Humberto del Maestro

Encontrados 19 pensamentos de Humberto del Maestro

Na velha roseira,
entre as folhas e os espinhos,
uma aranha tece.

Começo de chuva...
A tempestade faz festa,
no meio da rua.

Os beijos da tarde
são feitos de mil fragrâncias
de velhas saudades.

Natal em festejo!
Os filhos não me visitam...
Papai sem presentes.

A noite flutua
e as rosas dormem mimosas
aos beijos da lua.

Longa chuvarada...
Nos matos e nas lagoas,
um canto de vida.

Seus cachos de seda
são borboletas douradas
brincando na brisa.

Sentei-me na praia
e quando dou pela coisa
o mar me beijava.

Ao primeiro susto,
os pombais, cheios de arrulhos,
ficaram vazios.

O céu, que é perfeito,
andou jogando em seus olhos
o dom do infinito.

A chuva tardia
deixou perfumes de terra
nas ruas molhadas.

é quase noitinha
o céu entorna no poente
um copo de vinho

A tarde é bem quente.
Cansada, boneca ao lado,
menina dormindo.

Doze anos em flor!
A linda menina ainda
não pensa no amor.

A lua, cansada,
adormeceu por instantes
no leito do rio.

Não tenho certeza,
mas acho que os grilos gostam
da minha janela.

Muita brisa à noite.
Dos jasmineiros da rua,
perfumes e flores.

Não é meia-noite
e as mariposas cansadas
já dormem nas praças.

⁠A manhã recita um salmo,
passa o vento mais amigo,
e é nesse momento calmo
que Deus conversa comigo

Inserida por touchegrs