Cecília Almeida: Não sei qual começo dar a este texto,...

Não sei qual começo dar a este texto, nada parece se encaixar, uma singela introdução poderia cair bem nestas linhas, mas me faltam as palavras certas para produzi-la. Mas, por favor, espere um minuto – ou um pouco mais –, eu preciso organizar os meus pensamentos. Tudo bem. Agora sim... Diga-me, você ainda está aí? Oh, sim. Fico feliz. Posso começar agora? Ótimo.
Quando o seu melhor está no silêncio, quando o vento fala por você, quando nenhuma palavra parece descrever, não com a intensidade precisa, aquilo que lhe passa. Quando a nevasca ocorre não lá fora, mas sim dentro de você. Quando você sente-se acolhido longe dos outros, quando se sente livre dentro do seu quarto, longe dos olhos alheios, quando as paredes são cúmplices de seus desabafos, quando só o escuro presencia a sua fraqueza... Quando anoitece, você vai dormir e só ali, no seu canto, você pode chorar. As lágrimas não caem, parecem congeladas dentro de você, você funga, de tão cansado você não consegue chorar. E então você dorme.
Quando seus amores enfraquecem, quando seus sonhos morrem, quando a chuva não cessa, quando o vento bate em sua janela na madrugada, você se refugia em seus próprios braços. Tudo parece distante, nada está ao seu alcance. Seus passos mecânicos são direcionados para frente porque você aprendeu a continuar, não importa os danos, as dores, os medos, os erros, você continua. E talvez, quem sabe, algum dia você possa sorrir outra vez. Mas sabemos nós dois que aquele sorriso jamais será o mesmo, tão tímido e acanhado, mal toma seus lábios, torto e desengonçado, escondendo histórias que jamais serão contadas, porque você é o grande mistério da vida.

1 compartilhamento
Inserida por cecilialispector