Kaká Nascimento: Cacau no café Eu sou de todo grato a...

Cacau no café

Eu sou de todo grato a quem me desperta com cheiro de café fresco. Minha mãe é mestra nisso... Mas não só no turno matutino o cheiro do café me desperta. Café é como o botão play no aparelho de som, ele me inicia, me mostra que estou presente e que estou vivo.
O cheiro do café toma conta de toda casa, da praça de alimentação, da sala de espera, do corredor do escritório, da sacristia, da sala de professores, da rua... Eu me sinto café também quando sinto seu cheiro. Sinto-me presença. Sinto-me real em algum espaço e não sou visto somente como pó. A combinação perfeita entre vapor e o estado de inercia, a ausência de cor da água e a combinação de todas as outras cores do café (nunca ouço alguém dizer que vai tomar um ‘marrozinho’), a justaposição do amargo ao doce. Isso faz com que cheiro do café seja tão agradável e predominante.
Embora nem pareça, eu gosto de ser presente, de ser presença. Não que isso seja um alimento ao ego ou coisa do tipo, longe de mim, mas é que a presença no seu sentido lato me leva aquele local, me faz parte dele e parte da história que ele já deixou no tempo. Como agora... um gole de café. Fui presente!

1 compartilhamento
Inserida por kakanascimento