Eleni Mariana de Menezes: Onde estavam os black blocs brasileiros?...

Onde estavam os black blocs brasileiros?

Onde estavam os black blocs brasileiros até as manifestações que brotaram nas ruas em junho passado?
Inspirados em grupos internacionais eles começaram suas ações no Brasil timidamente em 2001 quando das manifestações da Ação Global dos Povos, movimento contrário à globalização neoliberal.
De lá para cá, entraram em um estado de quase inação ao ponto de suscitarem, hoje, indagações indignadas:
Por que não apareceram antes? Foi só o gigante acordar para que o grupo ganhasse volume e saísse em defesa dos manifestantes. Ou não? Seriam estes ativistas contrários às manifestações e com suas ações agressivas tentam enviar uma mensagem - “Parem, senão quebraremos tudo”.
São favoráveis ou contrários aos atos de reivindicações nascidos com os clamores das ruas?
As dúvidas são cabíveis uma vez que eles transformam em um pandemônio todo e qualquer ato reivindicatório como se ao contrário da promoção da união quisessem minar as forças e descaracterizar as ações genuinamente cidadãs.
Por que em uma democracia, quando uma pauta tem ampla representatividade, é coerente que sucedam traduções positivas de resultados. Somatórios são valorados pelos altos graus de repetência.
Isto é, quanto maior o número de indivíduos interessados que se reúne em torno de uma questão para obter vantagens, mais pressão exerce sobre os representantes políticos. E, quanto mais vezes elas acontecem, mais ganham adeptos para engrossarem a corrente.
Desde que sejam atos de cidadania, desde que respeitem os padrões de boa conduta e não firam os princípios da democracia. Desde que corroboram o posicionamento reivindicatório – todos têm direito a manifestar-se. E, nessa linha de pensamento, ainda pode-se afirmar que todas as formas de expressões que convirjam para o fortalecimento do Estado democrático são bem-vindas.
Na contramão dos direitos e deveres, os black blocs forjam uma intenção: proteger os demais manifestantes da polícia. Como se os seus atos de extremo vandalismo pudessem defender a população espoliada e pedinte.
Muito pelo contrário, eles expõem a risco desnecessário: militantes de uma causa, jornalistas, passantes ocasionais e a própria polícia.
Não é possível ignorar esse abscesso que drena as energias da massa ávida por participação. Muitos gostariam de dar continuidade ao que começaram em junho quando das manifestações surpreendentes que se alastraram por todo o país, mas desistem por força da situação perigosa.
Temem a ocorrência do enfrentamento físico e brutal com a tropa de choque que ocorre toda vez que os ativistas vestidos de preto provocam quando aparecem com seus martelos, estilingues e pedras. Então, sentindo-se abalados no quesito segurança, os cidadãos de fato, desistem de exercer a sua cidadania e as ruas ficam cada vez mais vazias destes.
Por trás de uma grande causa, nobre ou cancerígena, sempre há uma mente fértil que a lidera.
Pergunta-se: quem está por trás desta? A quem mais interessa a massa apequenar-se e se voltar para seu cotidiano singelo, sem grandes conquistas?
Quem é o grande mentor dessa paralisante anomalia que obrigou o Gigante a voltar para o seu sono profundo?
A pergunta foi lançada, senhores. Façam suas apostas.

1 compartilhamento
Inserida por elenimariana