Coleção pessoal de valdenirdelimaolivei

1 - 20 do total de 175 pensamentos na coleção de valdenirdelimaolivei

Rota De Colisão

Você é a visão mais certa
De tudo que continua errado
Eu percebo isso quando a minha mão você aperta,
É como se o destino fosse uma linha
E junto à você eu nascesse amarrado,

Você é a visão mais maluca
Que me deixa maluco também
Como quem caduca
E não sabe de fato o que vem
Preso nessa arapuca
De lucidez covarde que tem

Você é a visão mais cega
De tudo que não quer enxergar
É flor que não espera quem rega
Porque acha que a chuva
É quem pode molhar,
Sua visão nunca ver reta
É sempre perdida numa curva
Sua luta é me confrontar
Como se a estrada fosse sempre turva,
E visão nenhuma pudesse enxergar

Você é a ilusão perdida
Onde ninguém pode mais encontrar
É o olhar da despedida
Como se nunca mais fosse voltar
É casca da mesma ferida
E só quem guarda sabe e sente
É que sempre pode chorar.

Valdenir De Lima Oliveira

Efeitos Poéticos

Tá na hora da minha poesia
Começar dar nome aos boi
Poder tocar na sua valentia
E saber até que ponto mais ela dói,
Na mesma circunstância que a tua rebeldia
E no mesmo teor que ela corrói

Tá na hora da minha poesia
Começar dançar diferente
Nem tudo é só alegria
E nem sempre o que é bom
É o que te faz contente

Tá na hora da minha poesia
Tocar nas dores do mundo
Mexer na tua revelia
E naquele corte profundo
Pra depois ser anestesia
Que congela sua dor lá no fundo

Tá na hora da minha poesia
Pegar a estrada ir embora
Fazer versos pra Bia
Porque de amor ela ainda chora
Quando arrancaram a sua alegria
E no seu lugar há tristeza agora.

Valdenir De Lima Oliveira

A Minha Metáfora

Eu uso a minha metáfora
Pra gritar o que tá errado
Pelos olhos de quem chora
Com um suspiro quase berrado
Pelo atraso da hora
Nesse caminho cruzado,
E quando te disseram vão embora
Partiram sem olhar pro lado
Eu vi que chegou a minha hora
Quando os meus pés se viram atolado,
Mas eu vi que tu chegou agora
E alguém já te esperava de cá
Como se não houvesse demora
E uma força te arrastasse pra lá.

Valdenir De Lima Oliveira

A Minha Garganta

Quando a minha garganta
Gritar pelo teu nome
Vê se não se espanta
E escute também o meu coração,
Que têm sede e também têm fome
De sonhar como quem canta
E amar com paixão

Quando a minha garganta
Gritar pelo teu nome
Vê se não se espanta
E escute bem essa canção,
Que é feita por quem consome
De dançar como quem canta
A procura de emoção

Quando a minha garganta
Gritar pelo teu nome
Por favor vê se não se espanta
E escute bem a minha oração,
Que é feita por quem já some
De pecar como quem vai
À procura de perdão.

Valdenir De Lima Oliveira

O Jogo Da Serpente

Eu quero te esperar
É da próxima vez lá na frente
Quando a sua corrente quebrar
E tudo que é bicho
Também virar gente,
Que as vezes é preciso chorar
Pro sorriso nascer de repente
Então eu vou te contar
Pra saber o que a gente sente,
Quando somos deixados pra trás
É como se atirassem pra nos matar
E a mira não fosse tão rente
Apagando o rastro lá atrás
Pra nunca ninguém notar
Que a gente não vive contente,
Mas um dia eu ainda espero por paz
De quem veio só pra somar
Com atitudes coerente
E que a luta também é por amar
Pra acabar esse jogo de serpente
Que não te dão voz
E nunca te deixa voar.

Valdenir De Lima Oliveira

Enigma

Por que será que todo assassino um dia acaba virando evangélico?
E se Deus é a salvação para quem mata,
Qual será então a solução para quem morre?
Se quem mais conhece de dor é a família que perde e nem por isso mudam de religião,
Porque simplesmente acreditam num mesmo Deus,
Aquele que diz salvar a vida de quem tira,
Mas nunca quis trazer de volta a vida de quem vai.

Valdenir De Lima Oliveira

Engasgado

Mudar é pra ser diferente
E não pra continuar como estar
Um dia eu ainda mudo de lugar
E vou correr e te esperar lá na frente,
Como quem chega e quer ficar
Como quem sai e não quer partir
Um dia eu troquei a sorte pelo azar
E agora eu não sei mais pra onde ir,
Não sei se chegaram foi de repente
Ou foram as suas palavras que me fizeram iludir,
Eu só sei que eu vi tudo continuar
Menos a vontade de sorrir,
Engasgado é quem não diz o que sente
E quando a água já quer te afogar
O jeito mesmo é fugir.

