Joel Leite da Silva Andrade: SÓ QUANDO ELA PASSA Um poeta sentado à...

SÓ QUANDO ELA PASSA


Um poeta sentado à beira da calçada
Fitou uma menina formosa, cheia de curvas, misturas de raças, e disse:
Olha que coisa mais linda tão cheia de graça;

O desfile brilhava na passarela aos olhos da admiração,
Corpo galopante nas curvas infinitas da deusa descoberta,
Disparando na esquina aquele coração.

Que vem e que passa as pernas roliças tão cheias de graça;
Como um coqueiro ao vento à beira do mar,
A força do vento balançando a saia.

Que corpo dourado que esconde o fruto tão cobiçado,
Por aquele homem que assiste o desfile da linda mulher,
Fazendo o balanço que é mais que um poema.

Ah! Se ela soubesse que aquele balanço,
Ritma a força de um coração,
Sairia correndo para aqueles braços e receberia esta canção.

O mundo inteirinho se enche de graça,
Por causa do amor,
Por causa do amor.

1 compartilhamento
Inserida por joelleitesa