Richard Strauss: Quando somos jovens, imagina-se que um...

Quando somos jovens, imagina-se que um libreto só é interessante se contém cenas violentas e
assassinatos terríveis. Depois começa-se a compreender que também nos pequenos
acontecimentos da vida quotidiana há coisas que merecem ser notadas e exaltadas com intenso
lirismo. É preciso aprender a descobrir quanto existe de profundo nos fatos e nas coisas que
parecem humildes. Debaixo de um manto de púrpura muitas vezes vive uma mesquinha criatura;
sob a roupa desalinhada de um pequeno burguês dos nossos dias palpita às vezes um coração
de herói. Temos que nos curar da mania do heroísmo cenográfico, e especialmente renunciar
aos venenos, aos punhais e aos incestos.

1 compartilhamento
Inserida por neuken