Davidson Luis Menezes Rodrigues

Encontrados 23 pensamentos de Davidson Luis Menezes Rodrigues

A fé do sertanejo é infinita. Faz chover,faz chorar, a planta cresce, clima aquece, fome abranda e ele esquece. Sertanejo. De que mais sua fé é capaz sertanejo?
Seguir em frente sem nada na mente, sem comida, sem dente. Ah... sertanejo, queria ter sua fé na vida, carregando pote, buscando comida com o pé rachado, sem nada na mente. De que mais sua fé é capaz sertanejo? Seguir em frente.

Davidson Luis Menezes Rodrigues

Sejam simples, sejam complexos,sejam eternos,sejam lembranças. Viajem,retornem, ouçam, sintam, demonstrem. Vivam.

Davidson Luis Menezes Rodrigues

Observando a movimentação política.
Estão abertos os portões do coliseu, que entrem as feras. Salve-se quem puder.

Davidson Luis Menezes Rodrigues

Lendo as notícias que já devem ser passado. Nem sempre informação é aprendizado.

Davidson Luis Menezes Rodrigues
Inserida por DavidsonMenezes

Começou a corrida de farpas e anedotas eleitoreira. Quem faz e quem não fez, quem fará e quem nem liga. Oremos.

Davidson Luis Menezes Rodrigues
Inserida por DavidsonMenezes

Estamos regredindo ao velho oeste, onde cada homem fazia sua própria lei. Tenho medo da lei de outro. A minha é a Fé no homem.

Davidson Luis Menezes Rodrigues
Inserida por DavidsonMenezes

E o cansaço que assola o tempo o corpo e a forma. Que aflora que toma que consola. E o tempo e o corpo e a alma.

Davidson Luis Menezes Rodrigues
Inserida por DavidsonMenezes

O intransponível mundo das barreiras tributárias e das taxas de juros. Brasil, terra do nunca.

Davidson Luis Menezes Rodrigues
Inserida por DavidsonMenezes

Vou ao Novo mundo, encontrar especiarias e enriquecer a metrópole. Estou on line.

Davidson Luis Menezes Rodrigues
Inserida por DavidsonMenezes

Em meio ao complexo mundo de informações instantâneas e passageiras, imprescindíveis e ultrapassadas, enfim, navegando.

Davidson Luis Menezes Rodrigues

E a chuva passou.
O que vejo é lama. Onde esta o que estava aqui?
Não há mais nada. Apenas a espera de alguém para ajudar.
Onde esta minhas coisas que sumiram?
Que água é essa? Onde estamos?
Alagoas alagou. As pessoas, onde estão?
Sem comunicação, sem comida, sem casa, sem abrigo,
sem pessoas, sem vida, sem fé.
Onde estão as coisas? Que água é essa?
Um dilúvio que chegou, passou, levou tudo e alguns,
nos deixando sem nada.
O desespero do medo, o alivio de estar aqui e a revolta de nascer aqui.
A cidade. Que cidade?
Aqui era minha casa, ali meu colégio, lá era um mercado ao lado o posto de saúde e agora não existe mais, desceu tudo, enchente, desceu tudo, tristeza.
Aqui ficava uma coisa, aqui ficava outra e no meu coração ficou o vazio levado pelo rio.
É água, Barreiros Pernambuco, barro.
Interditado. Não entra nada, uma cidade triste,
de dor, de medo.
Onde era aqui?
A água não quis saber de nada, de famílias, de posses,
de construções.
A água não quis saber de nada, apenas levou, lixo, fome, sede, lições de vida e esperança.
Casa do operário, do prefeito, do lavrador,
casa de quem for.
Estamos retirando da lama uma vida que sobrou.
E minha vida foi para dentro do rio.
O destino é recomeçar.
Perdi casa, perdi família, perdi amigos,
perdi as lagrimas.
A comida é do chão? É a que tem!
Subi no teto para viver, emoção, fiquei vivo, sou forte sou nordestino, sofro por seca por enchente,
sofro por tudo, por todos.
Estou só, sem comer, sem beber, muita água do rio, enchente, desaba e leva. Casa, carro. Gente.
Tudo se foi na enxurrada, e o dicionário nos ensina que enxurrada é: ‘’Grande quantidade de água que corre com violência, resultante de chuvas abundantes; águas selvagens, aguaça, enxurro, fluxo, jorro de águas sujas ou de imundícies. ’’
A vida ensina que o rio leva o que temos, onde perder tudo significa que estamos vivos para contar a história, contar que vamos ter que recomeçar.
E não sobrou nada, não sobrou choro, não sobrou desespero, nos resta limpar as ruas, o tempo,
o pensamento, limpar, a dor das perdas,
desaparecidos e mortos e água.
Estamos limpando o coração. Agradecendo a ajuda, do Brasil, do mundo, de todos, de nós mesmos.
As famílias que se perderam, se juntaram com as famílias que se formaram nos abrigos improvisados, onde todos moram e choram e oram e imaginam como será a volta, a fé, no acerto, a fé no concerto, na vida que segue, no tempo que passará e no sangue e suor do nordestino, do Alagoano do Pernambucano, que mais uma vez esta no centro de todo sofrimento.

