Fábio Silva

1 - 25 do total de 124 pensamentos de Fábio Silva

Aquele sorriso lindo que despercebido passou,
Em plácido repouso adormeceu;
Aquele sorriso que foi meu e não vi...

Fábio Silva
Inserida por FabaoSilva

A felicidade não vem com facilidade, ela é constituída de pequenos momentos da vida. O segredo é saber prolonga-las!

Fábio Silva
Inserida por fabiossantos91

Ficou um silêncio largo
Na sombra das horas
No entardecer triste,
Badaladas profundas
Horas funestas,
Soturnas
Abateu-se tristeza tamanha
Calou-se...

Por um instante não havia amanhã
Buscando abandono
Nas batidas,
Nos toques tristes de sinos
Estremeciam alvoradas
Sumiam noite adentro
Desapareciam...

Na despedida
Brisa suave soprou...
Na lembrança dos olhos negros marejados
Na despedida
Fitou – se a ultima lembrança
Triste e funesta.

Ficou um silêncio largo...

Fábio Silva
Inserida por FabaoSilva

O maior erro que alguém pode cometer é medir a qualidade de um presente dado pelo tamanho, ou valor(custo) dele. Para se medir a qualidade de um presente deve se avaliar o sentimento presente na pessoa ao presentear a pessoa desejada.

Fábio Silva
Inserida por fabiossantos91

Quando eu tiver um mano,ele vai se chamar Herrar.
Porque Herrar é o mano.

Fábio Silva
Inserida por fabi0silva

Lei de causa e efeito.

Esta lei não é tão simples assim. Pois a menos que se creia na doutrina da palingenesia, como explicar o fato de uma pessoa que nunca estuprou, ser estuprada?
Nunca matou, e morrer assassinada?
Ter vivido uma vida de paz, e sofrer as mais incalculáveis violências e truculências?!
Os gregos acreditavam na doutrina da transmigração. Os hindus creem, os budistas e até os ensinamentos do Zohar falam sobre a METEMPSICOSE.
Já a filosofia bíblica judaico-cristã pura e simples, não crê dessa forma.
Uma vez que, em aos hebreus, Paulo diz que ao homem está ordenado MORRER UMA SÓ VEZ, vindo após disso o juízo!
Então, percebe-se claramente que os ensinamentos sagrados de cunho bíblico, não acreditam nesta doutrina.
De qualquer forma, em respeito aos irmãos hindus, taoistas, budistas, gregos (antigos), Egípcios ( antigos), adeptos da cabala e etc, a meu ver, seria inconveniente alguém pagar numa vida, o que nem sabe que havia cometido na outra, como uma forma de purificação.
Acho apropriado responsabilizarmo-nos pelos nossos próprios atos e atitudes, ao invés de culpar uma suposta vida pretérita.
Se bem que isto daria azo pra se dizer que pagamos pela queda de Adão.
Sim, é verdade, segundo os ensinamentos bíblicos - vetero-neotestamentários.
Mas Não é Adão quem paga sucessivamente e em várias vidas, como em nossa. É cada um que paga por uma transmissão de uma maldição que nos fora passada pela queda original do homem. ( há meios de se evitar essa maldição)
De qualquer forma, ninguém paga pelo que Adão cometeu, embora sintamos a consequência disso.
Pagamos pelo que cometemos.
Então voltando ao assunto central, como explicar causa e efeito para quem nunca se quer roubou e foi roubado?
Nunca prejudicou ninguém e não goza de perfeita saúde?
Você já deve ter visto pessoas ruins, gozarem de plena saúde e viverem bem.
Bem, acredito que nem sempre o efeito é cometido pela mesma causa.
Mas de uma coisa estou certo, segundo a mesma BÍBLIA: "o justo SOFRE".

Fábio Silva
Inserida por FabioSilvaDN
1 compartilhamento

O preço da "bondade"

Existe um pensamento no livro cristão interessante:
O amor seja não fingido. [Aborrecei] o mal e apegai-vos ao bem. Romanos 12:9 (grifo meu)
[Aborrecei o mal ]
Este verbo que aparece - ABORRECER -, remete-me a uma profundidade de pensamento que me faz ver o grau ou risco que sofre, alguém que ABORRECE o mal, evidentemente com seu arqui-inimigo - O BEM.
Ora, o que é "aborrecer"?
Desagradar, chatear, irritar, molestar e etc.
Já experimentou ABORRECER uma pessoa que faz o bem? Quando esta se sente chateada, molestada ou ABORRECIDA, saindo de seu limite de razão, qual não é sua atitude , senão a de sair de seu estado de "graça" a entrar num estado de ira ou até ÓDIO, a ponto de se tornar irreconhecível? Falamos de uma pessoa - BOA.
Portanto será de sua natureza o bem estar, causado pela bondade que recebe ou que pratica - já que é "BOA" . Mas, sendo provocada sem justa causa, se descontrolará e tornar-se-á - como dito - IRRECONHECÍVEL.
Imaginemos agora ABORRECERMOS O MAL - COM O BEM? Se se molestar o bem, o tornamos - à luz da justiça (em seu direito) - irado e transtornado, quanto mais se se molestar o mal, com o bem - seu principal inimigo.
Imagine uma pessoa justa, tomando um tapa na face, sem motivo, como não ficaria, o que não poderia fazer como resposta em sua defesa ( tendo este DIREITO)?
Imagine o mal sendo golpeado na face com o punho do bem? Imagine o que o mal não fará, como retaliação por se sentir ofendido? Aborrecer o mal com o bem, nada mais é que afrontá-lo; dar nele, um belo tapa em sua "face". Já que TODA bondade praticada - a justiça, a ética -, é sua "mortal" afronta, porque contra a sua natureza é.
É assim o quadro que descrevo: a de um ser maldoso completamente irado porque está sendo afrontado e ABORRECIDO por um ser do bem. O bem, neste caso, já é a própria afronta. Agora pergunto: até aonde iria o mal, para se vingar de uma "afronta"? Como se percebe: este é o preço da bondade...

19 de julho de 2013

Fábio Silva
Inserida por FabioSilvaDN
1 compartilhamento

[Critério de julgamento de oportunidade de acordo com a avaliação divina.]

