Ledo Ivo poemas

Cerca de 705 poemas Ledo Ivo

⁠Vivi num tempo certo.
No tempo que me pertenceu
Por muitas vezes estive à deriva
Levantei, aplumei e continuei
Sei que em muitas quedas, me levantaram.
Em algumas me feri, assoprei a ferida, mas não esmoreci.
Fiquei longe de quase tudo do pouco que eu tinha e tive que deixar.
Não negociei com o destino, aceitei e deixei o vento ir na frente, sempre me desviando dos retornos.
Ainda não cheguei no fim, não tenho discernimento para questionar o mistério da vida se é que existe mistério para viver. Ivo Terra Mattos

Inserida por IvoMattos

⁠A camisa Xadrez
Foi num filme que a vi. Era a camisa dos meus sonhos. Xadrez, de gola com botão, para usar por fora da calça.
Fui na Casas Pernambucanas, achei um tecido bem parecido; xadrezinho vermelho com preto. Procurei um alfaiate que pudesse entender o que eu queria. Achei um. A alfaiataria dele ficava quase em frente ao armazém do Igawa. Valor acertado: mãos à obra. Uns quinze dias de espera. Muito serviço havia na frente a ser feito, me disse o alfaiate. Num belo sábado, eis que vejo a minha camisa pronta. Não ficou igual; ficou melhor do que a original. À noite, lá fui eu, todo garboso para o cinema com minha camisa, que nem lavar eu deixei. Falei para minha mãe que eu queria que a camisa ficasse com aquele cheiro de nova. Ela só passou. Depois do cinema, brincadeira dançante no Fênix, e aquela felicidade estampada no rosto misturada com a mescla de patchouli com lancaster. A gente era quase dono do mundo. Ivo

Inserida por IvoMattos

⁠mais do que isso não existe, é impossível
acalma, alma inquieta,
cheia de orgulho infantil.
nem todas as estradas têm pontes.
basta esse momento.
nem precisa de futuro,
tudo está aqui. nosso futuro mora do lado de dentro
nem todos os ventos vão acariciar seu rosto como o daqui.
nossa terra acalenta as raízes das nossas vidas.
fica mais um momento, o amanhã é quase ali./I

Inserida por IvoMattos

⁠hoje fico espreitando meus sonhos que ainda sorriem junto a você brincando de heróis imortais,
pulando pedaços de memorias tristes,, fingindo esquecimento.
nem percebi,
foi muito rápido
ainda ontem chovia nos verões e perfumava sua terra vermelha,
no inverno havia aquela fumaça branca que saia das suas entranhas e molhava nosso rosto de criança.

Inserida por IvoMattos

⁠O fato e a prova
Fatos, quando reconhecida a sua inequívoca existência, não exigem provas. Não há, pois, que se falar em "fato falso ou verdadeiro", mesmo quando não se sabe a explicação, eis que, se for falso, é porque não é fato. Por isso mesmo os fatos se referem a coisas ou eventos que existem ou existiram e não podem ser negados, independentemente de conhecer-se ou não a sua origem.
Ivo S G Reis

Inserida por ivosgreis

⁠A COISA E A DECISÃO CERTAS, NO MOMENTO CERTO

Não adianta saber qual a coisa certa a fazer e nem mesmo a decisão certa a tomar. A coisa e a decisão certas, se executadas na hora errada, fatalmente darão erradas e porão por terra todo o planejamento e reflexões anteriores.

Inserida por ivosgreis

⁠Quando estiver viajando pelo norte do Paraná, pela BR 369, no km. 73 tem uma cidadezinha. Ela se chama Santa Mariana. Para mim ela é a mais linda de todas as cidadezinhas que eu conheco. Se vc não tiver com muita pressa, dê uma entrada e vã conhecê-la. Vale a pena. Ela não têm histórias emocionantes, mas com cada pessoa que você conversar, você se sentirá como se fosse filho dela. São pessoas amigas e que gostam de um bom papo. São saudosistas,, assim como eu. Vão te falar da velha rodoviária, da estaçãozinha de trem, do velho clube e dos grandes carnavais, dos bailes de formaturas, das debutantes, dos bailes do lions clube, do rotary clube., da quantidade enorme de pequenas industrias que já não existe mais. do velho cinema. ah, e de como era grande o movimento de pessoas nos finais de semanas. Vão te falar da revoada de jovens da década de 70, que migraram para os grandes centros e a maioria não mais voltou.
--Dê uma volta na pracinha, agora moderna (eu gostava mais da antiga pq tinha coreto e um chafariz) e visite a homenagem ao criador da uva ruby, sr.o Sr. Kotaro Okuyama, pouco lembrado por sinal.
Se você nos visitar, quando partir tenha uma boa viagem e muito obrigado. i/

Inserida por IvoMattos

A fazenda era cinematográfica. Enorme. 15.000 alqueires. Grande parte dela preservada. O dono era cunhado do meu cunhado,Senhor José Cândido Teixeira. Ele foi o primeiro prefeito de Santa Mariana. Não vivia na fazenda, mas sempre estava por lá.