Um Brasil a margem do Brasil que esta sofrendo enquanto nos preocupamos com futilidades.
Um Brasil de verdade. Um Brasil, que luta contra tudo, que se reconstrói. Um Brasil que precisa de ajuda.

(Enchente em Alagoas e Pernambuco 2010.)

Davidson Luis Menezes Rodrigues
Inserida por DavidsonMenezes
1 compartilhamento

O medo é algo que nos impulsiona ao impossível e nos leva ao infinito.

Davidson Luis Menezes Rodrigues
Inserida por DavidsonMenezes

Meu lápis desliza no papel conversando com a folha, até que um verso nasce de sua paquera com as linhas do caderno.

Davidson Luis Menezes Rodrigues
Inserida por DavidsonMenezes

Sino Céu
Rasos sinos, tocados em acordes melódicos.
Cálidos, rasos sinos. Tal altura e imensidão.
Tocados em claves de notas. Risos ralos, solidão.
Abraços penetrantes. Fala do céu, magnetismo véu.
Sino do céu, raros sinos.
De seu som de seu tom ecoam o infinito.
Não pára. Tão alto que podemos ver.
Rasos sinos. Nos clama, nos chama. Sinos ralos.
Sinos céu. Quero entender o que quer dizer.
Provo o teu som, sino tom.
Não pára, sinos céu. Rasos sino.

Davidson Luis Menezes Rodrigues
Inserida por DavidsonMenezes

Onde estão os poetas?

Onde estão os poetas? Que outrora apareciam pelas veredas.
Onde estaõ os poetas? Dos sertões. Dos grilhões.
Onde estão os poetas? Das vigas. Das vidas.
Aqueles poetas que andavam pelas ruas, pelos becos,
pelas gruas.
Onde estão? Os poetas famosos, lustrosos. Onde estão? Pensamentos, sentimentos. Onde esta o coração?
Poetas da canção. Onde estão?
Onde estão os poetas? Com talento, com dom. Poeta se cria, não se copia. Poeta aprende, poeta nasce.
Onde estão? Os poetas de coração.

Davidson Luis Menezes Rodrigues
Inserida por DavidsonMenezes

Poetas e poesias
Quero ouvir Vinicius,
Sentir Castro Alves,
Pensar, Augusto dos Anjos e Tomé Varela,
Quero ver Camões, Márcio Catunda,
Ver pensamento ouvir sentimentos.
Poetas anônimos, poetas sem pseudônimos,
Quero ver o coração e a razão.
Eloquente indecente.
Quero ouvir, quero sentir.
Poetas consagrados, poetas desolados.
Quero ouvir seu coração.
Onde está a literatura?
Fernando Pessoa, Francisco Carvalho.
Onde esta o cordel?
Poetas desolados por falta de poetas.
Anônimos e sem pseudônimos.
Falta poesia para a falta de poeta.

