Paulo Del Ribeiro: “Se você não está contente com...

“Se você não está contente com aquilo que você está vivendo, resolva-se então mudar, pois tudo na natureza está sempre em mudança. Mudar é transformar, deixar-se inventar, deixar-se levar pela inovação, é mudar o tom da música pra cima quando você pode cantá-la num tom mais alto. Mude tudo que vira rotina, aquilo que você já não agüenta mais. Mude de opinião se precisar mudar deste que ela tenha coerência, pois quem sabe ainda você pode aceitar e seguir aquele que te critica. Se o seu caminho está te levando sempre para o mesmo lugar, mude, invente um novo caminho pra ir e voltar. Mude a sua forma de agir e tratar as pessoas, se acha que está lhe faltando carisma, generosidade e saiba que mudando com quem você convive no seu dia a dia, estarás mudando tudo a seu redor, o que mudará também a captação das energias negativas que te rodeiam para uma energia bem mais positiva. Se precisar chorar chore, mas resolva mudar o mais rápido possível o seu choro para um sorriso.

Aquela cor que você julga ser a sua cor preferida experimente mudá-la, só pra variar e lhe dar um ar de mais integração com todas as cores das ruas, da vida, do mundo. Mude o tempero, quem sabe um pouquinho de algo mais picante, com gosto mais acentuado que vale a pena ser sentido. Desacelere, mude o seu ritmo na vida pra não chegar tão depressa ao fim. Dê uma chance pra si mesma e também pra quem lhe quer bem, pra quem diz que lhe ama, mudando quem sabe a maneira de tratar este alguém que muito te prezar, pois tudo a que somos indiferentes um dia com certeza podemos perder para sempre. Mude a maneira de ver a vida vendo-a por outro prisma e saiba que a lagarta que devasta e destrói aquela planta do seu jardim, a qual pode até queimar a sua mão, num certo momento se recolhe no seu casulo e se transforma em uma linda borboleta, pra depois voar e pousar as flores do mundo. Recolha então às vezes para dentro de si, abaixe o pano para o seu silêncio e se encolha dentro dele pra ouvir outras palavras.

Vivemos numa eterna travessia e se não ousarmos alcançar a outra margem da vida, acabaremos ficando sempre às margens do rio de nós mesmos. Então mude tudo onde você consiga ver alguma necessidade de mudança; mas quanto ao amor, não mude a sua forma de amar. Só mude a sua forma de amar se você não acredita mesmo que o amor exista e que você acredita piamente não conseguir encontrar alguém que possa dividi-lo com você pela vida afora.”

By Paulo Del Ribeiro
09/12/2013

1 compartilhamento
Inserida por PAULODELRIBEIRO