vê-se ao espelho. Reconhece a sua própria identidade. Sofre com todos os “Epimeteus”…Deseja todos os “Prometeus”…
Sente-se só. Desamparada, neste espaço cósmico “des-humanizado”, que não suporta a disparidade da alteridade.
Quer renascer num mundo novo, com a hierarquia axiológica adequada…. sem rótulos, sem rebanhos, sem congeminações forçadas e infundadas. Quer crescer no topos infinito de todos os oceanos…

Isabel Rosete
2 compartilhamentos

A morte do outro
Apraz-nos bem…
Engrandece o Ego
Em busca de “auto-satisfação”…

Quem disse que o homem
Nasce naturalmente bom?

Quanta ilusão
Quanta alucinação,
Quanta aparência
Quanta insolência…

A finitude do outro
E do mesmo,
O acabamento
A aniquilação

Um outro espaço
Um outro lugar,
Um outro tempo
Uma outra vida…


Isabel Rosete
26/05/2007
15/01/08

Isabel Rosete
Inserida por isaroses

A Natureza gosta de se esconder…
Nós,
Humanos,
De a desventrar
Até ao infinito possível
De todos os seus refúgios…

A mão que semeia
É a mão que destrói
Que colhe e recolhe
O produto
De cada desvanecer,
Os efeitos simples e singelos
De cada renascer…

Isabel Rosete
06/08/07
15/01/08

Isabel Rosete
Inserida por isaroses

Amamos os outros…
Mas não amamos
Os outros…

Amamo-nos a nós mesmos
Centros de todos os Mundos
De todos os Universos
De todos os espaços siderais

O egocentrismo
É a nossa
Marca perpétua

A alteridade
Está aí
Vemo-la
Escutamo-la
E recusamo-nos
A senti-la

Queremos o outro
Mas não queremos o outro
Queremo-nos a nós mesmos
Em nós mesmos
E não no outro…

Fazemos do outro
O outro de nós
Giramos em círculo
Nem sempre perfeito
Em torno do outro
De nós…

Um eterno retorno
Ao Ego
É a marcha
De todos os nossos passos

Bifurcamo-nos nos caminhos dos outros
Para nos encontramos
Sempre que permanecemos dispersos

A incessante busca da Identidade
É o traço do nosso destino
Errante
Perplexo e complexo…

Isabel Rosete
6/08/07
15/01/08

Isabel Rosete
Inserida por isaroses

Amar…
É o desespero
De um coração carente
À procura da outra metade
Que o complete…

Somos incapazes
De nos completar
Precisamos sempre de um outro
De qualquer outro
Que procuramos em nós…

Essa terrível e eterna
Dependência do outro
Que não conseguimos
Encontrar em nós …

Que desgraça
A do coração humano
Sempre em falta
Irremediavelmente só
E despedaçado

Lamenta,
Lamenta-se
Exclama
E proclama…

Não sabe estar só
Dialogar consigo…

Encontra
No seu âmago
O vazio
Do seu próprio preenchimento…

Amar…
É coisa dos homens
Seres solitários
Incapazes de percepcionar
A solidão como outra forma de amor

E isso não basta,
A estas criaturas errantes?

Não
Não basta…
Nada basta…

Há sempre um mais
Um depois
Que aflora
Em todos os pensamentos
Nos mais claros
Nos mais recônditos
Nos mais inconscientes….

Isabel Rosete
09/05/07
15/01/08

Isabel Rosete
Inserida por isaroses

Amo
Não sei bem o que amo

Tenho medo de voltar a amar
De voltar a sofrer
De voltar a sonhar

As ilusões crescem
Quando se ama

Emerge a dor
A insatisfação
A insanidade e a insensatez

A cólera aflora
A presença ausente de um outro estado
Sempre inacabado
Sempre adiado

Caminhos que não conduzem
A parte alguma
Espreitam-nos no amor

Nos caminhos
Que se bifurcam
Perdemo-nos
De nós
E do outro

Encontramos o desfiladeiro
Assoma o vazio
De uma alma deserta
Dispersa
Em “con-fusão”

Alienada pela adrenalina
Que sobe
Escorrega
Desampara
Inquieta…

O êxtase da alma
É intolerável
Em qualquer paixão

As mãos tremem
Transpiram

O coração
Consome-se
Num ritmo
Acelerado
Incontrolável
Incontornável

O estômago
Já não se contém
Com tanta ansiedade

Calafrios
Pela coluna
Sobem e descem

Tudo se move
Tudo se transforma
A um ritmo
Desenfreado
E imparável

Assim é o amor
Força
Que move e comove
Despista
Rói
Corrói

Cego e surdo
Táctil e visual
Transporta-nos
Para a realidade
Do possível
Para o possível
Do impossível
Para o imaginável
Do inimaginável,
Para o sonho
Do “in-sonhável”