A casa da sede, era dividida em três corpos. Em uma da partes ficava a cozinha e a dispensa. Numa outra, toda aberta, bem ventilada, ficava um salão enorme com uma mesa, onde comíamos. era, também, o local de "jogar conversa fora". Na terceira parte ficavam os dormitórios: duas suite e mais dois quartos.
Então, nesse salão, mesmo hão havendo energia elétrica na fazenda, havia uma geladeira tocada a querosene, (detalhes técnicos não sei, mas sei que funcionava bem) onde, embaixo dela, morava um tremendo de um Sapo Boi (letras maiúscula em homenagem ao tamanho do bicho) que só saia durante à noite, acho que para comer e fazer suas necessidades. Nós dois mantínhamos um relacionamento de respeito e distância.
Uma tarde, calor de verão, eu estava sem camisa olhando distraidamente para o lado de fora da casa. De repente senti uma coisa gelada, como se fosse um pedaço de carne, grudando nas minhas costas.e na sequência a voz do meu cunhado me perguntando:: -"adivinha quem está nas suas costas?" Meu Deus O Sapo!!
Na correria, fugindo daquele bicho, carreguei ele um bom pedaço grudado em mim.
Passados alguns dias, lá estava ele na sua rotina normal, na sua casa refrigerada.(

Inserida por IvoMattos

⁠Os bailinhos da vida.
Quantos bailes perdi por falta de uma paletó. Todos os bailes no Fênix era exigido traje social e eu não possuía a peça principal .sem ela sem chance de entrar, Cansado com aquela situação, conversando com o Florentino, excelente alfaiate, ele me fez um paletó do jeito que eu queria, e eu podia pagar em longas prestações. Fui, então, até as Casas Pernambucanas e escolhi o tecido: um cinza igual a um que eu tinha visto numa revista. Imitação de um terno inglês Quinze dias de espera entre provas e ajustes, recebi o objeto e já torcendo para estrear no próximo baile, que não demorou muito. Porem, nem tudo correu como eu imaginava. O paletó ficou bonito, mas o tecido era fino e o baile caiu no mês de junho. O frio daquela época parece que era mais gelado. Durante a dança comecei a tremer, um pouco pela emoção e um pouco pelo frio, mesmo abraçado na parceira. Tremia tanto que ela achou melhor parar. O problema era que as outras peças também não ajudavam: camisa já bem usada a calça era de tergal, bem fina e quase transparente. Tinha tudo para dar do que deu.
No dia seguinte fui conversar com o Florentino, (alfaiate) para acharmos uma solução.. Ele sugeriu colocar um forro de flanela, coisa simples de fazer e quase sem custo. Resolvido o problema do frio, "dá lhe Fênix. Quando chegou o verão, surgiu um novo problema: eu suava até pelo cabelo. Minha camisa ficava toda molhada e aquilo me deixava com vergonha de dançar;
Ele, o paletó, ficou comigo por muito tempo até eu poder comprar um outro que fosse para o verão. I/
A vida era difícil, mas era bem divertida.

Inserida por IvoMattos

⁠///Ausência Injusta..///
Mãe, tá tudo bem! não se preocupe com nada. , Já até arrumei
emprego(mentira)
--Meu estômago? Nem está doendo mais, acho que sarou (sarou nada, mentira)
--Dinheiro? tenho, sim! qq coisa peço para o Mauricio (mas ele também não tinha)
--Quanto vou voltar? Não, não volto mais, mãe. . Aqui é muito melhor (mais uma mentira)
--Se estou comendo? Sim, todos os dias, almoço e janta. (quando tinha almoço não tinha janta).
--Mãe, Fica tranquila, está tudo bem! --O Quê? Sonhou que me viu chorando?
"ah, mãe, não acredita em sonhos, eu estou bem.. Estou sim! -Não, não estou chorando, juro que não. Só estou morrendo de saudades da senhora. Tchau, mãe. Te amo. A semana que vem eu ligo novamente./i

Inserida por IvoMattos

⁠No coração de Ituiutaba. Na praça do Fórum,
Erguia-se esplêndido, o Bacuri, planta de valor imenso.
Com mais de 60 anos de história, era um símbolo vivo,
Da riqueza e da nostalgia que em Ituiutaba surgia.