Você já deve ter se perguntado o porquê uns teriam "mais" oportunidade de vida, do que outros.
E por que uns têm mais livramentos de mortes e acidentes do que outros e etc.
Por exemplo: Regina Kay Walters, morta aos 14 anos pelo psicopata Robert Ben Rhoades, que, tirava fotos de suas vítimas momentos antes de matá-las.
Pois bem. A senhorita Regina, tivera apenas 14 anos de vida.
Já o psicopata, por exemplo, que a assassinou, está com 71 anos e VIVO, cumprindo a pena de prisão perpétua, nos Estados Unidos.
Pergunto-me quantos livramentos de morte, Deus deu para ele, ao auge de seus 71 anos.
Mas para Regina, apenas 14 anos de vida e, aos 14, nenhuma outra oportunidade a mais, além da que tivera antes de seu óbito.
Nossa avaliação, se baseia no critério de tempo - apenas.
Mas se de fato fosse apenas o tempo, Deus seria injusto por fazer acepções de pessoas, escolhendo aleatoriamente, dar mais tempo a alguns e menos tempo a outros. (Não me parece uma boa avaliação, um Deus tão complacente e benevolente escolher ditatorialmente dar mais ou menos tempo a alguém, apenas com base em seu querer - embora seja Deus).
Mas darei um curto exemplo, a fim de auxiliar o raciocínio que quero dizer. Podemos pegar um monte de algodão, querendo ter UM quilo dele e, querer obter o mesmo peso de ferro. Ou seja, eu quero tanto UM quilo de um, como UM quilo do outro.
Obviamente eu deverei ter mais volume de algodão para chegar à mesma proporção de peso do ferro.
Do ferro, poderei ter UM quilo apenas com uma barra - menos volume. Mas para eu ter UM quilo de algodão, deverei ter muito mais volume que o volume que terei de ferro, para chegar a UM quilo.
Porém, embora haja uma diferença enorme de volumes, quero obter um RESULTADO IGUAL - 1KG.
Quem não conhece proporção de volume, pela lei da física, ao avistar de longe um monte de algodão, e ver apenas uma barra de ferro, deverá achar que há mais peso em um do que no outro. Embora evidentemente, haja mais algodão. Porém o peso é equivalente!!!
Assim, é o critério de avaliação de Deus e a dos homens, por exemplo.
A quantidade de idade de um, não necessariamente quer dizer que haja mais "peso" do que na vida de um outro indivíduo, com menos idade.
Deus avalia cada indivíduo, de acordo com o critério de sua própria constituição natural. (Da do indivíduo).
Envolvidos nessa avaliação, quero dizer, as constituições do espírito, da alma e do corpo.
Cada um, recebe uma medida de tempo, e de oportunidade, de acordo com a distribuição que a natureza lhe conferiu. Estas atribuições, são extremamente compatíveis com seu tempo de vida e com as suas constituições naturais.
No final, equivalendo-se entre si - de indivíduo para individuo; (Conforme os volumes do algodão e do ferro, e seu resultado FINAL, que seria um peso equivalente).
Deus seria injusto se desse mais tempo a uns do que a outros, porque ninguém é mais ou menos humano em si, do que o outro. Embora haja caráter e personalidade e caráter e personalidade.
Todavia, caso ocorra tal fato de modo excepcional, Deus jamais permitirá advir um mal sobre um BOM individuo, caso, desse mal, não resulte um BEM MAIOR. Como nos faz crer o sábio Sócrates, em uma das obras de Platão: "tanto aqui ou no além".

(12.07.2016 . 12:30 h )

Fábio Silva
Inserida por FabioSilvaDN
1 compartilhamento

Assumindo a responsabilidade.

Por que eu gosto da bíblia?

Porque dentre os vastos motivos que eu encontraria para falar, acho-a literalmente transparente, límpida e acima de tudo responsável.
Não entrarei nos detalhes para provar sua autenticidade; pois fica sob o alvedrio de cada qual, crer no que achar que deve crer - o pensamento é livre.
Mas acho interessante o impacto que sua transparência causa em pessoas que nela não acredita ou não acham Deus um ser responsável.
É como uma pessoa que comete um "erro" e, todos já vêm armados para aponta-la, esperando que ela negue. Mas diante da surpresa de uma afirmação tranquila, simplesmente não conseguem ter reação.
Assim é Deus. Aliás muito mais pois, pela própria palavra sua, assume o que se passa com os homens TRANQUILAMENTE e sem se importar com as acusações.
Por exemplo, "debati" levemente, com um cidadão chamado ...Magalhães, e tentei de certa forma mostrar que ele errou e errou feio, ao dizer que Deus, apenas leva a culpa por coisas boas que faz, e jamais se atribuem a ele coisas Más. Mas penso que o fato de eu mostrar que não apenas se atribuem coisas ruins a ele, como a própria bíblia diz que ele assume o mal que aqui, pode ocorrer, o fez fingir ignorar minha postação DIRETAMENTE A ELE.

Vejamos, a nível de informação e curiosidade apenas, o que ele disse, e minha réplica a ele:

[... Magalhães]:

Engraçado como Deus leva o crédito do que é bom. Mas as coisas ruins ninguém joga a culpa nele também. Como Deus explica a fome das crianças inocentes da África? As inúmeras doenças? não só lá mas no mundo inteiro, talvez ai na sua cidade. Se Deus existe ele é um cara injusto, e será ele quem terá que implorar pelo meu perdão!

[Eu]:

[Rhomário] Magalhães. A própria bíblia atribui a Deus, certos males. Aliás indiretamente, poderíamos até atribuir-lhe TODO o mal, uma vez que escolhe PERMITI-LO sobre quem quer que seja.
Mas voltando à própria bíblia, o livro mais lido do mundo e de cunho extremamente “religioso”, vejamos um trecho onde exarado está, que a Deus, é atribuído um mal.
Quem não se lembra de Jó? E quem não se lembra do que dele, está registrado na chamada bíblia?
Vejamos: “Então vieram a ele todos os seus irmãos, e todas as suas irmãs, e todos quantos dantes o conheceram, e comeram com ele pão em sua casa, e se condoeram dele, e o consolaram acerca de todo o mal que o SENHOR lhe havia enviado; e cada um deles lhe deu uma peça de dinheiro, e um pendente de ouro”.
Jó 42:11
Reitere-se: [ e o consolaram acerca de TODO O MAL que o SENHOR lhe havia enviado] ;)

Ora, de um Deus que assume a responsabilidade de um mal que ENVIOU a um servo seu, SEU!!! como dizer que a ele nunca se atribuem coisas ruins?

