Gabriela Stacul: Estou aqui, mas poderia estar lá,...

Estou aqui, mas poderia estar lá, poderia ter sido eu. Eu a morder aquela maçã pela primeira vez, e pensar que tudo a minha volta mudaria, quando na verdade era apenas meus olhos, tudo estava no seu devido lugar, do jeito de sempre. Afinal, o que eu queria, quais respostas me bastaria. Não satisfeita com Adão sonhei com um príncipe, e na desilusão lá vou eu novamente da aquela mordida, só que dessa vez eu adormeceria, sem saber até quando. Embora surpreendida, despertada por um beijo de um sonhado cavalheiro não me vi isenta de perguntas, só me enchi de mais dúvidas. Talvez eu quisesse ser o que fui, ou só queria não ter sido aquela. Percebi que não importa quantas maçãs apareçam vai ser necessário provar do gosto. Mas que raio de destino é esse? Que me convida ao acaso e me desfaz pro meu descaso. Não quero ter meus olhos desnudos. Não quero uma pedra como um leito. Eu pago pelo meu atrevimento, mas não busco mais respostas, não quero mais clareza que o necessário. Depois de aprender que não preciso mudar tudo a minha volta, que basta mudar meu jeito de olhar, que apesar de não pertencer mais ao jardim do Éden eu posso trazer um pouco desse paraíso pra mim. Ao invés de viver a vida triste de uma princesa que se consagra no final, feliz pra sempre, eu posso encarar o mal e dizer não me toque, não me provoque. Não quero perder horas, dias, quem sabe meses ou ano esperando por um príncipe, vou vivendo plantando e fazendo gentilezas, e no dia que meu tão sonhado príncipe aparecer, que eu sei que um dia vai chegar, seja ele Adão, encantado ou só aquele namorado, eu estarei mais madura, mais pronta, e colhendo a colheita da sabedoria que plantei vendo muitas Cinderelas definhar. Eu não ouço nenhuma serpente, não me enveneno por madrastas, não me diminuo pelas minhas origens. Porque eu nasci divã, de qualquer época, de qualquer conto, de toda fantasia. Tenho medos que me limitam a destruição, mas não existe medo que me impeça de viver o que acredito. Foi graças a Eva e a Branca de Neve que não me fiz mulher de mordida, não quero pedaços, sou inteira como tudo que desejo pra mim, ainda mais se tratando de corpo e alma. E se preciso for, a gente planta maçã e colhe o fruto do amor.

1 compartilhamento
Inserida por GabrielaStacul