Livro Autobiografia de um super herói: A minha grande questão era (e ainda é,...

A minha grande questão era (e ainda é, camarada): a gente está nascendo ou morrendo? Isto é, já viu foto do seu parto? Tudo bem: voce nasceu da sua mãe, ou de um tubinho de vidro, saiu, ficou de pé e pensou: eu estou vivendo. Tudo bem: começa a descida, adeus, amor, vou partir, tumba. É isso. Quando voce esta na subida, você esta nascendo. A descida só começa quando voce esta morrendo? Quando começa a descida? Eis a questão. Ser ou não ser? Não adianta se enganar, fazer plastica, encolher a barriga pra sempre. Eu acho íncrivel quando eu vejo alguém que está sempre na subida. Eu penso: esse ainda está nascendo. Ainda não viu tudo. Aí eu posso ser amigo, faço qualquer coisa para essa pessoa. Não fica questionando se vai ou não chover. É claro que a gente está morrendo. Mas também está nascendo. Você pergunta: o que isso muda? Eu digo: Olha, foi um prazer. Eu suporto as coisas impossíveis, que vem o cara de bom senso e explica: “Olha, gente, não vai dar pra fazer isso”. Ter coisa impossível, tem, mas e daí? Ninguém sabe nada, é tudo improviso, entendeu? É uma grande impostura essa certeza toda. Acriação - é, Deus, mesmo - não terminou, não está completa - tudo está sempre por se fazer, a coisa só termina por cansaço. O escultor parou, mas o vento, a chuva e os pombos estão por aí.

1 compartilhamento
Inserida por juNiicolau