Agora aqui o negócio fica interessante: se a própria bíblia nos revela a bondade de Deus, em exaustivos textos, qual será o recado que Deus quer nos transmitir, em dizer explicitamente que pode permitir males afligirem seus próprios servos e a humanidade, portanto?

Será que eu não deveria tentar ao menos conhece-lo, para que assim então eu possa ter noção de um JUSTO julgamento?

Deus é misterioso, e se se fala de "mistério", vociferou Shakespeare: "Há mais mistérios... do que possa imaginar a nossa vá filosofia".


6 de julho de 2014

Fábio Silva
Inserida por FabioSilvaDN
1 compartilhamento

[DA matéria à forma]
Digamos que um cientista invente uma matéria que, por si só, isto é, pelas condições dadas à matéria, pelo cientista, esta, tome uma forma má, no futuro. Digamos que este mesmo cientista, SAIBA disso e, quando a tal forma chegar, ele NÃO FIQUE SURPRESO COM ISSO. Digamos que esta forma má, trará algumas coisas ruins para a humanidade mas, o resultado dessas coisas ruins, também trarão coisas melhores do que se elas não tivessem acontecido. E por isso mesmo o cientista não impediu a formação daquela matéria. Digamos agora que o cientista diga - EU CRIE ESSA FORMA! Ora, ele "criou" a matéria, mas assumiu a autoria da FORMA. Se atendo ao resultado e não a causa. Pois bem... está escrito que Deus criou o mal. Mas se analisarmos BEM, na verdade ele não o criou, criou apenas a matéria BOA, dando a ela TODAS às condições de, no futuro, transformar-se em FORMA RUIM. É por isso que Deus diz que CRIOU O MAL. Deus, à moda daquele cientista, já havia previsto o resultado final da matéria que chegaria aquela forma, pelas CONDIÇÕES dadas por ele MESMO. E assim como aquele cientista permitiu o mal para que através desse mal COISAS MELHORES PUDESSEM ACONTECER, ASSIM TAMBÉM DEUS PERMITIU A EXISTÊNCIA DO MAL. É natural Deus assumir também que está por detrás de coisas ruins, não por ele ser ruim em si mas, por mostrar sua SOBERANIA sendo o AUTOR DAS CONDIÇÕES À ELAS DADAS. Como quando fez com Jó.
" venerunt autem ad eum omnes fratres sui et universæ sorores suæ et cuncti qui noverant eum prius et comederunt cum eo panem in domo ejus et moverunt super eum caput et consolati sunt eum super omni malo quod intulerat Dominus super eum et dederunt ei unusquisque ovem unam et inaurem auream unam" .
/ Então vieram a ele todos os seus irmãos, e todas as suas irmãs, e todos quantos dantes o conheceram, e comeram com ele pão em sua casa, e se condoeram dele, e o consolaram acerca de todo o mal que o Senhor lhe havia enviado; e cada um deles lhe deu uma peça de dinheiro, e um pendente de ouro. Jó 42:11
Todos sabem que na verdade, segundo o texto histórico de Jó, não foi Deus quem enviou aqueles males sobre Jó, mas o DIABO que o tentou, com a PERMISSÃO DE DEUS. Todavia, por que Deus assume a AUTORIA?
Percebe?

13.11.2016 13:06 h

Fábio Silva
Inserida por FabioSilvaDN
1 compartilhamento

Tempos de crise.

Num tempo, onde se imperavam os títulos, principalmente entre os de Oxford, na Inglaterra, e também entre os platônicos/neoplatônicos e "aristotélicos", vem Giordano Bruno e simplesmente se intitula dizendo em seu [ACERCA DO INFINITO DO UNIVERSO E DOS MUNDOS] - "O FILÓSOFO DE ACADEMIA NENHUMA". Foi uma ironia dele - e SÁBIA ironia. Mas em suma: ERA O QUE MAIS SABIA!
Ainda NÃO posso me intitular filósofo de nenhuma academia, porque nem para dizer que NÃO pertenço a nenhuma, estou eu ainda preparado!
De qual academia tu pertences?

Fábio Silva
Inserida por FabioSilvaDN

Dizem que luz e trevas "não" se misturam.
Descobri que LUZ e LUZ também não.
Não em mesma intensidade. Uma luz sempre tem de brilhar MAIS ou menos perto doutra.
Os astros por exemplo. Cada sistema planetário, possui pelo menos UM sol.
Denominamos sistema solar, o conjunto de planetas que orbitam o NOSSO sol. Não há nenhum outro perto dele.
Sol muito perto de outro "NÃO" brilha.
O sol combina com a escuridão. É na escuridão que se necessita de LUZ; não na luz.
Até entre "luzes" muito perto umas das outras, há CONTENDA.
Jesus por exemplo. Havia este dito a seus discípulos: Vós sois a LUZ do mundo.
O problema logo se mostrou, quando estes "astros" andaram JUNTOS, perto demais. Abalaram o "sistema cósmico" discipular. Porque é isto o que acontece quando astros se chocam. Quando placas tectônicas se chocam, chamamos de abalo SÍSMICO. Quando sóis se chocam, podemos denominar de abalo do sis-tema cósmico.
Os discípulos de Jesus, quando muito perto uns dos outros, se chocaram!
Luzes muito perto umas das outras: "QUEM É O MAIOR ENTRE NÓS"? Disseram eles.
Paulo de Tarso - uma LUZ; Barnabé - outra luz!
Andaram próximos demais e HOUVE UMA CONTENDA TAL, que estes tiveram de se separar.
Ló e Abraão - contenda entre os pastores deste com os pastores daquele.
Muita luz perto - uma da outra -, chocaram-se. (Quem brilhará mais?)
Deus - LUZ SUPREMA. Lúcifer - a LUZ mais suprema no céu, abaixo de Deus.
Duas FORTES luzes que viviam perto. Chocaram-se e houve um abalo cósmico-UNIVERSAL.
Luz não se dá apenas com trevas.
Luz NÃO se dá também com "luz".


