Erich Fromm

Cerca de 42 frases e pensamentos: Erich Fromm
Erich Fromm (1900-1980) foi um importante psicanalista e filósofo social alemão.

Interferir na vida dos outros nos alivia das nossas próprias dúvidas.

A principal tarefa do ser humano nesta vida é dar a luz a si mesmo.

Inserida por Galathea

Se eu sou o que tenho e perco o que tenho, quem eu sou, então?

O amor genuíno é uma expressão de produtividade e implica cuidado, respeito, responsabilidade- e conhecimento. Não é um "afeto", no sentido de ser afetado por alguém, mas um esfôrço ativo pelo crescimento e felicidade da pessoa amada, enraizado na própria capacidade de amar que alguém tem.

"A grande escolha de um homem e aquela em que ele se transcende é criar ou destruir, amar ou odiar."

⁠O homem moderno vive sob a ilusão de que sabe o que quer, quando na verdade ele deseja aquilo que se espera que ele queira.

Erich Fromm
O Medo à Liberdade. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1983.

O que há de comum entre o pensamento judaico-cristão e o pensamento zen-budista é a consciência de que preciso abdicar da minha 'vontade' (no sentido do meu desejo de forçar, dirigir, estrangular o mundo fora de mim e dentro de mim) a fim de ser completamente aberto, receptivo, desperto, vivo. Na terminologia de Zen chama-se a isto, frequentemente, de 'esvaziar-se' - o que não tem nenhum significado negativo, mas de receptividade para receber. Na terminologia cristã isto se denomina, amiúde, 'anular-se e aceitar a vontade de Deus' (...) [Mas numa interpretação paternalista da fé cristã, também muito explorada pelas tiranias laicas do século XX, que jogam com o nosso 'medo à liberdade' que Fromm estudou num de seus clássicos de psicanálise política] em lugar de tomar suas decisões, o homem as deixa a cargo de um pai onisciente e onipotente, que vela por ele e sabe o que lhe convém. Claro está que, nessa experiência, o homem não se torna aberto e receptivo, senão obediente e submisso. A obediência à vontade de Deus se processa melhor quando inexiste o conceito de Deus. Paradoxalmente, obedeço realmente à vontade de Deus quando dele me esqueço. O conceito do vazio Zen implica o verdadeiro significado da renúncia à própria vontade, sem, todavia, o perigo de regressar ao conceito idólatra de um pai ajudador.
Erich Fromm, "Psicanálise e Zen-Budismo"

A faculdade de pensar objetivamente é a razão; a atitude emocional por trás da razão é a da humildade. Ser objetivo, usar a razão, só é possível quando se consegue uma atitude de humildade, quando se emerge dos sonhos de onisciência e onipotência que se tem quando criança.

⁠O amor é um ato de fé, e todo aquele que tem pouca fé também tem pouco amor.

Erich Fromm
A Arte de Amar. São Paulo: Martins Fontes, 2015.

L'amore è un atto di fede e che ha poca fede avrà anche poco amore.

Erich Fromm amplia a definição de fé, transcendendo a usual conotação de crença religiosa, embora também englobe este sentido da expressão. Ele distingue entre fé racional e fé irracional. Aquela é fértil, produz bons frutos, é equilibrada e impulsiona o ser a encontrar o melhor caminho para si mesmo.

A fé irracional é agressiva e desvairada, mas não somente em relação à autoridade religiosa, e sim de uma forma mais ampla, referente a todo e qualquer poder estabelecido. O Homem, porém, não prescinde da fé; o que realmente importa é escolher que modalidade desta força o moverá, a racional ou a irracional, com a certeza de que fé e poder não convivem por muito tempo sem que esta seja negativamente afetada.

Muitas facções que não compartilham a experiência religiosa da Igreja institucional e alguns movimentos místicos da própria religião optaram pela prática do verdadeiro amor ao próximo, perceberam que o Homem tem em si o dom natural de amar e destacaram as semelhanças entre o Criador e sua criatura; estas correntes não hesitaram em exercitar a fé racional, aquela na qual Erich realmente acredita, a genuína religião humanista.

>>DISSE TUDO MANO<<

Inserida por taisfernandasacchi

O amor maduro diz: Preciso de ti porque te amo. O amor imaturo diz: Te amo porque preciso de ti.

Erich Fromm
A arte de amar (1956).

“Atualmente encontramos pessoas que
se comportam como autômatos, que não conhecem ou compreendem a si mesmas, e a única pessoa que conhecem é a pessoa que se espera que ela seja cujo palavreado, sem sentido, substitui a palavra que comunica cujo sorriso artificial substitui o sorriso original e cujo sentimento de monótono desespero tomou o lugar
da verdadeira dor.”

Pensamento Taoista e Socrático:
"Saber e contudo (pensar) que não sabemos é o
mais alto (objetivo) ; não saber (e contudo pensar) que sabemos é uma doença"

"Dissemos...que a base de nossa necessidade de amar reside na experiência da separação e na necessidade resultante de superar a ansiedade da separação pela experiência da união..."

Inserida por Acirdacruzcamargo

"O aspecto patriarcal faz-me amar a Deus como a um pai; imagino que Ele é justo e estrito, que pune e recompensa; e que poderá eleger-me seu filho favorito, como Deus elegeu Abraão-Israel, como nação favorita. No aspecto matriarcal da religião, amo a Deus como a uma mãe que tudo abraça. Tenho fé em seu amor; ela me há de amar, não importa que eu tenha pecado; não preferirá a mim a qualquer de seus outros filhos; aconteça o que acontecer, redimir-me-á, salvar-me-á, perdoar-me-á. Desnecessário é dizer que meu amor a Deus e o amor de Deus por mim não podem ser separados. Se Deus é um pai, ama-me como filho e amo-o como pai. Se Deus é mãe, o seu e o meu amor são determinados por esse fato."

Inserida por Acirdacruzcamargo

Morrer e comoventemente dificil , mas a ideia de ter que morrer sem ter vivido e insuportavel ..

Inserida por nayyara

“Se eu sou o que eu tenho, e se eu perder o que tenho, que sou eu depois?”

Inserida por alci_eugenia

"... Se sou o que tenho e perder minhas posses, então, quem sou eu...?"

Inserida por profeborto

⁠Somente na medida em que desativarmos o modo ter, quer dizer, não ser – isto é, parar de buscar a segurança e a identidade aferrando-nos ao que temos, "sentando em cima" do material, atendo-nos aos nossos egos e a nossas poses – é que pode emergir o modo ser.

Erich Fromm
Ter ou Ser. São Paulo: Editora LTC, 2008.
Inserida por MarcioAAC