Maria de Paula (Nazaré): Toda vez que minha carne está ferida e...

Toda vez que minha carne está ferida e sinto a necessidade em me desmontar, lembro do quão trabalhoso é juntar-se novamente, assim como quando éramos crianças e desmontavamos todos os brinquedos só pra ver qual era o mistério que havia, mas nem sempre conseguíamos montar novamente, as vezes até desistiamos e deixavamos de lado aquele brinquedo. A vida meu caro é um brinquedo daquele, a diferença é que não da pra desistir de montar após ter desmontado, temos que ser persistente e tentar de todas as formas remontar o quebra cabeça gigante que nos foi dado, mesmo que isso leve tempo, nada de trocar de brinquedo, há apenas nesse momento essa vida.
Todas as vezes que estamos trincados como película de vidro de celular, ou compramos uma película nova ou aprendemos a conviver com as rachaduras.
Eu sou eu. Você é você.
Não troco de lugar e nem você troca.
Nos cabe apenas a nós o dom de ser unicamente o que somos e zelar do que nos foi dado.
Não atribuo a você a responsabilidade do meu brinquedo desmontado, eu desmontei, eu que monte.
Se eu emprestei minha vida a você e tu não soube cuidar. Culpa minha. Eu que conserte.
A vida é um monte e desmonte, as vezes desmanche, outras vezes um PT geral.
Quem é você no meio dessa brincadeira de criança que é a dança das cadeiras da vida?
Eu sou eu, me basta o ser.
Quanto ao resto darei um jeito. Sempre dei.

Maria de Paula( Nazaré)
29/09/2019

Inserida por MariadePaulaNazare