Bruno M. Tôp: Idiotas são felizes, Pois dentro deles,...

Idiotas são felizes,
Pois dentro deles,
Amores antigos,
Não geram cicatrizes.

Eu conheci uma idiota assim,
Cheia de um charme ancestral,
Com um sorriso fora do normal,
E que não quis amor vindo de mim.

Tempo passa, passageiro de um trem,
Que foi bem mais além,
Conseguindo nos reunir novamente,
Agora de uma forma diferente,
Enlaçados numa nova amizade.

O problema é que não foi uma amizade qualquer,
Ela roubou minha intimidade,
Se apoderou das minhas vontades,
E descobriu o meu eu de verdade.

Odeio isso, por isso a chamo de ódio,
Porque sei que nem todo o ópio,
Poderiam me livrar dela,
Não, essa relação tão bela,
Vai me perseguir até o inferno,
Porque o que tenho com ela,
Isso sim é eterno.

Mas apesar de tudo isso aí,
Eu tenho um grande medo,
Pois todos meus segredos,
Estão com ela,
A reciproca também é verdade,
Porém é perigoso e sensacional,
Ser dependente de um ser tão anormal.

Tudo porque Júlia Dias,
Não sorri de alegria,
Mas sorri da desgraça dos outros,
...
Isso é mentira,
Mas não duvido nada,
Que um dia, ela dê uma risada,
De uma alma machucada.

Tuns, tunts, tun.
O tempo passa,
E o número nove se tornou um,
Hoje sem me preocupar em ser bossal
Sei que sou o melhor amigo,
E sei que sou o segundo onde ela busca abrigo.

Ela é otária,
É idiota e insuportável,
Às vezes até intragável,
Mas é a única que aceita cair em todas as pegadinhas,
E que sabe que nunca ficará sozinha,
Porque me tem ao seu lado,
Até quando o que fez foi errado.

Eu te odeio, sua otária da minha vida,
E para que essa data não passe despercebida,
Vou te esmurrar e talvez te morder,
Pra te marcar com minha arcada dentária.

Só assim tu vai sempre lembrar,
Que és minha otária,
E Quem é que vai sempre te irritar,
Fazer as coisas ruins passar,
Piadas infames contar,
Só pra te alegrar.

1 compartilhamento
Inserida por brunomtop