Valdenir De Lima Oliveira

Ditadura

Eu fiquei preso na sua ditadura
Que na terra insistiu em voltar
Arrancando os olhos de qualquer criatura
Que a boca insistisse em falar,
Como se não houvesse ternura
E nunca aprendesse a amar,
Agora eu sobrevivo com a minha loucura
E já não dar mais pra alguém me calar

Eu não vejo mais flores no campo
Nem gente cantando alegre nos bares,
Na boca agora tem um grampo
Calando a voz desses rapazes,
Mas a minha voz não se cala
Enquanto nesse mundo
Ainda houver cartazes,
Onde possa colar
Calando a boca de quem me atrasa
Eu vou subir a rampa do morro
E olhar na cara desses capatazes,
Que apesar de tudo querem me esfolar vivo,
Como se eu tivesse medo
E fosse cair no choro

Eu não vejo mais você
Do mesmo jeito que eu via antes
Você atrasou o meu viver
Nessa terra de gigantes
Me obrigou a querer morrer
Com a sua tromba de elefante
Quis lutar e aparecer
Agora engula os seus desplante.

Valdenir De Lima Oliveira

A Minha Pressa

Eu tenho pressa pra sorrir
Pra sonhar
E sair por aí
Como faz a chuva
Que na terra insiste em cair,
Eu tenho tanta pressa
E pouca coisa faz sentido
Não tenho mais aquele olhar
Que no seu insistia em colidir

Eu tenho a pressa da multidão
E o medo absoluto
De uma escuridão
Que me faz não mais ser adulto
E viver apressado com medo
Desse dragão,
Que amar é pura invenção
De quem perdeu a lógica
E a razão,

Eu tenho pressa
E também devaneios
Que durante o dia me faz promessas
E a noite é só rodeios
E tanta coisa me interessa
E quase nada faz sentido
É como se a vida
Fosse uma quermesse
E viver fosse proibido.

Valdenir De Lima Oliveira

A Despedida

O que é feito da vida
O que é feito de nós dois
Somos um beco sem saida
Sem nenhum elo pra depois
Somos cartas sobre a mesma
Nessa explícita despedida
Que corrói e corrompem ainda
O que sobra do que viveu
Muita coisa que se finda
Muito sonho que morreu

O que é feito da vida
O que é feito de nós dois
Muita mágoa fez ferida
E agora o que vêm depois
Um choro exausto
Com sua partida
Como um susto
Ou uma dor maldita

Nesse dia muito som fez barulho
Até o sol foi mais quente
Não sei se era só paixão
Mas o amor tava à frente
Ele é quem abriu o portão
Quando tudo se acabou
Porque amar dá liberdade
E não sufoca o coração
Quando tudo ficou ausente
Ainda sobrava compaixão
Com os olhos cheios de verdade
Armados até o dente

O que é feito da vida
O que é feito de nós dois
Embriagado e iludido
É assim hoje, amanhã e depois.

Valdenir De Lima Oliveira

Era Uma Vez

Era uma vez um presente
Bem parecido com o passado
Ele tinha uma cara de gente
E hoje tem andado meio disfarçado,
Mostrando quem realmente é
E fazendo o que realmente quer
Colocando o seu futuro na frente
E o nosso pra quando Deus quiser

Era uma vez um fulano de tal
Que até ontem falava d'ocê
Ele preferia abraçar o Diabo
Do que um dia te deixar vencer
Mas foi o primeiro a entrar
E sentar na cadeira da frente
Como se a vida inteira fosse de lá
E pela gelosia escancarase
O que sente,
Fingindo-se de sujeito leal
Mas escorregadio do que quiabo
No fundo sujeito valente
Tipo bicho peçonhento
Nas águas do pantanal

Era uma vez uma multidão
Esperando o mínimo de respeito
Foi quando ressuscitou
A velha cadeira do dragão
Pra se receber faca no peito
E depois cara no chão,
Ditadura amarga voltou
E honestidade virou defeito
Pra qualquer um latagão
Que se comporta desse jeito

Era uma vez o que se partir
E poucas vezes o que se chorar
Mas você quis iludir
E a nossa confiança quebrar
Agora sem saber pra onde ir
Vejo tudo se acabar
Esperança é pra resistir
E um dia ainda mudo de lugar
Quero ver tudo emergir
E a sua falsidade delirar

