Luciano Spagnol - poeta mineiro do cerrado: INANIA VERBA Ah! Quem há de querer,...

INANIA VERBA Ah! Quem há de querer, meus versos vazios O que a emoção não diz, e a mão não poeta? Cânticos numa só tormenta, em uma só reta Que lamenta, sangra,... Frase de Luciano Spagnol - poeta mineiro do cerrado.

INANIA VERBA

Ah! Quem há de querer, meus versos vazios
O que a emoção não diz, e a mão não poeta?
Cânticos numa só tormenta, em uma só reta
Que lamenta, sangra, porém, se tornam frios...

A quimera agita, regurgita, e na alma espeta
A rima espessa e torta, sem simétricos feitios
Abafam a ideia leve, sem os olhares gentios
Que, calam o espírito, num augúrio profeta

Quem o molde o terá pra encaixar no fado?
Ai! quem há de expor as frustrações malditas
Do sonho? que anina e não mais se levanta...

E a inania verba muda, e o amor ali calado
E as confissões que talvez não sejam ditas
No silêncio, emudecem, atadas na garganta.

© Luciano Spagnol
poeta do cerrado
2018, início de outubro
Cerrado goiano
Olavobilaquiando

Inserida por LucianoSpagnol