Joel Leite da Silva Andrade: POR UM FIO Não quero o amanhã......

POR UM FIO

Não quero o amanhã...
Debilitados estão os meus músculos,
A voz do discernimento geme,
Pedindo o propósito para prosseguir.
Quem vai cortar esse fio?

O ser que controla a navalha da vida indaga:


E Quanto as Alegrias...?

Foram imensos balões, robustos, coloridos,
Onde o tempo tirou as cores e os tornaram-se sem ar.
Fumaça; dissipou-se.

E as fortes Paixões...?

Correram nas veias enganando o coração,
O desejar e ser desejado,
Obra da imaginação.
Fumaça; dissipou-se.

E o amor...?

Voz pregando incondicionalidade.
Pura obra do egoísmo.
Ninguém ama por amar,
Imprescindível algo em troca.

Esperança...
Enganar meu coração?
Às vezes penso que sim, outras vezes penso que não.
É o que me resta!
Aguardarei a morte da esperança...

1 compartilhamento
Inserida por joelleitesa