Vera Ribeiro Guedes: ra Uma Vez A Estrela do Natal Há muitos...

ra Uma Vez
A Estrela do Natal


Há muitos anos atrás... Em uma cidadezinha chamada Belém... Em noite sem lua... Quatro estrelas teimavam em reinar no céu.
Haviam ouvido dizer que nasceria um Menino-Deus, que traria a Salvação para o mundo; e que, uma estrela muito brilhante guiaria o povo até o lugar de Seu nascimento.
Das quatro, três brigavam entre si, para saber qual delas teria essa honra e então, sua história haveria de ser contada por todos, quando falassem no nascimento do Menino e essa estrela ficaria famosa.
Uma delas disse:
- Eu serei a estrela escolhida porque sou a maior de todas; porém, enquanto falava e revirava suas pontas, não viu que lá em baixo, um casal humilde atravessava o deserto.
A segunda estrela viu o casal, mas não deu importância e falou:
- Eu sou a mais brilhante e por isso serei a escolhida, e enquanto falava pensava: “Não vou desperdiçar meu brilho com um casal de mendigos”.
A terceira estrela, nem grande, nem pequena, também não muito brilhante, porém muito imponente retrucou:
- Lá em baixo seguem os pastores, vagando na escuridão, mas eu só vou iluminar o Menino importante, guardarei meu brilho para Ele, pois serei a escolhida.
Enquanto isso, em um cantinho do céu, uma estrelinha muito pequena, não conseguia ouvir o que as suas amigas falavam, porque estava muito ocupada tentando iluminar, sozinha, o caminho do pobre casal e dos pastores que por ali passavam.
Ela também gostaria de ser a estrela escolhida, mas não tinha essa pretensão. Era a menor dentre as estrelas do céu, por isso, contentava-se em ajudar os peregrinos, iluminando com seu pequeno brilho o caminho dos desconhecidos.
Foi quando, neste instante, três reis cruzaram o caminho e a única estrela que conseguiram enxergar era a pequena e solitária estrelinha, e, decidiram segui-la
Quando percebeu que seu pequeno brilho estava sendo de grande valia para aquelas pessoas pobres ou ricas, a estrelinha encheu-se de alegria e começou a inflar... inflar... inflar... até que explodiu em grandes e luminosos raios que cobriram todo o céu, até apontar para uma pequena manjedoura, onde aquele pobre casal que ela iluminou, deitava coberto em panos o seu Menino, rodeado pelos pastores que por ali também passaram.
Os reis conseguiram chegar até o Menino-Deus e a pequena estrela, a menor dentre todas, tornou-se grandiosa e, seu brilho foi reconhecido por toda a humanidade como sendo “A Estrela do Natal”.
Quanto às outras, que só se preocuparam com suas vaidades, continuaram no anonimato.

1 compartilhamento
Inserida por RivaAlmeida