Seu nome científico, brilhava em tom de reverência,
Um tesouro da natureza, com sua presença.
Testemunha das épocas idas, da história que se mostrava,
O Bacuri era um capítulo vivo, uma memória que se guardava.

Mas durante a reforma, um eco de desespero ecoou,
Ignoraram sua importância, nem ao menos se importou.
Foi arrancado sem piedade, destruído como um véu,
E assim perdemos a história, a dor caiu no céu.

A praça mudou o seu semblante, um vazio se instalou,
Sem o Bacuri, a lembrança se dissipou.
Mas na memória de Ituiutaba, o Bacuri permanecerá,
Uma planta antiga, um símbolo que jamais se esquecerá.

Que essa poesia sirva como tributo, uma homenagem singela,
Ao Bacuri da praça do Fórum, uma história que se revela.
Que a dor do seu desaparecimento, se transforme em consciência,
Para preservar as histórias e memórias, com mais diligência.

Inserida por Ivo67

⁠A felicidade é gratuita

A felicidade não tem preço, ela é gratuita e está disponível para todos. Não precisa de dinheiro ou posses materiais para ser alcançada. A felicidade está dentro de nós, é um estado de espírito que pode ser cultivado por meio de escolhas diárias e atitudes positivas.

Podemos encontrar felicidade nas coisas simples da vida, como um momento de conexão com alguém querido, um passeio ao ar livre, uma risada sincera, uma conquista pessoal ou a gratidão por aquilo que já temos.

É importante lembrar que a felicidade não é constante. Ela é um sentimento que surge e desaparece ao longo do tempo. É normal enfrentar momentos de tristeza, raiva ou frustração, mas é possível aprender a lidar com essas emoções e encontrar um equilíbrio emocional.

A felicidade também está relacionada com a forma como percebemos e interpretamos os eventos da nossa vida. Cultivar uma mentalidade positiva, buscar o autoconhecimento e a autocompaixão, praticar a gratidão e viver o presente são ferramentas importantes para encontrar a felicidade dentro de nós mesmos.

Em resumo, a felicidade é um estado de espírito que está à disposição de todos, independentemente de suas condições materiais. É um sentimento que podemos cultivar em nosso dia a dia por meio de escolhas conscientes, atitudes positivas e uma perspectiva otimista sobre a vida.

Inserida por Ivo67

⁠Entre linhas

Nas linhas tortas da vida
Eu tento desvendar
Um verso que se atreva
A ser diferente, a inovar

Mas as palavras se enlaçam
E a rima se desfaz
O ponto final se apaga
E a poesia se desfaz

Então busco um novo caminho
Um jeito de me expressar
Sem seguir as regras do soneto
Sem me prender ao tradicional

Quero uma poesia única
Que fuja do comum
Que seja livre e autêntica
E reflita o que sou

Então aqui, entre linhas,
Tento traçar meu pensamento
E justificar o que sinto
Neste poema diferente.

Inserida por Ivo67

⁠(Já postado algumas vezes)
...e ⁠eu nem tive tempo de agradecer. Quem sabe um dia..
Em frente a pracinha, havia um cinema; Cine Rios.
Nos intervalos das "engraxadas' (eu era engraxate. Iniciante) eu ficava na porta no cinema e viajava naqueles painéis de fotos de "mocinhos e bandidos". Depois ficava esperando a matine de domingo, quando, então, aconteciam aquelas batalhas do "bom contra o mau". O "mocinho bom" sempre vencia. No fim do filme sempre tinha a continuação dos seriados intermináveis, que deixavam um suspense no final. Acho que era para a gente voltar no próximo domingo. Perto do cinema havia uma sorveteria . A mais linda do mundo. (Eu só conhecia aquela) Os sabores dos sorvetes eram homenageados nos painéis(desenhos) que ficavam expostos nas paredes. Eu viajava naqueles sabores. O meu preferido era o banana splits, mesmo não conhecendo o sabor. Gostava da imagem.
O dono da sorveteria classificava os meninos que podiam ou não entrar no recinto, lógico, pela aparência. Como eu era um dos que não podiam entrar, o negocio era ficar olhando pelo lado de fora e imaginando. E foi ali, naquela sorveteria, que um dia, um homem bom, usando botas e chapéu de boiadeiro, mandou que o homem ruim, servisse o melhor sorvete (aquele da foto que eu estava admirando banana split) para aquele menino que não podia entrar na sorveteria. O que foi feito sem relutar.
Do outro lado da pracinha, tinha um bar que vendia umas balas com figurinhas de jogador de futebol, com direito a ganhar uma bicicleta, desde que você preenchesse um álbum imenso. Ganhar aquela bicicleta era quase impossível. Mas foi assim, que um dia, com 8 anos, eu comprei o salário inteiro do meu pai em figurinhas, mesmo ele não tendo álbum de figurinhas e nem ter ganhado a bicicleta. /i Ivo Terra Mattos

