Viviane Andrade: “Despiu-se das velhas crenças rasgou...

“Despiu-se das velhas crenças
rasgou os preconceitos,
tirou dos pés as amarras,
calçou a coragem.
Sua nova roupa é transparente
revelando ousadia
não se vestiu de ceda,
se renda, nem de alinho fino
vestiu-se de amor e
revestiu-se de alma.
Ela vive na contramão do mundo
é natural que pareça ser um erro.
Mas ela não se vestiu de “ceda”,
não me refiro à seda tecido, e sim
a ceda do verbo ceder.
Ela não se vestiu de ”ceda” para
ceder ás pressões do politicamente
correto, corrupto.
Ela não se vestiu de “renda”
e não me refiro a renda tecido,
mas sim a renda do verbo render
e a renda, receita, salário.
Ela não se vestiu de se renda
para se render ás convenções dogmáticas
e não se vende a verdades absolutas,
discriminatórias, carregadas de
esteriótipos e intolerância.
Ela não se vestiu de “alinho”,
não me refiro ao linho tecido e sim
ao alinho do verbo alinhar.
É natural que pareça ser um erro,
mas ela não se alinha ás regras
e não se iguala àqueles que julgam
as escolhas alheias como sendo erradas
por serem diferentes das suas.
Pode até parecer um erro, e ela erra muito,
mas se vestiu de amor, e não me refiro a vestes
de tecido ou ao tecido da pele, pois nela
o amor é sangue em movimento continuo,
circula, propaga-se, renova-se.
E revestida de alma vivi.
No mundo, talvez, seja comum condenar
os erros alheios, mas através de alguns erros
é possível aprender, apreender e ensinar
e ainda assim nada saber, pois
o conhecimento é vivo e mutável. “

Viviane Andrade

1 compartilhamento
Inserida por VivianeAndrade