27 de novembro de 2015 às 22:47 h

Fábio Silva
Inserida por FabioSilvaDN
1 compartilhamento

O que há por trás?
A vida em seus momentos cruciais, aparentemente NÃO tem nenhum nexo e nenhuma explicação.
Como entender a "prosperidade" de ímpios, em saúde, beleza, dinheiro, família e ganhos, quando na verdade, muitos seres sinceros carecem de tudo isto e sofrem com a solidão?
Pessoas que à vista, NÃO se comparam a mediocridade mas, no entanto, sofrem as agruras que para o olhar do justo, somente eles, os ímpios, é quem deveriam sofrer? Pois penso que isto massagearia o ego do sincero e o reconfortaria trazendo-lhe um sentimento de segurança e de justiça.
Mas por vezes não é assim!
Por vezes o que se vê, é a saúde e força sendo "confiadas" a pessoas malévolas e depravadas.
Como explicar uma criança pura e inocente ante as malícias da vida, com câncer? E um que mata e persiste em matar, cheio de saúde e com saúde de ferro?
Como explicar a força que há na desigualdade social, e seus promotores, que deveriam ser seus OPOSITORES, prosperarem e ainda serem promovidos?
Como explicar tanta injustiça para com aqueles que fazem o bem, e "solidez" para com aqueles que praticam o mal? O que me reconforta, é o sorriso que se extrai de quem sofre. De quem consegue ainda tirar força da fraqueza. Mas, ainda quanto aos paradoxos da vida, Penso que o que ocorre com o que nós vemos, NÃO o é aparentemente; Digo, NÃO é nem pode ser o seu fim último, como se "POR TRÁS" disto, não houvesse mais nada que se nos devesse uma explicação.
Pois creio que o que se vê, não é bem como nós entendemos com nossa mente, após a leitura de nossos olhos. Mas por certo estou que, as coisas que estão por trás, são as coisas VERDADEIRAS que um dia nos serão reveladas; - nisto paira minha esperança.
Tenham um bom dia.


8 de dezembro de 2011 às 07:17

Fábio Silva
Inserida por FabioSilvaDN
1 compartilhamento

Da linguagem objetiva oculta do universo.

Penso que seria uma avaliação boa, comparar o universo como um todo a um livro de muitas, para não dizer, infinitas páginas.
Tal qual um livro, se assim for, o universo também transmite o seu recado, a sua mensagem. Mas melhorando este exemplo à luz de uma saudável reflexão, para entendemos aonde esta mensagem quer chegar. ( E que pare em seu porto seguro).
Um livro pode ser entendido de duas formas: objetiva ou subjetivamente. A menos que minha visão subjetiva dê a sorte, por assim dizer, de se coadunar com a verdade objetiva da mensagem de um livro - seja ele qual for -, é evidente que minha visão estará errada. Ou em boa parte, ou em diminuta.
É claro que todo livro, deseja transmitir uma verdade objetiva.
E também é claro que todo livro tem um autor, anônimo ou não!!!
O analfabetismo funcional caracteriza-se na incapacidade de interpretar um texto. Sabe-se ler, mas não interpretar a mensagem do texto.
Numa leitura, é obvio que a finalidade de quase todo autor, é fazer sua mensagem ser entendida, ou em parte, ou totalmente. Pois até os autores místicos, visam ocultar apenas da maioria o perfeito entendimento da mensagem. Mas é óbvio que todo livro, tem lá a sua proposta a que fora elaborado; qual seja: transmitir a mensagem OBJETIVA do autor.
Também vale notar que, se eu leio de tudo, mas não consigo captar a proposta objetiva de cada obra, entendendo-a subjetivamente, terei problemas. Por achar que é uma coisa, não sendo nada daquilo que achava ser.
A menos se eu tiver sorte e, na minha interpretação subjetiva, acertar como que ao acaso, alguma coisa que se coadune à verdade objetiva da mensagem.
O que nesse caso, assemelhar-se-á, a uma bela coincidência.
Bem, em suma: todo livro têm um autor. Todo autor escreve objetivamente um texto. Todo texto deve ser lido aparentando a leitura à verdade objetiva desse texto ( ainda que o autor me permita em certos textos, fazer o uso do entendimento que eu preferir). Logo, todo autor escreve com a proposta de ser entendido. E o entendimento dessa leitura, é a verdade OBJETIVA do texto do autor.
Ora, se o universo é comparado a um livro, com infinitas páginas ( em minha comparação); como que este livro não tem um autor? Alguém poderia dizer: mas existem livros que possuem vários autores. Perfeito! Todavia então, para mim me é vantajoso apenas o fato de se admitir uma autoria!!! Depois poderemos investigar se de fato são vários, ou apenas um.
Ora, todo trabalho escriturístico são trabalhos de cunho intelectuais. Logo, todo livro, é produto de um pensamento racional, e não instintivo, como se dá nos animais. ( estes possuem inteligência instintiva, o homem inteligência racional/reflexiva).
Ora, então seria muito dizer que, o universo como um livro infinito, fora “escrito” por um ser inteligente?
Porque seguindo este raciocínio, fica impossível dizer que não.
Admitindo por este exemplo que sim, então este GRANDE e estro autor, escreveu um livro objetivamente. E eu não terei problemas se apenas entender subjetivamente a linguagem do universo?
E qual é a linguagem do universo? Não pode ser a linguagem subjetiva; porque se eu quiser entender tudo subjetivamente, não terei o mesmo problema que teria um leitor que apenas ler obras da mesma maneira, isto é – subjetivamente?
Ora, e não é através de muito esforço intelectual e prática, que me aperfeiçoo na arte da interpretação?
Atentemos objetivamente para a linguagem do universo. Ou se você preferir, para a linguagem deste PERFEITO autor!


29 de janeiro de 2015

Fábio Silva
Inserida por FabioSilvaDN
1 compartilhamento

[ Pequeno diálogo entre - "Timóteo e indagador"]

Indagador:

- Óh Timóteo, não sabes tu, que NÃO são poucas as palavras que tecem a teu respeito?