Inserida por IvoMattos

⁠com o tempo a gente vai esquecendo
nem se lembra mais daqueles que tinha ascensão sobre nós, até porque, muitos, com o tempo, caíram.
eram tão incipientes que não tinham o discernimento da maldade
que praticavam.
não eram seres diferentes, somente achavam que eram, talvez culpa do meio que viviam.
não tínhamos acesso ao meio que eles julgavam serem os donos, se mais quiséssemos, nada mais era nos dado.
como nada tínhamos, éramos cobiçadores do pouco que eles tinham. com o tempo, vimos que aquilo não era nada perto do tudo que podíamos conseguir e conseguimos.
pobres separatistas que se multiplicavam entre si. pobre seres
ignorantes, desprezíveis, se vocês soubessem o mal que fizeram para muitos, teriam vergonha de serem chamados de seres humanos.

Inserida por IvoMattos

⁠Um sábado de sol.
Trajeto na parte da manhã:
-Passar da casa do Dr, Cleon engraxar os sapatos dele. e saborear um doce de banana feito pela esposa dele. Sempre tinha.
-Grande Hotel. O professor Antônio deixava os sapatos do lado de fora para ser engraxados. Sempre pagava no próximo sábado.
-Vez ou outras engraxava as botas o seo Otávio, no açougue do seo Júlio.
-Um giro pela rodoviária olhando os ônibus imaginado um dia viajar num daqueles.
´-Uma passagem na farmácia do ikeda para me pesar e medir a altura.
-Uma olhada na camioneta que vendia mexerica ponkan, sempre sobrava alguma doação.
-Uma entrada sorrateira na sorveteria, na esquina, e esperar que o dono desse uma "colherada" tipo, assim: vaza.
-Ficar ouvindo musicas na sapataria Paraiso,
-Ver os painéis de filme do cine Rios.
-Chegar no ponto e esperar os "clientes" com suas botinas incrustada de barro.
-Na hora do almoço, esconder a caixa e a cadeira na prefeitura e descer para casa,
Na parte da tarde ia direto até as 18 h. Haja botinas e botas.
-Acho que eu era feliz assim. Gostava daquela felicidade, não conhecia outra

Inserida por IvoMattos

⁠queria ter te amado
ter ganho um abraço
sentir orgulho de ser seu
mas você não me ensinou
seus olhos não me buscavam,
mas sua indiferença, sim
queria ter te beijado,
ter te abraçado, mas você nunca estava
queria ter te amado sem ser imitação
amar com o coração
mas você não me ensinou
nem sabia o que de fato eu era seu.
tudo teria sido diferente
não teria que ir me desfazendo de você
pelos caminhos.
não teria tido tantos pesadelos e tantos medos.
tantas perguntas e tantas angustias.
você poderia ter sido meu amigo de fato. /i Ivo Terra Mattos

Inserida por IvoMattos

⁠as velhas lembranças, iguais raízes, se esparramam pela
nossas memórias. se agarram, se entrelaçam e vão ficando
quase como se fossem uma planta só.
São cheias de momentos de felicidades, de dúvidas, de lutas ganhas, outras perdidas.
Tempos de alegrias simples, de futuro presente.

Inserida por IvoMattos

⁠talvez você seja maior do que seu próprio designo.
humilde, se deixou moldar pelas almas dos bons ao seu redor.
você é um ser verdadeiramente diferenciado.
que bom que você está próxima de nós!






Feliz Aniversário. Roseni, Amamos você, sempre..

Inserida por IvoMattos

existiam tantas razões para voltar..

tantas pessoas para abraçar,

coisas para contar.

tinha até um futuro para viver..

com o tempo o caminho foi desaparecendo..

as longas ausências surgindo

os abraços desparecendo

ninguém para ouvir...

perguntas sem respostas

já não havia mais razões para voltar..

tinha tantas razões para ter ficado com você.(I

Inserida por IvoMattos