Manoel Freitas de Oliveira: Abraço de Maio Ao somar janeiros que...

Abraço de Maio

Ao somar janeiros que não são poucos
Embora, muito no ontem
Uma pequena morava também
Ao que não havia laços
Apenas o crer no canto da sereia
Nesta estrada era verde
Hoje... azul
Definitivamente a mais bela
Ao que o mar pode ofertar
E sem compromisso com o tempo
A manobra do acaso
Criou o tempo da soma
Mas... foi no abraço
Despertou o silêncio dos mundos
A inquietação fez visita fixa
Na porta da entrega total
A razão é o único freio
O desejo é pleno
O peso do tanto querer
Feito ladeira à baixo
Sem parada aos lados
O amor chegou...

1 compartilhamento
Inserida por ManoelAudaz