Marcelo Martins: COMO LUTAR POR UM DIREITO É TÃO...

COMO LUTAR POR UM DIREITO É TÃO DIFICIL

Tenho presenciado através de todas as mídias noticias de movimentos por melhores condições de trabalho de várias categorias de trabalhadores.

O que posso notar é que a uma dificuldade enorme de se conseguir as reivindicações que cada categoria quer e precisa para melhorar, mesmo que estas reivindicações sejam simples e por direito.

Há categorias que estão abandonadas quanto aos seus direitos mais básicos, seja na falta de condições de trabalho, seja na falta de remuneração digna por seu trabalho, seja no abandono de investimento e a falta de interesse que esta categoria se desenvolva.

Vou citar, por exemplo, no caso dos professores.

Qual é o problema que não se pode realmente conceder os direitos a que esta categoria tem por lei?
O que é tão complicado e difícil de ser feito para que esta categoria seja vista com outros olhos quando ela reivindica um direito tão básico para seus integrantes?
Qual o problema em lutar por uma melhora de qualidade e vida em sua profissão?
Por que lutar por direitos que são verdadeiros torna estas pessoas mal vistas e associadas a uma ideia de que querem simplesmente causar problemas?

Com a palavra as autoridades.
Que elas expliquem o porquê de tantas perguntas ficarem muitas vezes sem respostas. E quando estas perguntas são respondidas sempre há uma desculpa para a não solução deste problema.
Vejo desculpas das mais esfarrapadas e sem o menor consenso muitas vezes, sempre há desculpa de falta de recursos financeiros, sempre se associa a solução a outras questões que nada tem haver com a categoria, são criadas e inventadas as mais diversas formulas magicas para iludir e sempre postergar as reivindicações.

Muitas vezes é usado a coação e todo tipo de pressão psicológica para que a pessoa desista de suas reivindicações e usado para isso mecanismos que estas autoridades têm em suas mãos.

Se for um direito adquirido da categoria, o porquê destas reações destas autoridades?
Aonde esta a tão falada boa administração para a coletividade? Ou estas pessoas não fazem parte desta coletividade?

Não seria melhor, em vez de pressão, uma boa e justa negociação para a solução de um grave problema? De que adianta fechar os olhos para uma situação desta, se vemos que a cada dia, este profissional esta cada vez mais desiludido com sua profissão (não a profissão em si, mas como ela é vista e tratada), Como todos nós seja como sociedade organizada podemos cobrar um serviço de qualidade se nem o direito deste profissional é atendido.

Esta categoria não pede favores, pede simplesmente que seja valorizada e respeitada em seus direitos válidos perante a lei.

As "autoridades" não têm de ser boazinhas ou fazer favorzinhos não, não faz mais que a obrigação de respeitar e cumprir com seu trabalho corretamente, afinal é para isso que estão lá. Não se pode pensar de outra forma não! Nenhuma destas “autoridades” tem que ser confundidas como se fossem um amigo, um irmão, ou uma pessoa que esta fazendo um grande favor por sua coletividade, ela é simplesmente uma pessoa que tem que cumprir a lei e ver o que é melhor para dar uma vida melhor a seus cidadãos.

Os recursos são públicos e são eles que pagam estas melhorias não esta autoridade, jamais caia nesta conversa, não se deixe iludir. Que haja a tão propagada transparência nas atitudes, mas que de transparente não tem nada na verdade.

1 compartilhamento
Inserida por marcelo1960