Davidson Luis Menezes Rodrigues
59 compartilhamentos

Eu vou migrar

Acho que vou migrar. Aqui tem muita gente, o trabalho é pouco, e o salário não da para nada.
Eu penso sim em migrar, já ouvi muitas histórias, historias de tempos em que ir para o sul era a solução, todo mundo ía, levava de panelas até os animais. Tem a história de uma família que levou ate a cachorrinha. A família do seu Fabiano.
Eu vou migrar. Todo mundo corre, atrás de dinheiro, de emprego, de algo, acho que talvez se estivesse em outro lugar tivesse mais oportunidade, por isso penso em ir, o sacrifício de sobreviver continua e a realidade ainda é uma vida seca.
Todos têm um fardo e uma viagem a seguir, eu quero migrar para o lugar onde possa ser mais fácil, fácil e simples, é tudo difícil, eu vejo nos corpos, os rostos cansados, os olhos baixos, de tempos em tempos, e pergunto onde sería mais fácil?
Eu quero ir, aqui é tudo muito moderno, é tudo muito complicado, tem gente sem trabalho porque chegou uma tal de máquina de multiprocessadora automática de precisão, sei lá pra que que serve, só sei que deve ter umas cem mãos pois despediram cinquenta pessoas por causa dela.
Fico pensando se espero ou se vou, mas devo migrar, pra longe, longe dessas coisas, do futuro e modernas. Ta tudo confuso, não tem mais gente, só máquina, eu ouvi outro dia alguém falando: vou navegar na internet, só lembrei de uma música que seu Luis cantava: ''que o sertão vai virar mar’’, e deram o nome desse mar de internet, será que é fundo esse mar? De onde ele veio? Quando eu for migrar penso que devo levar meus filhos, o menino mais velho e o menino mais novo, se eles ficarem aqui podem até morrer afogado nesse novo mar, num sabem nem nadar.
E dizem que eu tenho que saber escrever, para que? Se nem caneta usam mais. Agora é um tal de teclado, uma vez eu vi, não entendi nada, só ouvia os barulhinhos tic tec tic tum, o ''homi'' ficava batendo nele com a ponta dos dedos, e ficava assistindo televisão que não passava programa nenhum.
Eu quero migrar, porque não entendo mais nada, não tem plantação porque tem seca, e todo mundo vive a navegar, acho que estão ficando loucos, eu quero sair daqui, ir para o sul acho que lá não é assim, acho que lá ainda se planta se conversa e mora perto, acho que lá, não tem fome, tem emprego e as pessoas ainda são amigas e falam no olho, só tenho medo porque num sei que tipo de roça eles trabalham lá, se á mandioca, ou milho, ou arroz, não importa levo minha enxada comigo, minhas mãos são grossas e aguentam firme, quando chegar lá, mando recado pra minha família que ficar, que tá tudo bem, to fugindo dessas coisas modernas, eu vou para o sul, quando ganhar muito, ai sim ''vo'' tentar aprender a ler e escrever, eu sei que eu tenho chance lá no sul, eu vou indo, já decidi, ''vô'' levar minha família, a sinhá vitória, minha mulher e seu Graciliano meu pai e os meninos, quem sabe lá não seja tão moderno como aqui no sertão, ''vô'' rezando pra chegar logo, ansioso para fugir e ir ao sul. Queria que tudo voltasse como era antes, arar a terra, plantar, colher, e rezar para São Pedro pela chuva, e dava tudo certo, agora, não chove e quando chove fica todo mundo sem casa, morando em abrigo doado pela prefeitura, não tem mais jeito não, a solução é mesmo partir, e buscar no sonho a realidade, de uma nova vida. Agora vou indo, já preparei meus mantimentos e tudo que preciso ate chegar ao sul, acho que a viagem não deve durar tanto assim afinal nos vamos de carroça, deve ser umas dez léguas, o nosso burrinho é ''ligêro'', Pai Graciliano ta acostumado, viveu em Maceió, ta levando dois quilos de carne seca, farinha temos muita aqui, dá para encher a pança do menino mais velho e do menino mais novo. Sinhá vitória, ''preparô'' uma tijela de tapioca, to levando também a saca de mandioca, acho que vai sobrar, chegando lá, a gente vê, o povo de lá deve ser um povo que ajuda a quem chega de fora.
O futuro vai ser melhor, minha esperança é tão grande que nem sei se aguento, então deixa eu ir.
Adeus. Eu vou migrar.

Davidson Luis Menezes Rodrigues
Inserida por DavidsonMenezes
1 compartilhamento

Não sou poeta.

