Monica Campello: Levantar, sacudir a areia e dar a volta...

Levantar, sacudir a areia e dar a volta por cima!

Aprendendo a superar dificuldades mesmo que não haja luz no fim do túnel.

Em algum lugar no interior de um imenso país, havia um
fazendeiro muito rico, dono de excelentes cavalos de muita
valia nos trabalhos de sua propriedade rural. Certo dia, ele
recebeu a notícia de que o seu cavalo preferido, um alazão
forte e muito bonito, havia caído num poço abandonado.

O capataz que lhe trouxe a notícia estava desolado, pois o
poço era muito fundo e pouco largo, e sendo assim, não havia
como tirar o animal de lá, apesar de todos os esforços dos
inúmeros funcionários da fazenda.

O fazendeiro foi até o local, olhou para a situação e concordou com seu capataz: não havia mais o que fazer, embora o animal não estivesse machucado.

Não achou que valia a pena resgatá-lo, visto que ia ser muito
demorado e custaria mais do que ele estava disposto a pagar
para ter o animal vivo.

Já que ele está no buraco, disse o fazendeiro ao capataz –
jogue terra em cima dele para enterrá-lo.

O fazendeiro virou as costas, preocupado com seus negócios,
e os funcionários imediatamente começaram a cumprir a
sua ordem.

Cinco homens, sob o comando do capataz, começaram a jogar terra dentro do buraco, e em cima do cavalo. A cada pazada, o alazão se sacudia todo e a terra acabava caindo no fundo do poço seco.

Os homens ficaram admirados com a esperteza do animal:
a terra ia enchendo o poço e o cavalo acabava por subir nela!

Algumas horas depois e o animal já estava com a cabeça
aparecendo na saída do poço; e apenas mais algumas
pazadas de terra e ele pulou para fora do poço, sacudindo-se
e relinchando, feliz.

Muitos podem estar apenas querendo jogar terra sobre nossas cabeças para que nos afundemos e sejamos desmotivados a lutar pelos nossos objetivos. é preciso manifestar a vontade de seguir em frente como o cavalo a despeito de quiasquer obstáculos. Não é fácil, mas se nos sacudirmos com fé e esperança, conseguiremos subir, alcançar o topo do poço e sair dele. É como diz o antigo ditado: "Aproveite as pedras que atiram em você para construir seu castelo". Nesse contexto, aproveitemos a areia que jogam sobre nós para que possamos sair do fundo do poço - i.e., das tristezas, das amarguras, da solidão, das mágoas - e sobreviver a ele.

Não se deixe levar por pessoas que querem lhe deixar no fundo do poço. Que os fazendeiros da vida não nos influenciem para o mal da desistência, de nos fazer crer que já estamos ou somos derrotados, do sentimento de rejeição, da inércia etc. Continuemos lutando enquanto tivermos vida!

Que possamos manifestar a grande ideia da superação como o cavalo.