Rosemere Melo Sanginetto: Leia-me os tons embaçados, há máculas...

Leia-me os tons embaçados, há máculas que transpassam o vítreo, o lido, o sentido...oblíquo! discrepância? só há em edições editadas, e cópias plagiadas, de pes... Frase de Rosemere Melo Sanginetto.

Leia-me os tons embaçados,
há máculas que transpassam o vítreo,
o lido,
o sentido...oblíquo!
discrepância?
só há em edições editadas,
e cópias plagiadas,
de pessoas em branco!
dai-me tinta e sulfite,
e transcrevo os matizes,
do incomum!
Poupe-me de dedos analfabetos!
decifra-me os contrastes,os arabescos,
decifra-me os graves,os adereços,
e a frequência subjetiva,
de algoritmos subliminares!
quem pode conter a alma em colchetes?
em borrões de grafite,
argila ou nanquim,
há bem mais oralidades,
que em belas molduras vazias,
por isso não julgue pelo periférico!
o amor é atópico,
e o poema não o alcança com perfeição!
Anjo disforme,
"desloca-se como a chuva e retém o fogo nos punhos"
a alma não usa uniformes,
não vive de formalidades,
precisa libertar-se de geometrias e do tópico,
o despir-se é despedir-se do tátil!
todos buscam um amor,
que não caiba na palma da mão!

1 compartilhamento
Inserida por marypoetisa17