Naiana Brum: Ele lê Carpinejar, eu leio Vinicius de...

Ele lê Carpinejar, eu leio Vinicius de Moraes. Na verdade, ele nem é de ler. Lê quando não tem nada pra fazer e quer falar bonito no facebook, parafraseando, sonetando distante. Longe de ser o cara que eu sonho. Mas sonhar pra quê? Se eu viajo vendo ele falar sobre as teorias de Newton e questionar o cálculo da curva da parábola. E falar sobre a mecânica dos fluídos do equilíbrio estático estudado pela hidrostática. É bonito que só o jeito que ele fala. Quando fala, porque é de poucas palavras. E eu entendo, ou quase, porque ele é irritantemente mais inteligente. E eu nem sou de rasgar seda pra ninguém. Demorou um tempo pra eu admitir que ele é realmente tudo isso que eu to falando. E ele é. O rapaz tem 46 cromossomos sozinho. Ainda por cima trata bem a mãe, a avó e todas as mulheres da família dele. Minha mãe diz que homem assim dá bom marido. Mas não é príncipe encantado, não. Fala grosso, fala alto, olha feio, puxa pelo braço. Tem atitude, chama responsabilidade, admite quando erra (e erra muito). Coisa de homem em extinção. É o baixinho mais invocado que eu já conheci. Às vezes me dá medo, porque gente quieta demais é perigosa. Ele é fogo, e eu sou pólvora negra. A gente se explode. E não é de "pegar fogo" no sentido poético da coisa, é de tiro trocado mesmo. Toma lá dá cá. E ele do alto da sua serenidade, fica todo irritadinho quando eu falo com sarcasmo e cheia de mistério que tenho meus segredos também. Fala que no começo gostou do meu jeito discreta e séria; pra dentro, um pouco indiferente, com ar de quem apronta. Mas foi só no começo. Enquanto se mostrava, esqueceu que eu era igual. Um pouco menos, é verdade. Menos inteligente, menos cromossomos, menos homem, mas igual. E enquanto ele lida com a ideia, eu to em outra. Porque ele parece o homem perfeito, mas tem uma fraqueza. Todo mundo tem, eu sei. Mas eu descobri a dele. Me senti meio Dalila cortando o cabelo de Sansão.

1 compartilhamento
Inserida por naianabbrum