Brenda A. Cruz: Sabe aquele eterno Manoel de Barros,...

Sabe aquele eterno Manoel de Barros, poeta, passarinho, iluminado pela beleza dos avessos, arquiteto das cores, arteiro das figuras de linguagem, onde a companhia de seus livros é uma viagem, pois então ele tinha razão naquela expressão: “a importância de uma coisa há que ser medida pelo encantamento que a coisa produza em nós. Assim um passarinho nas mãos de uma criança é mais importante para ela do que a Cordilheira dos Andes. Que um osso é mais importante para o cachorro do que uma pedra de diamante. E um dente de macaco da era terciária é mais importante para os arqueólogos do que a Torre Eiffel. (veja que só um dente de macaco!) Que uma boneca de trapos que abre e fecha os olhinhos azuis nas mãos de uma criança é mais importante para ela do que o Empire State Building. (...)” E tem também aquele princepezinho, do autor francês Saint-Exupéry, onde o sábio pequenino passou a dedicaste a tua rosa e foi o tempo que a fez tão importante. “Foi ela que pus sob a redoma. Foi ela que abriguei com o para-vento. Foi por ela que matei as larvas (exceto duas ou três, por causa das borboletas). “ Um dia você descobre que tudo que era considerável para si mesmo importante, na verdade nunca foi. Um dia você aprende que tudo na vida acontece com um propósito, pode ser que seja do céu, e não há o que se possa fazer para modificar as razões ou circunstâncias. Um dia você acorda e não vê mais o sol,as nuvens da mesma maneira, mas com um brilho mais intenso. Um dia você aprende que não se pode pular os obstáculos que a vida coloca em seu caminho, mas descobre que pode superá-los. Um dia você percebe que ninguém é igual a ninguém e que você não possui o poder de mudar as pessoas.Um dia a luz que você achava importante e fundamental ganha um sentido diferente da física que a relaciona como radiação eletromagnética, e então você descobre que não era a luz que te guiava, mas as escolhas que você fazia. E então depois desse dia você entende que tudo é efêmero. Temporário. Transitivo. E nós nunca somos, sempre estamos!

1 compartilhamento
Inserida por brendaacruz