Allan Edpo Trajano: (Abismo da eternidade do ser.) Senhores...

(Abismo da eternidade do ser.)


Senhores do destino no intimo do ser, Libertados das próprias entranhas, mastigadas e cuspidas o seu fervor entorpecente e encantador.
Que com louver e sustentado e degustado.

Equilibrado-se As margens do abismo, do deserto da sua loucura, a entrada dos bosques sombrios da mente descrente fora o seu subconsciente, apenas valendo-se de se próprio.
Essa é a Razão hedonista, esmagadora, fragil e inútil
Vertentes descartaveis que alimentam o ser que se perde em ilusões satisfatórias.

Pobres olhares alheios ao sentido
Observando sem profunda grandeza
O lado inconveniente da moral a tempos morta,
Acorrentado sobre as farsas da prisão conhecida como realidade.

Permitir o progresso iluminado das sensações e emoções não sentidas
Guardadas nas lagrimas de mentiras obscuras, vivas que conseqüentemente trazem o favor da morte dos sentidos enquanto ainda se respira a demente e vazia decadência dessa podre forma de vida humana.!!

1 compartilhamento
Inserida por AllanEdpoTrajano