Poemas de Waly Salomão

Cerca de 6 poemas de Waly Salomão

Não choro
meu segredo é que sou rapaz esforçado
fico parado calado quieto
não corro não choro não converso
massacro meu medo
mascaro minha dor
já sei sofrer
não preciso de gente que me oriente

Se você me pergunta
como vai
respondo sempre igual
tudo legal

Mas quando você vai embora
movo meu rosto do espelho
minha alma chora
vejo o Rio de Janeiro
vejo o Rio de Janeiro
comovo, não salvo, não mudo
meu sujo olho vermelho
não fico parado
não fico calado
não fico quieto
corro choro converso
e tudo mais jogo num verso
intitulado MAL SECRETO
e tudo mais jogo num verso
intitulado MAL SECRETO


Gigolô de bibelôs

Waly Salomão
56 compartilhamentos

HOJE

O que menos quero pro meu dia
polidez,boas maneiras.
Por certo,
um Professor de Etiquetas
não presenciou o ato em que fui concebido.
Quando nasci, nasci nu,
ignaro da colocação correta dos dois pontos,
do ponto e vírgula,
e, principalmente, das reticências.
(Como toda gente, aliás...)

Hoje só quero ritmo.
Ritmo no falado e no escrito.
Ritmo, veio-central da mina.
Ritmo, espinha-dorsal do corpo e da mente.
Ritmo na espiral da fala e do poema.

Não está prevista a emissão
de nenhuma “Ordem do dia”.
Está prescrito o protocolo da diplomacia.
AGITPROP – Agitação e propaganda:
Ritmo é o que mais quero pro meu dia-a-dia.
Ápice do ápice.

Alguém acha que ritmo jorra fácil,
pronto rebento do espontaneísmo?
Meu ritmo só é ritmo
quando temperado com ironia.
Respingos de modernidade tardia?
E os pingos d’água
dão saltos bruscos do cano da torneira
e
passam de um ritmo regular
para uma turbulência
aleatória.

Hoje...

Waly Salomão
45 compartilhamentos

Câmara de Ecos

Cresci sob um teto sossegado, meu sonho era um pequenino sonho meu.
Na ciência dos cuidados fui treinado.
Agora, entre meu ser e o ser alheio, a linha de fronteira se rompeu.

Waly Salomão
2 compartilhamentos

ANTI-VIAGEM





Toda viagem é inútil,

medito à beira do poço vedado.



Para que abandonar seu albergue,

largar sua carapaça de cágado

e ser impelido corredeira rio abaixo?

Para que essa suspensão do leito

da vida corriqueira, se logo depois

o balão desinfla velozmente e tudo

soa ainda pior que antes pois entra

agora em comparação e desdoiro?



Nenhum habeas corpus

é reconhecido no Tribunal do Júri do Cosmos.

O ir e vir livremente

não consta de nenhum Bill of Rights cósmico.

Ao contrário, a espada de Dâmocles

para sempre paira sobre a esfera do mapa-múndi.

O Atlas é um compasso de ferro

demarcando longitudes e latitudes.



Quem viaja arrisca

uma taxa elevada de lassitudes.

Meu aconchego é o perto,

o conhecido e reconhecido,

o que é despido de espanto

pois está sempre em minha volta,

o que prescinde de consulta

ao arquivo cartográfico.

O familiar é uma camada viscosa,

protetiva e morna

que envolve minha vida

como um pára-choque.



Nunca mais praias nem ilhas inacessíveis,

não me atraem mais

os jardins dos bancos de corais.



Medito è beira da cacimba estanque

logo eu que me supunha amante

ardoroso e fiel

do distante

e cria no provérbio de Blake que diz:



EXPECT POISON FROM THE STANDING WATER.



Ou seja:



AGUARDE VENENO DA ÁGUA PARADA.



ÁGUA ESTAGNADA SECRETA VENENO.

Waly Salomão
Inserida por nanahh
1 compartilhamento

..."ó senhora dos sem remédios
domai as minhas brutas ânsias acrobáticas
que suspensas piruetam pânicas nas janelas do caos
se desprendem dos trapézios
e, tontas, buscam o abraço fraterno e solidário dos espaços vácuos
ó garrafada das maceradas ervas do breu das brenhas
adonai-vos do peito lacerado e do lenho oco que ocupo".

Waly Salomão
Inserida por lulimap

Olhos de lince (Waly Salomão e Jards Macalé)

Quem fala que sou esquisito hermético
É porque não dou sopa estou sempre elétrico
Nada que se aproxima nada me é estranho
Fulano sicrano e beltrano
Seja pedra seja planta seja bicho seja humano
Quando quero saber o que ocorre a minha volta
Ligo a tomada abro a janela escancaro a porta
Experimento tudo nunca me iludo
Quero crer no que vem por ao beco escuro
Me iludo passando presente futuro
Revir na palma da mão o dado
Presente futuro passado
Tudo sentir de todas as maneiras
É a chave de ouro do meu jogo
De minha mais alta razão
Na seqüência de diferentes naipes
Quem fala de mim tem paixão.

Waly Salomão
Inserida por nanahh