Timóteo:

- Na verdade, NÃO atenho-me muito para as palavras, mas sim para o pensamento; pois a capacidade de um homem, não se pode ser medida pela aparência externa, nem pelo seu vigor estético, mas sim pelo conteúdo de seu PENSAMENTO. Embora quase sempre "o homem fale o que o coração está cheio"; Não preocupo-me com o que dizem, preocupo-me com o pensamento NÃO externado em palavras. Temo o que pensam e não o que falam!

Indagador:

- Mas Timóteo, não sabes tu que desprezam-te pela cor de tua cútis?

Timóteo:

- Ora, não sabes tu que o LIVRO que outorga sabedoria, diz que " Porventura pode o etíope mudar a sua pele, ou o leopardo as suas manchas? ..."
E que o homem mais sábio do mundo, Salomão, se apaixonara por uma NEGRA? Deleito-me em sua palavra a ele que diz: " Não olheis para o eu ser morena; porque o sol resplandeceu sobre mim; os filhos de minha mãe indignaram-se contra mim, puseram-me por guarda das vinhas; a minha vinha, porém, não guardei."
Indagador, imitar-te-ei agora, EM PERGUNTA, que é a tua profissão: NÃO SABES TU QUE NO ORIGINAL EM QUE O TERMO FOI ESCRITO, HEBRAICO, "MORENA" SIGNIFICA - "NEGRA COMO UMA CARVÃO"?
E eu não sou da cor do carvão, óh indagador...

Indagador:

- Ora, mas não sabes tu...

Interrompe Timóteo:

- Oraaa! Lá vens tu com essa de "não sabes tu"? Mas continue...

Indagador:

- ... Que te desprezam por não ter "posição" que se lhes agrade?

Timóteo:

Ora! E não sabes tu também que, o homem mais sábio que jamais existiu outro igual, disse?
" Ainda há um mal que vi debaixo do sol, como o erro que procede do governador.
A estultícia está posta em grandes alturas, mas os ricos estão assentados em lugar baixo.
Vi os servos a cavalo, e os príncipes andando sobre a terra como servos"?

Indagador:

- Mas desprezam-te pela jovialidade que tens?

Timóteo:

- Mas não sabes tu o que o maior teólogo de TODOS os tempos, disse para seu filho na fé e meu xará Timóteo?
" Ninguém despreze a tua mocidade; mas sê o exemplo dos fiéis, na palavra, no trato, no amor, no espírito, na fé, na pureza."
Por ventura não tenho eu estas qualidades?

Indagador:

- Sim, excelentíssimo e respeitável Timóteo, tens! Mas não sabes tu, que também te desprezam por ser solteiro?

Timóteo:

- Ora indagador, e não sabes tu que esse MAIOR teólogo de todos os tempos ainda disse sobre isso?
" Digo, porém, isto como que por permissão e não por mandamento.
Porque quereria que todos os homens fossem como eu mesmo; mas cada um tem de Deus o seu próprio dom, um de uma maneira e outro de outra.
Digo, porém, aos solteiros e às viúvas, que lhes é bom se ficarem como eu" ?

Indagador:

- Não sabes meu caro, que o fato de ser "pobre", ainda lhes serve como pretexto para te desprezar?

Timóteo:

- Ora, darei-te agora, um exemplo extra-livro que outorga sabedoria: não conheces tu o exemplo de Tales de Mileto?
Indagador:
- Áh, este conheço, o que tinha sua SABEDORIA desprezada por ser pobre e ficou RICO, somente para poder provar que o sábio pode ter TUDO que quer; e como diz Aristóteles em sua política, para provar que esta (riqueza)não é a verdadeira ambição dum filósofo?

Timóteo:

- Sim! Este mesmo.

Indagador:

- Mas Timóteo, por tu não te enquadrares no sistema deles, não sabes tu que eles te desprezam?

Timóteo:

- Ora, me desprezam? Mas relembrai o que eu te disse: " A CAPACIDADE DE UM HOMEM, É MEDIDA PELO CONTEÚDO DO SEU PENSAMENTO" e, em meu pensamento, SOU deus!!!
Agora responda-me indagador: como DEUS vê o mortal?

Indagador:

- como seres raquíticos e débeis. Como seres quais ratos de esgoto, para não cair eu nas asneiras de dizer de laboratório; pois estes últimos ratos, ainda servem para alguma coisa, aqueles simplesmente NÃO servem pra NADA!

Timóteo:

-PARABÉNS!!! Indagador, eis que estás começando a me surpreender; VAI e diga QUE É ASSIM QUE EU OS VEJO!

Fábio Silva
Inserida por FabioSilvaDN
1 compartilhamento

A vida se "submete" aquele que está submetido ao criador dela.
Quando se está em perfeita harmonia com o TODO, tudo que compõe a vida, trabalha em favor, em consonância, com aquele que está perfeitamente submetido ao seu dono.
Não estar submetido ao dono dela, seu inventor, e querer subordiná-la, é, nada mais nada menos que, dar à ela, a oportunidade de disciplinar esse rebelde.
Há momentos que a vida, por assim dizer, finge favorecê-lo. Mas brigar com ela, querendo submete-la à sua vontade, isto é, à vontade do rebelde, é peitar o principal agente de seu criador.
E a própria história da vida, é abundante em nos mostrar que essa maneira de ser - inimigo da vida -, NUNCA deu certo!
Aqui, é válida a expressão: A VIDA SABE ENSINAR!
Aqui, a vida é paradoxal: pois ela sabe DAR, mas TAMBÉM TIRA!
Ela sabe ser amiga "submissa", sabendo avantajar com seus deliciosos caprichos, quem, de boa vontade, obedece ao seu inventor mas, também, sabe ser inimiga senhora avassaladora de tudo aquilo que à ela se opõe.


