Arcise Câmara: Mente em confusão ou agitação Tenho...

Mente em confusão ou agitação

Tenho andado nervosa, insatisfeita, não durmo direito, estou explodindo a cada cinco minutos, logo eu que sempre acreditei que felicidade significa paz de espírito, bem-estar.
Ando preocupada com meu casamento, tenho sete anos de casada, passamos por inúmeras crises, talvez essa fosse mais uma, mas minha intuição diz que tudo está próximo do fim.
Meu marido é muito assediado, no entanto, ele não corresponde e isso sempre foi motivo de alegria para mim, porém eu dou muita liberdade para ele e nesses tempos eu me sinto insegura se ele realmente sabe usar a liberdade que tem em mãos.
Não espero traição, mas também o nosso relacionamento não está mais em estado de serenidade, perceber que as outras se atraem por nosso amor e que não há nenhum respeito pela aliança que ele usa desorganiza minha autoestima confiante.
Eu me sinto responsável quando as outras se comportam mal é como se eu precisasse me impor, apesar de não pensar desse jeito, quem precisa de um freio imaginário e real é que está sendo assediado.
Desde jovem gosto de conversar com pessoas simples, esse é meu mundo particular, meu desejo crescente em ajudar, cultivando a intimidade a aprendendo o valor das coisas não pagas.
Eu tento tratar qualquer pessoa que eu conheço como um velho amigo, sou de agradar, fazer aos outros aquilo que gostaria que fizessem a mim, uma íntima decisão em cultivar amor igual.
Atualmente não há apoio na minha relação ao invés ele me desestimula, sei que sinto amor, apego, medo, mas continuo interessada que o amor persiste, quero transformar essa insegurança em mais amor.
Não quero vincular meu marido a maridos que traem, eu apenas quero compartilhar do mesmo pensamento que nos uniu em casamento: A família sempre em primeiro lugar.
Não gosto de exageros ou bajulações, não curto aventuras extraconjugais de quem não se importa com os sentimento dos outros, insisto em mudar pelo bem da família, insisto em tornar séria a nossa relação, com as expectativas da reciprocidade.
Muitas pessoas trabalham duro, sozinhas por um casamento feliz, por uma vida mais confortável, por se sentir grata, pelas afinidades, e assim, continua mantendo outros interesses além do casamento, não abandonam amigos, lazeres, hobbies, eu sou assim, uma dessas pessoas que para se sentir feliz precisa não só de uma pessoa, mas de um conjunto de coisas que me dão prazer.
É durante as fases de maior adversidade que surgem as oportunidades de fazer o bem aos outros, não tenho respostas profundas, não devemos pensar só em nós, não quero distorcer tudo que já disse aí em cima, mas ficar pensando no "se" não me tira do lugar, e se meu marido me trair, e se minha liberdade o fizer ter outra, e se ele deixar de gostar de mim...
Quero vencer as distorções e aflições, quero curar minhas neuroses de amor, quero ter atitudes que corrijam erros, quero crescer no amor não escravizado, curto o amor independente.
Talvez eu tenha um espírito ignorante e indisciplinado, um cultivo a alegria, uma visão de amar que supere todos os obstáculos, a arte de escutar, talvez eu possa entender que eu não tenho nada a temer e que minha maior riqueza é amar, cabe o outro valorizar ou não.

1 compartilhamento
Inserida por Arcise