Clara Furtado: Façamos careta! Os "para todo o...

Façamos careta!

Os "para todo o sempre politicamente corretos" que me perdoem (e a si mesmos também), mas eu tenho orgulho da minha porcentagem "desajustada", na verdade tenho é medo de perdê-la, onde não existe a neura de provar ser o tempo todo completamente normal. Não dá! Isso legitima a minha sanidade.

Totalmente louca eu seria se nenhum pouco louca eu não fosse. O que nos salva dos hospícios de concreto são os nossos pequenos atos diários de disparate no "manicômio vida": um berro pela pressão do dia a dia, um falar sozinha, perguntando e respondendo a si mesma, um cantar inglês sem saber, um grito na cara do afrontador ou mesmo de quem se ama, um choro só, um ataque de riso sem motivo, comer comida esquisita, uma fotografia despenteada, sem maquiagem e publicada às 5 da manha de um dia qualquer, depois de uma noite em claro com a cara nos livros, ou seja lá o que for que nos alivie. Assumir a parcela humana de loucura, aquela absolutamente normal, nas doses convenientes à saúde física própria e alheia, é estar nos conformes da normalidade, um jeito de encarar a vida com a leveza que ela pede. Renegar é disfarce para a inquietação que torna o cotidiano, de um jeito negativo, realmente estressante, tenso, doentio e paranoico: pesado.

Aceitemos de bom grado a nossa dose homeopática de “alegria extravagante”. É merecido, suadamente conquistado em meio a esse desatino que é viver, porque a vida é insana e, se é, só nos resta acompanhar o seu ritmo que, ainda bem, do jeito desvairadamente certo, cada um a seu modo, pode. Sejamos bobos, ou como quisermos, ao menos só às vezes, ao menos só um pouco, só para facilitar a coisa de ser feliz de um jeito simples.

1 compartilhamento
Inserida por ClaraFurtado