25 de fevereiro de 2016 às 21:32

Fábio Silva
Inserida por FabioSilvaDN
1 compartilhamento

O que o homem quer? Se alguém tenta se santificar, é "santarrão" demais. Se alguém comete pecado é pecador, e os "erros" são apontados. Se chove, o tempo está ruim. Se faz calor, está quente demais. Se neva, a neve é bonita mas faz muito frio por este espetáculo. Se o homem trabalha muito, só pensa em trabalhar e morrerá sem levar consigo "NADA". Se se liberta do sistema "escravocrata", então é vagabundo. Se anda no meio termo de tudo, é equilibrado demais e será invejado por isso. Se é bonito também é invejado. Se é feio, é zombado. Deus existe para muitos, apenas quando se atribuem a Ele coisas ruins. Já para outros, Deus é visto apenas como aquele que está por trás de coisas boas. Em suma: o homem NADA conhece, TUDO IGNORA, e toma como verdade as ilusões que inventaram para faze-lo achar que isso é a suprema realidade, finalidade primeira e última da existência. A maioria, na verdade, não sabe para quê nasceu, porque existe, para aonde está indo e finalmente onde irá parar! Um amontoado de cabeças ocas, confusas e obtusas que, para as questões elementares da vida, NÃO achou resposta absoluta! Como em certeiras palavras disse Schopenhauer, dando a entender sobre as artimanhas do homem inventadas pela necessidade, a fim de suavizar o peso de sua existência: <Portanto, trabalham, persistem, com toda seriedade, mesmo com um ar importante, tais como as crianças aplicadas no seu jogo>.
"Seriedade" esta que, se bem analisada por perto e a fundo, assemelha-se àquela sensação que sentimos quando estamos dentro de um circo, ao ver as peripécias de um palhaço!
A verdade? Ei-la aí: o homem é um monturo de DÚVIDAS. Uns, atendo-se á investigação dela [da verdade], caminham pelos espinhos, aprendendo a suportar a dor, para serem recompensados com a ROSA. Outros, param e dão à vida uma roupagem disfarçadamente "nova", sob a mesma medida e com cores variadas, a fim de ocultarem a sua própria monotonia!
Ou, nas sofisticadas e refinadas palavras do mesmo Schopenhauer, deveríamos dizer: <Sim, a nossa loucura chega até aí, fazer-nos tomar como alvo supremo de nossos esforços a opinião dos outros; e, contudo, o nada de tal resultado é bastante conhecido; quase todas as línguas o dizem: a sua palavra para dizer vaidade, vanitas, significa vazio, NADA.> (Mundo como Vontade E representação; Livro quarto)
E, continuando, mais á frente, ele mesmo diz no mesmo lugar citado, as brilhantes palavras de Heródoto: <Semelhante é o sentido destas palavras do Pai Da História (Heródoto, Historiae, 7,46), palavras que nunca foram desmentidas: "Não existe um homem a quem não tenha acontecido mais do que uma vez desejar não ter de viver o dia seguinte". De modo que esta brevidade da vida, de que nos lamentamos tanto, seria ainda o que a vida tem de melhor>.
Mas não nos iludamos... como eu disse acima, apenas quem se compromissa a disfarçar o peso da existência, tomando a mentira por verdade, ou fazendo passar aquela por esta, é a maioria! Esta mesma maioria confusa e que no fundo ainda não encontrou o verdadeiro propósito, o cerne universal que é a chave, para se poder abrir a porta da descoberta do propósito da existência do Cosmos! Aliás, Cosmos, significa <belo>; e certamente o que é belo, tem um <significado>. Até lá, falemos sério agora e de forma <específica>, suportemos a crítica do populacho que é bem definida pelo mesmo ínclito filosofo, que me servirá, até, como epílogo deste nosso pequeno monólogo filosófico: <Na verdade, custa a crer a que ponto é insignificante, vazia de sentido, aos olhos do espectador estranho, a que ponto é estúpida e irrefletida, para o próprio ator, a existência que a maior parte dos homens leva: uma espera tola, sofrimentos estúpidos, uma marcha titubeante através das quatro idades da vida, até esse termo, a morte, na companhia de uma procissão de ideias triviais. Eis os homens: relógios; uma vez montado, funciona sem saber por quê>

11:19 h 09.03.2018

Fábio Silva
Inserida por FabioSilvaDN
1 compartilhamento

Diálogo da dúvida -


Dúbio:

- Senhor Fábio, um cristão pode MATAR?

Fábio:

- Senhor dúbio, por quê a pergunta?

Dúbio:

- Porque dito está na bíblia: NÃO MATARÁS. Se o cristão for policial e vier a matar mesmo estando LEGAL, estará violando a mesma?

Fábio:

- Não!!!

Dúbio:

-Como assim não, só isso?

Fábio:

-Ora, e o que mais quer que eu diga? Tu NÃO mo disseste que deveria ser longo, mas apenas para te responder e te respondi.

Dúbio:

- Mas sei lá viu! você é um cristão muito diferente dos outros. Por exemplo, uma CAVEIRA DA CORE? Por que não usar algo mais brando? Sabe, isto poderá pegar mal.

Fábio:

Olha IGNORANTE, BOÇAL, CAVALO, JUMENTO...

Tu deves?

Dúbio:

Graças a Deus não.

Fábio:

Fazes bem.
Não queres ser morto pela polícia, então continues sem dever andando na linha:
E para te poupar de mais perguntas tolas, leias isto:

"Porque os magistrados não são terror para as boas obras, mas para as más. Queres tu, pois, não temer a potestade? Faze o bem, e terás louvor dela.
Porque ela é ministro de Deus para teu bem. Mas, se fizeres o mal, teme, pois não traz debalde a espada; porque é ministro de Deus, e vingador para castigar o que faz o mal".
Romanos 13:3-4

Dúbio:

-Pô nem sabia disso.

Fábio:

- ESPADA, é instrumento de vida ou de MORTE?

Dúbio:

- MORTE, pra matar.

Fábio:

Mais alguma pergunta?

("Ouviu-se" um silêncio ABSOLUTO)

10 de março de 2012 às 19:19 h

Fábio Silva
Inserida por FabioSilvaDN
1 compartilhamento

[Quem eu sou]

Quem eu sou,
Poucas pessoas sabem.
Quem eu sou, quem sabe, não sabe mais do que
Deveria saber!
Quem eu sou,
Às vezes não é mais do que eu deveria ser.
Mas, quem eu sou, se mais for assim,
Dará para sobreviver.
Quem eu sou,
Por muitas ocasiões nem eu consigo explicar.
Mas quando passa esta aflição;
Volto paulatinamente a me consolar.
Quem eu sou,
Muitos gostariam de ser.
Espero que, quem eu sou,seja sempre muito mais
Do que o que eu não gostaria de ser.
O que não gosto de ser
Às vezes é difícil de controlar.
Só o consolador é que pode me consolar.
O consolador, oh!!!
Este, todos gostariam de ser.
Não podem ser.
Só ele é o que é.
Quem eu sou,
Creio que é maior do que aquilo em que eu,
Não gosto de ser. Mas...
Lutarei, lutarei, lutarei;
Para que o consolador faça com que,
Quem eu sou, seja sempre meu rei.

