Paul Verlaine: Calmos, na sombra incolor Que dos galhos...

Calmos, na sombra incolor Que dos galhos altos vem, Impregnemos nosso amor Deste silêncio de além. Juntemos os corações E as almas sentimentais Entre as vagas l... Frase de Paul Verlaine.

Calmos, na sombra incolor
Que dos galhos altos vem,
Impregnemos nosso amor
Deste silêncio de além.

Juntemos os corações
E as almas sentimentais
Entre as vagas lassidões
Das framboesas, dos pinhais.

Cerra um pouco o olhar, no teu
Seio pousa a tua mão,
E da alma que adormeceu
Afasta toda intenção.

Deixemo-nos persuadir
Pelo sopro embalador
Que vem a teus pés franzir
As ondas da relva em flor.

A noite solene, então,
Dos robles negros cairá,
E, voz da nossa aflição,
O rouxinol cantará.

Nota: Tradução de Guilherme de Almeida

1 compartilhamento
Inserida por agf