Luciano Spagnol - poeta do cerrado: POR TANTO TEMPO (soneto) Por tanto...

POR TANTO TEMPO (soneto) Por tanto tempo, o sonho era infinito Vivia aflito, desvairado no sentimento Que inda hoje, ao olhar o meu escrito As quimeras me vêm a... Frase de Luciano Spagnol - poeta do cerrado.

POR TANTO TEMPO (soneto)

Por tanto tempo, o sonho era infinito
Vivia aflito, desvairado no sentimento
Que inda hoje, ao olhar o meu escrito
As quimeras me vêm ao pensamento

Por tanto tempo, sozinho e restrito
Meu silêncio, era áspero e violento
Mas por dentro, queria ser erudito
Mas havia tristura e voz de lamento

E hoje vejo uma certeza na direção
Dito: - “a única coisa que não muda,
é que tudo muda”. Sábia conclusão!

Pois, nesta vida de Deus nos acuda
O encenar é com agridoce emoção!
A poesia segui... e a fantasia miúda.

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
06/03/2020, 17’29” - Cerrado goiano
Olavobilaquiando

Inserida por LucianoSpagnol