Gabriel Novais: Ato dois Entramos no carro, éramos eu,...

Ato dois

Entramos no carro, éramos eu, minha mãe e minha vó, beirava seis da tarde, e a ave Maria chorava na rádio. Meus olhos caducavam com as luzes dos carros que andavam com dificuldade, tinha apenas alguns anos, uma década e um pouco mais, não tinha amigos, não sabia nada sobre células vegetais nem sobre morfologia das palavras, sabia inventar histórias e rabiscar em folhas brancas e tristes.

Trezentos e sessenta e dois dias se passaram, novamente no carro, éramos eu e meu pai, ninguém falava, não havia rádio. Segurava minha mochila, com algumas mudas de roupa e lápis coloridos, devagar íamos para a outra casa. Minha irmã e sua esposa me esperavam, aguardando minhas histórias inventadas do mês passado, sempre sorridentes e falantes, vestidas de amarelo e rosa.

Meu primeiro livro com mais de trezentas e cinquenta páginas, lido sem pedido da escola, sem incentivo da minha mãe, encontrado na biblioteca. Pelos cantos por mais de uma semana, sem trocar muitas palavras, sem sorrir muito, perdia a vontade de criar histórias. Não era mais tão fácil, agarrado nas regras e no papel. Aprendi sobre células vegetais e morfologia das palavras, ganhei também alguns amigos, e perdi os lápis coloridos.

1 compartilhamento
Inserida por DayaneccAssis