Leandro M. Cortes: A primeira vez A primeira vez é sempre...

A primeira vez

A primeira vez é sempre mais gostosa. É sempre a mais doce. A primeira vez é de fato inesquecível.
O romper de lacres. O andar de bicicleta. O primeiro beijo. O estourar do champanhe. Os primeiros passos.
O primeiro amor. As primeiras alegrias. As primeiras dores do parto. As primeiras lágrimas. Os primeiros sorrisos.
As primeiras conquistas. O primeiro salário. A primeira viagem.As primeiras dores de um fim.
Não há uma ordem, apenas desordem na primeira vez. A ânsia pelo acerto, o nervosismo pela estréia que nunca chega.
A primeira vez de um principiante, de uma debutante. A primeira vez que não volta, sempre tem cheiro e essência de amor.
É só adrenalina. Êxtase puro. Felicidade que se abre em risos, espasmos de alegria. É viver entre eternas descobertas.
A primeira vez pode duras alguns segundos, uma hora, uma noite, uma selfie em um flash, um poema, uma poesia.
Pode durar um capítulo, um parágrafo, uma linha, uma frase. Pode ser um ponto final. O início, reticências, pode durar uma eternidade.
A primeira vez sempre tem um gosto passageiro. A primeira vez é sempre a mais bonita. Não há arrependimentos, mas o desejo pelo bis.
A primeira vez é o apogeu. É mutação, o transformar, mudar de fases, descobertas e histórias. É o dia em que ele deixa de ser um principiante e vira homem.
É o dia em que ela perde o selo de aprendiz, transcende mundos e se descobre mulher. É uma lua de mel antecipada.
É o encontro com a maturidade e o desencontro com a infância. É tornar-se adulto e romper laços com a inocência.
A primeira vez. A primeira prova. Os primeiros erros. Os primeiros acertos. Não há professores, mas sim, aprendizes.
A primeira vez, quando consumada a gente nunca esquece!
A primeira vez é genuinamente única e especial.

1 compartilhamento
Inserida por leandromacielcortes