R. Matos: Ao Norte e a Oeste das cordilheiras de...

Ao Norte e a Oeste das cordilheiras de Cárpatos o coração da lenda
De dor e tormentos nessas valas e passadiços a cidadela sobreviveu
Das paredes escritas e uma promessa não comprida, da grafia na sua água encontrada, mas seu coração perdido
Decapitados por sua obediência e honrados por tirar água das rochas
Soam os sinos da igreja negra, estilo gótico de um grande incêndio o seu nome enunciou
No coração da Transilvânia respirou o ar da maligno pelas lendas do tirano engrandecido
Antigo, antigo jeito na forma da moldura das janelas ruas coloniais no caminho de Vlad
Ruínas a sua fortaleza deixou de batalhas com otomanos se fez, em Bran a lenda continuou e de lá durou
Empalador de inimigos na região de Valáquia e nos seus degraus muito sangue derrubou
A lendária crueldade se espalhou de tal forma que sobre seu próprio povo uma obediência divina deles tinha
Da ordem do dragão seu mito foi espalhado, mas no fim também decapitado em batalha teve seu fim esperado
Fecharam os ouvidos do mundo para a renegação como em Jerusalém nenhum homem fez tanto por ela
Hoje floresça da relva belas flores e das montanhas um puro ar juvenil pelas suas praças
Por séculos como hoje continua retribui o sol até tarde
De coroas por estrelas ordenadas sobre a cabeça de sua áurea paira a força de seus vitrais
Enegrecidos por fora com um ar jubileu e puro por dentro foram o encanto de suas terras
As consequências do amor, subiram os degraus da igreja negra
Da cabeça da águia negra, do auroque de todas as sete colinas da região formado está meu brasão
Ascenção do príncipe sobre os leões desenfreados apoiam a gigante sequoia do reino
De gotas derramadas no mar os rios encheram e para casas antigas de ruas longas esparsas brotou um povo sublime em suas lendas e histórias
Fieis na sua determinação até o fim dos sinos badalarem.

1 compartilhamento
Inserida por rmatos