Não sou poeta.
Sou apenas um sonhador brincando de ser autor.
Poeta não sou. A saudade me inspirou.
Apenas sinto. Só tenho sentimento.
Não sou poeta. Sou um homem pensando ser criança.
Poeta não sou. Esses versos são apenas minha vida.
Não é inspiração. É vida é coração.
Não sou poeta.
Sou apenas um sonhador brincando de ser autor.
É sentimento é realidade.
Poeta não sou. Poeta tem um dom. Eu não tenho.
É apenas minha vida em poucas palavras.
Posso ser poeta um dia. Quem sabe?
Mas hoje, não sou poeta.
Sou apenas um sonhador brincando de ser autor.
Não quero ser famoso. Não preciso. Apenas escrevo.
Sou normal e nem sou tão poeta assim. Sou sentimental.
Por enquanto, sou apenas um sonhador brincando de ser autor.

Davidson Luis Menezes Rodrigues

E se?

Se caio, não espero que levantem, eu sou forte, no batente sou valente.
Se não acreditam, mostro que da força tiro riqueza.
Se não me ligam, faço que não sinto, me mordo por dentro e agüento.
Se não consigo, tento de novo por que sei que eu posso.
Se não me dão, eu vou lá e consigo.
Se o medo me toma, corro pra cima, por que a melhor defesa é o ataque.
Se erro, o problema é meu, sei que um dia eu aprendo.
Que caia, o que for, que leve quem for, que passe quem quiser,
Eu estarei firme e forte sempre.
Se um dia não conseguir. Talvez não esteja mais aqui.
E se, não estiver aqui, deixei toda lembrança do mundo.

Davidson Luis Menezes Rodrigues
Inserida por DavidsonMenezes

Ser, um sorriso de menina, uma sina, desatina.
Sorriso, me anima, eleva o ser.
Um somente, pesar de não ter, menina, sorriso.
Ser somente, eu queria assim um sorriso pra mim, menina.
Podendo, atrai quem não quer, sorriso de mulher.
E fica no tempo, sorrindo no pensamento,
se algum contento, de menina, puder me dar,
quero o seu jeito de parecer irradiar.
Jeito teu de ser, pra ti mais um jeito seu, jeito seu de ter o poder.
De ser de viver, esperando o sorriso crescer mais uma vez, no rosto seu,
que dessa vez ele não suma, fuja ou desapareça, que permaneça transparecendo no olhar, jeito seu menina, de sorrir.
Jeito seu menina de sonhar.

Davidson Luis Menezes Rodrigues

E ta ai o príncipe que não é sapo, não é homem, é um pensamento,
E ta ai o príncipe nos meus sonhos e minhas lamentações,
Por que todo mundo quer o príncipe? Se posso me contentar com
Apenas alguém que me conforte, pra que esse príncipe?
E ta ai, se espero o príncipe que quero, ele talvez não me ache.
Quer saber príncipe. Na verdade eu sou a princesa.
E outra príncipe, tenho até medo de te beijar, vai que você vire um sapo.
E de sapo eu não entendo. E ta ai. E estou aqui.
Quer me achar? Príncipe. Vem procurar.
Mas vem procurar devagarzinho, pode ser que eu não tenha essas tranças todas que você pensa.
Mas posso ser bem melhor do que imagina.

Davidson Luis Menezes Rodrigues
Inserida por DavidsonMenezes

Tempo, tic, tac, passa ao redor de mim, tempo tic tac.
Me ajuda no que quero tempo, passa, extrai o pensamento.
Sento, agüento, o tempo é um tormento, tic TAC.
Me leva e me motiva, tic tac tempo, passa e renova.
Tempo, assopra a vida e os desejos, o toque dos meus sonhos.
Tempo, se esvai, as vezes me deixa as vezes me atrai.
Tic tac, meu tempo passa e as vezes não consigo.
A força do tempo, a força que repete, tic tac, passa.
Mas me deixa fazer o que desejo, não tire de mim os meus sonhos.
Tempo, tempo. Renova o pensamento.
E me deixa e me leva.

Davidson Luis Menezes Rodrigues
Inserida por DavidsonMenezes

Não muito, meu bem.
Não muito tem.
Não sei bem o que me faz bem.
Não sei ser zen.
Quanto tenho não quero e quero o que não tenho.
Quando vem eu saio e procuro onde não acho.
Sim é isso eu sei.
Sei que isso eu não procurei.
Tudo muito frágil e não me procura.
E não sei o que realmente me falta.
Ou se você é aquilo que me faltava.
Não muito me faz bem.
O que me tem , quando me tem meu bem.
Aquele momento é zen é aquém.
Uma rima , que anima.
Não é. Meu bem.

Davidson Luis Menezes Rodrigues
Inserida por DavidsonMenezes