Luis Ricardo Teiga Ramalho: Não vejo ali um jardim São uma...

Não vejo ali um jardim
São uma porção de plantas
De matos e gramas!
Todos espalhados, e jogados pelo campo
Pois não diga isso!
Isso que diz, não é o que eu vejo!
Vejo ali belas e formosas plantas
Lindas e raras flores
Cresceram algumas sem proporção
Mas são repletas de intenção
Com alguns espinhos, eu sei
Eu sei
Mas ainda são flores
E para ser sincero, flores das quais nunca vi igual
Veja como és rico e fértil este solo!
Tudo nele floresce!
Floresce a vontade de crescer e despontar até o sol
São apenas folhas cansadas de ventos turbulentos
Mas veja como elas estão de pé e ainda florescem!
Preciso apenas adentrar este jardim
Destrancar esta porta que parece enferrujada
Arrancar as mudas que inibem o crescimento dos frutos!
E Regar, regar todos os dias
Até mesmo nos de chuva!
Ei! Não deves tu ir até lá jardineiro!
Veja suas mão!
Cansadas, machucadas
Não, pois para este jardim, minhas mãos serão repleto trabalho
Repleta dedicação
Nunca vi tamanha riqueza e vontade destas plantas em atingir o sol
Nunca tive tanta vontade em colher os frutos, como me imagino colhendo os desta árvore!
Mas e suas mãos?
E as mudas? Os espinhos?
Estas são as consequências ao adentrar o jardim
De cada planta que aparo
Posso criar uma bela paisagem
Ou uma imagem desconexa
Posso sangrar um pouco
Mas posso ver as flores desabrocharem
E isso
É apenas no começo......
Essa é a relação de regador x jardim
Em que regando
Hora sou regador
Hora sou jardim....
Em que no fim
Encosto-me na mais bela árvore
E de lá assistirei ao pôr do sol
Todos os dias da minha vida.

1 compartilhamento
Inserida por luisrtr