Miriam Mello: Um dia vamos ter o nosso cantinho. Vamos...

Um dia vamos ter o nosso cantinho. Vamos ter um colchão velho mas que dê pra deitar e comprar, óbvio. Não importa como vai ser, vai ser nosso cantinho. Vamos nos amar freneticamente sem ninguém para nos impedir. Eu vou fazer sua comida preferida e você vai sorrir. E eu vou me sentir sua, sua mulher. Essa palavra me traz arrepios de prazer. Vou te chamar de meu, meu homem ou meu bebê. Você vai ser meu bebê. Vou mimar você muito, até você perceber que eu amo você mais do que você imagina. Teremos filhos não sei quantos, não vou falar quero ter um, dois, três e etc. Desde que tenhamos filhos, não importa se for adotado. Desde que seja criado por nós. Desde que ele abra aquele sorriso e me pergunte: “Mãe, cadê o pai?”. E eu vou sentir orgulho. Sentir orgulho de mim mesma. Pela primeira vez vou me dar valor, tudo isso porque você, você vai me mostrar o amor. E não vai mais haver despedidas. Nós vamos viver entre tapas e beijos, ou beijos e alguns tapas. Depende eu sou arisca as vezes. Mordidinhas, charminhos bobos, e briguinhas bobas. Mas quando voltarmos; Ah! Vai ser de um jeito especial. Por que a gente é assim né? A gente adora se provocar, adora cuidar um do outro. Então você vai ver a foto de uma mulher e vai dizer: ”Como ela é gostosa”. Eu imediatamente irei fazer um biquinho, e ficarei distante. Você vai rir, me pegar no colo e dizer como fico linda quando estou brava e com ciúmes. E vai fazer cocegas em mim até eu não aguentar mais. Então você vai pegar nosso filho, e vai cuidar dele igual vai cuidar de mim. Ele ou ela, ou eles vão ser nossos bebê. Mas eu vou ser sua bebê também e você o meu. É pensando desse jeito… Sim, nós até poderíamos ter um futuro. Poderíamos acordar zangado um com o outro e depois você ia brigar comigo porque não preparei seu café ou porque eu não comprei o jornal. Você iria preferir café, e eu leite puro. Eu iria querer sucrilhos e você ia ficar toda hora pedindo um pouquinho. Depois eu iria tomar banho, e você iria atrás. Ficaríamos brincando no chuveiro e se abraçando sem parar. Sairíamos. Para trabalhar, ou apenas pra sair. E quando eu chegasse em casa eu ia arrumar tudo para quando você chegasse se orgulhasse de mim. Ficaria cantarolando e arrumando, quando eu terminasse iria tomar um banho colocar seu moletom, ou blusa ou algum casaco, tanto faz, desde que seja seu. Uma calça surrada e uma meia e ficaria no sofá, com cara de abandonada e jeito de carente. Quando você chegasse eu já taria até devorando uma panela pipoca enquanto chorava vendo Para sempre ao seu lado, ou Marley e eu. Você ia rir de mim e me daria um beijo suave e calmo. Perguntaria como foi meu dia eu diria tudo, e depois perguntaria como foi o seu, você iria se sentar no sofá enquanto falava e eu iria ir junto encostar minha cabeça no seu colo e ouvir sua voz que eu tanto amo. Depois mais tarde, quando eu terminasse de fazer o jantar e você o suco, iriamos tirar par ou impar pra ver quem lavaria a louça. Eu ia mandar você desligar as luzes da casa. Depois eu ia programar a TV para se desligar sozinha. Dormiríamos abraçados, como se o mundo dependesse daquele abraço… É poderíamos ser felizes juntos.

1 compartilhamento
Inserida por MiriamMello