Fábio Silva
Inserida por FabioSilvaDN

[Mini debate acerca da soberania de Deus e atribuí-la apenas às coisas "boas"]

I.P:

- Graças a Deus foi salvo! [Um cão do poço em que caiu] Deus abençoe esta equipe que o salvou.

Fábio Silva:

- Eu deveria concluir que os milhares de, não só cães como animais de toda espécie, bem como o HOMEM, que morrem aos milhares das mais truculentas formas diariamente, foi DEUS que <não> os salvou? Bela forma de atribuir a Deus apenas a salvação, quando Dele também vem a DESGRAÇA!

I.P:

- Fábio Silva,Tudo que vem de Deus é bom,perfeito,agradável e inexplicável!.Isso que você atribui de desgraça é consequência dos atos e desobediência a Deus.Ele deu o livre arbítrio:o caminho da bênção e o caminho da maldição.A escolha é nossa.Se está havendo desgraça é porque não está com a Graça de Deus que é o Caminho estreito que muitos rejeitam e escolhem o caminho largo que é o caminho da perdição.
Assim diz o Senhor Deus:
-"O meu povo perece por falta de conhecimento da minha Palavra que é o alimento espiritual.
Busque a Deus e você terá bênçãos em sua vida!
Deus te abençoe!

Fábio Silva:

- Gosto de "debater" com quem cita a Bíblia como fonte SUPREMA de verdade absoluta. (Palavra de Deus, se se preferir). Pois é Ela mesma que te justifica e CONTRARIA. Ora, se Deus é Senhor apenas do BEM, como esperas que eu e o MUNDO interprete <apenas> estes dois versículos: <Então vieram a ele todos os seus irmãos, e todas as suas irmãs, e todos quantos dantes o conheceram, e comeram com ele pão em sua casa, e se condoeram dele, e o consolaram acerca de todo o mal que o Senhor lhe havia enviado; e cada um deles lhe deu uma peça de dinheiro, e um pendente de ouro.>
Jó 42:11
Repise-se: <acerca de todo o mal que o Senhor lhe havia enviado>
E outra vez: <Eu formo a luz, e crio as trevas; eu faço a paz, e crio o mal; eu, o Senhor, faço todas estas coisas.>
Isaías 45:7
Ora, se o que colhemos são apenas FRUTOS de nossas más ações, o que fez Jó, para receber o MAL DE DEUS?


7 de março às 13:39 h 2018

Fábio Silva
Inserida por FabioSilvaDN
1 compartilhamento

Da bondade de Deus.

Confiar em Deus, não é sinônimo de: nada irá me acontecer de ruim, porque eu confio. Mas, mormente, continuar crendo em sua bondade quando o mal nos atinge.
Pois a própria bíblia e a história ( Roma - coliseu e suas arenas), estão repletos de exemplos da natureza de que se pode passar por problemas indescritíveis por exatamente se confiar. Confiar, é crer que ainda que me aconteça algo de ruim, este ruim ainda assim, está sob a sua supervisão.
E aí é que está: como entender a sua bondade entre os homens, já que Deus sempre permite o mal nos acometer? E se Deus é bom, logo, jamais poderia permitir o mal.
Aqui, é o estímulo que muitos têm, para dizer que Deus não é bom, pois; já que permite o mal nos assolar.
Mas o que nós não conseguimos entender, é que a finalidade de Deus permitir o mal - por pior que ele seja em suas variadas formas -, está em que sempre desse mal, se resultará no bem estar divino e universal, como finalidade última.
Pois somente o seu sábio e misterioso desígnio, sabe SEMPRE como atingir o bem, com as atitudes oriundas do mal.
Pois, é por isso que ele o permite e o supervisiona.
Deus é onisciente - sabe de todas as coisas. Isto implica em dizer que toda a ação divina - quer seja em permitir algo, ou não permitir, direta ou indiretamente -, resulta de uma já pensada decisão numa visão plena e indivisível ( chamo de indivisível, o fato de não se poder pensar em nada melhor do que esta decisão divina). E se como onisciente, portanto, um ser que toma todas as decisões com base no pensar em TUDO, pensou em TODAS as possibilidades e chegou a conclusão de que do mal permitido, pode se extrair um bem maior e universal, logo, esse bem não seria maior se o mal ele não permitisse.

18 de março de 2014 às 12:13 h

Fábio Silva
2 compartilhamentos

Reciprocidade do amor.

Na reciprocidade do amor,
Amarro-te a mim, e me amarro a você.
Na reciprocidade do amor,
Convido-te a andar de mãos dadas na ponte da eternidade,
E vermos o casamento entre o SOL e a LUA.
Convido-te a voltarmos pela mesma ponte,
Dançando;
Para vermos, agora,
A lua-de-mel entre a “NOITE” e o “DIA”!
Na reciprocidade do amor,
Sussurro em teus ouvidos,
Como o anjo ao soprar a flauta...
E na mesma reciprocidade,
Devolveres-me tu, as batidas céleres de teu coração!
Na reciprocidade do amor,
Convido-te a chamarmos de táxi, as nuvens.
Com destino às mansões celestiais!
Convido-te de mãos dadas à passearmos no Olimpo.
Convido-te a nos banharmos de ambrosia.
Convido-te a nos deliciarmos,
No mel açucarado do delicioso ósculo da caridade!
Que flui de nossos lábios,
Qual néctar da flor.
Acordo!!!
E Faço-te este convite para que assim,
Possamos nos eternizar,
Nos braços eternos da reciprocidade!!!