Para as correntes tumultuosas
De um mar sem fim
Para o infinito
Do próprio finito
Para a alucinação
Da sensatez

Para a irrazoabilidade
Do razoável
Para o ilimitado
De todos os limites
Conscientes
Ou inconscientes

Assim é o Amor
Uma força tremenda
Gigantesca
Arrebatadora
Desmedida
Enorme

Dentro de um tempo redondo
De um eterno retorno
Do mesmo e do outro
Com princípio e fim

Isabel Rosete
26/05/07
15/01/08

Isabel Rosete
Inserida por isaroses
1 compartilhamento

Amo a transparência
A lucidez das formas
A visibilidade dos conteúdos

Amo o Mar
Nas suas ondas alterosas
O pôr-do-sol
Nas cristalinas águas reflectido

Amo o vento
Que espalha as areias
Pelas praias desertas
Onde os amantes se enternecem

Amo a Vida
Perdida
Em todos os rumos
Procurada
Em todas as veias
Ainda não dilaceradas

Amo os Amores
Os meus
Que vão e vêm
Os dos outros
Que estão aí
E alimentam a roda do mundo

Amo a criação
“Des-veladora” do Ser de cada ente
Que ganha forma e conteúdo
Em cada gesto da mão que enforma
A matéria em estado bruto

Isabel Rosete
18/10/07
15/01/08

Isabel Rosete
Inserida por isaroses

Amo o silêncio

O ruído das máquinas
Fere os meus ouvidos
Tão puros
Tão singelos
Quanto cada amanhecer

Os sons das trombetas dos anjos
Espero ouvir
Ao entardecer

As suaves melodias das almas
Espero beber
Ao anoitecer

Os sons da Terra
Espero sentir
Em cada renascer

Amo a pureza de cada ente Nu
No despertar da Humanidade
Que suspira
O Virgem
O Fértil
O Imaculado
De todo o desflorar da criação
Em todos os seus estados de Graça

Isabel Rosete
09/12/07
02/08/07

Isabel Rosete
Inserida por isaroses

Édipo…

A trágica lembrança
do amor maculado.

As mãos manchadas do sangue
do mesmo sangue,
por uma traição não premeditada.

A memória
de um pecado capital,

não mais compreendido
não mais perdoado.

Um amor proibido,
castrado
pelas teias da moralidade;

Um amor
pela Polis
punido,

que as leis dos deuses
não respeita mais.

Édipo…

A vileza inconsciente
de uma alma apaixonada,

condenada
aos degredos da dilaceração,
de uma morte não anunciada.

Uma alma repleta de dor,
que os olhos cega,
para não mais avistar…

Isabel Rosete
10/01/08
15/04/08

Isabel Rosete
Inserida por isaroses

Amo a criatividade,
a originalidade,
vital,
dos traços incógnitos,
ainda não percepcionados.

Amo a novidade
do sempre novo,
a singularidade,
impensada,
da especificidade de todo o acto de criação.

Amo o contínuo regresso
do dissemelhante,
a metamorfose,
catártica,
de todas as coisas.

Amo a giratória perene do Universo,
a mudança continua
de todos os entes,
em torno do seu próprio círculo,
disperso…

Isabel Rosete
09/12/07
215/04/08

Isabel Rosete
Inserida por isaroses

Como não temo viver riscos
Como amo todos os desafios,

Ouso todos os excessos,
Todas as hipérbole,
Todas as excentricidades.

Ouso
Ousar o Tudo.

Isabel Rosete
19/12/07
26/01/08

Isabel Rosete
Inserida por isaroses

Primavera

O brilho do Sol,
O cheiro suave e doce
Do ar tranquilo.

As flores despontam.
Apontam para um novo estado,
Coberto de graça.

Os pássaros
Fazem ouvir o seu canto,
Não premeditado.

As nuvens correm
Rumo
À nova desfloração.

O brilho intenso
Das noites claras,
Afaga-nos a alma.

A alegria da Vida
Desperta em todos os rostos,
Amantes da beleza diversa da Criação.

A beleza de cada ente
Mantém-se no palco
Da eterna comunhão.

O estares não se aquietam,
Os amores despertam
Para a colheita de novos frutos.

Desponta a reviravolta ardente
De outros desejos,
Ainda não consumados.

Tudo acontece,
Na embriaguez sólida,
De um eterno beijo.

Isabel Rosete
12/03/08
02/04/08

Isabel Rosete
Inserida por isaroses