(Fábio Silva - 20. 3. 2014)

Fábio Silva

Se fosse-me permitido subdividir a história individual em duas, tomaria a liberdade de classificá-las em a) história oculta de cada indivíduo; b) a história visível de cada indivíduo. Portanto, história oculta e história visível. "O Supremo Ser inteligente", sempre se incumbe de cuidar da parte da história <oculta>. Esta, é exatamente a parte da história, de nossa história, da qual não vemos muito menos nos preocupamos. Já a história visível, a que vemos, é aquela que para nós seria de maior importância, porque é aquela em que depositamos todos os nossos anseios, e despendemos esforços a fim de resolvermos o que nos é caro! Mas, como que numa ilusão de óptica, é exatamente esta parte da história, a que nós velamos mais, que é a menos importante, em relação à parte da história oculta - a que não vemos nem nos preocupamos. Aqui está o cofre dos tesouros de nossos mistérios individuais. É isso, e não aquilo, que determina, por assim dizer, o nosso caminho. E lá, na história <oculta> - caverna onde estão abrigados as nossas ações subconscientes -, que parte nossos princípios mais desconhecidos. Somente com uma mente apurada e límpida, treinada diariamente a enxergar a visão holística das coisas, a visão total delas, que perceberemos que a história oculta sempre fora <cuidada>. Mas, como que por um preço exigido pela percepção de tal apurada visão, quando começamos a ter consciência do oculto e este parece já ser <visível>, aí parece que se "desfaz" o cuidado. Pois na história visível, damos e procuramos dar sempre, o nosso jeito. Como na história oculta o cuidado, ou melhor, quem dela cuida, pouco ou nada se importa com o meu cuidado, quando é o "DESTINO INTELIGENTE" quem se incumbe de forma total a determinar as suas formas, sem um pingo sequer de minha ajuda, de meu dedo muito menos meu braço, a coisa FUNCIONA perfeitamente. Mas, quando tenho tal consciência, quero sempre fazer o que nem sempre, com a já consciência clara do oculto, devo fazer. Pois ter a visão total, clara das coisas ocultas, não é nem nunca foi o maior desafio - por mais penoso que seja chegar a tal nível. O mais difícil, é saber selecionar o que devo ou não fazer, quando apuro minha consciência. Em outros termos mais simples: o que devo fazer e o que não devo fazer. Ou, o que devo deixar com o DESTINO INTELIGENTE ( SUPREMO SER).


16:12 h 04.04.2018

Fábio Silva
Inserida por FabioSilvaDN
1 compartilhamento

[Pequeno monólogo sobre a atuação de Deus, em meio ao "difícil"]

Perdoem-me minha simplicidade, no que ora tentarei discursar. Mas olhando as mentes adversas daqueles que se dedicam em permanecer num "modus vivendi", como dito - adversos - em relação a fé, e principalmente à classe ateísta, pergunto-me o que fez Deus, como criador de mentes brilhantes, dá-lhes a cada qual, uma, se no entanto sua própria mente, ( a de desses brilhantes) , se conflagra numa espécie de "dificuldade" pra Deus entrar no coração de quem vive apenas à luz da razão?

Seriam os inteligentes ateus, porque na sua maioria são muito inteligentes, uma espécie de "máquina de aprimoramento cristão?
Digo "máquina de aprimoramento cristão", porque seriam eles, esses ateus inteligentes - nas mais variadas formas de inteligência, quer seja: escriturística, artística, musical, "oratorial" e etc - uma fonte de Deus em nós, para evoluirmos e assim atingirmos outro nível que sem eles, essas espécies de intelectuais, não atingiríamos?

Ou apenas uma passatempo de Deus, para dar a entender que real e "finalmente", houve, vamos por assim dizer, um equilíbrio, para que Deus não se deprima tanto?!

Afinal, saber muito, deprime; ainda mais quando uma mente NÃO encontra, já em tal nível elevadíssimo, a quem possa lhe superar.

Bem, perdoem-me minha declaração simplista mas, se a reles mortais com tais níveis de conhecimento, já se é deprimente não se ter nenhuma ou quase nenhuma dificuldade que se lhes supere.

Eis aí o porquê Deus criou o ateu, essa espécie super inteligente!

Porque afinal - para Deus NÃO existe impossível, e quando quiser, entrará no coração de qualquer ateu e, lhe provará que de fato, nada é sua inteligencia, comparada a daquele que a emprestou!


5 de abril de 2012 às 18:56 h

Fábio Silva
Inserida por FabioSilvaDN
1 compartilhamento

A ordem cavalheiresca, NÃO pode apenas ser lembrado pela "brutalidade" com que os mesmos cavalheiros empunhavam sua espada.
Até mesmo porque, o que em jogo estava, é o que estava por detrás; digo, a intenção com que as cruzadas foram feitas.

A princípio, esta ordem fora para extirpar as heresias que se multiplicavam, os Cátaros ou albigenses. ( somente aqui, teríamos oras a fio para discursarmos).
Mas por exemplo, "são" Domingos, pregara anos a fio para os cátaros, tentando fazê-los parar de pregarem e se proliferarem.
Eles se denominavam os PUROS; viviam em extrema pobreza e eram inimigos da "igreja" católica.
Esta "igreja" NUNCA fora fundada sob pobreza; daí para tentar convencê-los de seu "erro", são Domingos os "imitou" andando pobre também e pregando a pobreza - sem nenhum resultado.

Então, irado, disse que levantaria nações contra eles e que eles pagariam por isso.
Daí vieram as cruzadas que, com o passar do tempo, não foram somente para acabar com as heresias mas sim, com fins gananciosos e financeiros.

Daí, para combater estes movimentos: albigenses, valdenses e etc. certo imperador decretou a ordem dos mendicantes.

Note aí, que a DESGRAÇA dessa MALDITA "igreja", prepotente, ordinária e nefasta, apenas disfarçou sua piedade mas, dizimara MILHÕES de pessoas nas cruzadas e inquisições que tiveram o mesmo fim, quando de sua fundação - acabar com as heresias.
Vieram então as ordens Franciscana, beneditina, Dominicanas
( de são Domingos" e etc).

Apenas para "combater" os "hereges", sob pretexto de falsa piedade, os irmãos cátaros e valdenses, já que se multiplicavam e com isso tornavam-se uma ameaça mortal para a dita cuja "igreja".


Porém os cavalheiros templários, eram até mesmo exaltados por Nietzsche , em suas obras.

Eram protetores dos viajantes, eram guerreiros que destemiam a morte, acreditando que aquela causa, era digna de seu sangue.

Eram os guerreiros educados.


19 de março de 2012 h

Fábio Silva
Inserida por FabioSilvaDN
1 compartilhamento