Era uma vez
Uma mulher de sicrano
Que casou se com o filho de beltrano
Não souberam lhe dar com o engano
E agora querem mais do que precisam
Como se fosse ficar debaixo do pano
Se na cara da gente todo dia eles pisam
Mostrando o seu verdadeiro arcano
E a nós todos eles paralisam
Como se fossemos de ferro
E aguentasse entrar pelo cano

Era uma vez uma tal de união
Que ficou lá atrás na boca do Santo,
Todo dia ele acenava uma mão
E hoje qual não é o meu espanto
Vê que esse braço esconde uma mão
E pede que eu vá procurar outro canto,

Era uma vez uma tal de mudança
Que cheguei até acreditar nela
Olhei pro lado e vi bem quem balança,
E a pessoa que hoje estar aqui
Vejo que não é mais aquela
Hoje eu só vejo a lambança
Principalmente de quem não lutou
E hoje estar nela

Era uma vez uma tal de felicidade
Que já morreu no seu primeiro ano de idade,
Vejo que pra esse mal não têm remédio
Porque se fala a verdade
Te jogam de cima do prédio
É carma que não têm cura
Como um "boto" que alimenta seu tédio
Salva é a criatura
Que um dia nasceu teu parente
Atracado à sua cintura
E armado até o dente

Era uma vez uma pessoa
Que cantava a liberdade
Pra rei só faltava a coroa
E hoje eu só vejo banalidade
Uma espécie de proa
No olhar perdido da cidade

Era uma vez uma verdade
Convertida a seu interesse
Deu um chute na humanidade
E coisa séria virou quermesse
Aparece ai dignidade
Quero ver se você reconhece
Nós como membro ainda
Fazendo parte da sua trindade

Era uma vez um compromisso
Uma sede de justiça
Hoje eu e você se tornou um abismo,
Uma amostra da preguiça
Porque boa vontade foi se embora
E só restou o seu capricho
Não sei se é por prazer
Ou feitiço
Só sei que assim nos pede que chora
E eu já não sei o que fazer
Se eu fico ou vou embora
Ou deixo de viver

Era uma vez um parente
Um rio correndo bem devagar
Parecendo parado quase ausente
Mas eu sei muito bem
Onde ele queria chegar
Com sua cara de amargar
Fingindo-se de inocente
Como quem muda de lugar
Levando seus bichos também

Era uma vez uma decepção
Que contrariou o sonho da gente
Demos o nosso coração
E ele foi engolido pela serpente
Como quem abusa de paixão
E amanhã vomita
E esquece da gente.

Valdenir De Lima Oliveira
1 compartilhamento

O Trágico Destino De Um Menino

O sonho foi interrompido
No final daquela tarde
Quando o caminho da escola
De volta te trazia pra casa,
Na travessia
Daquele asfalto quente
Ele já meio apressado
Querendo chegar na frente,
Correu como quis correr
Brincou pela ultima vez
Porque destino não se pressente
Pode ser daqui um mês
Também pode ser de repente,
Mas inesperado foi aquele motor
Que veio maluco em sua direção,
Veloz e tão valente
Todo sonho ele abortor
Dilacerando o coração da gente
Como se arrancasse com a mão

Quando ele se foi
E aqui nos deixou
Aquela tarde se perdeu
Na saudade que restou
E no abraço que não deu,
Fim de tarde virou noite
Num instante escureceu
A sua lembrança era como açoite E ao lembrar daquela amizade
Água nos olhos se escorreu,
Foi enxorrada na cidade
Tudo que é sentimento cresceu
Ao lembrar da sua idade
A gente sempre se perguntava
Porque tão cedo você morreu
Se até ontem a gente brincava

Naquela tarde
Foram tantas as perguntas
E até hoje sem resposta
Sentimento que vem e invade
Como vendaval nas plantas
E um frio congelando as costas.

Valdenir De Lima Oliveira
1 compartilhamento

Aleteia

Serar que vai chover
E molhar os meus sapatos
Água pura de beber
Ou de lavar carrapatos,
Será minha sina
E a de tantos outros
Andar por aí engasgado
Com tantos ratos
Assim no poder

O que será de você?
O que será de nós todos?
Quando o sonho virar esgoto
E a nossa cara
Ser esfregada no lodo

Será que vamos obedecer
A tudo isso?
Ou caberá à nós resistir
Mas quem vai arriscar
Ou pagar pra ver
Com tantos gestos, tantos sinais
Os olhos há de nunca piscar
E sempre ficar atentos
Pro o que possa te acontecer
E quando te confiscar
Só vai te sobrar um lamento

Será que vamos pra frente?
Com tudo te arrastando pra trás
Alguns plantando a semente
E outros arrancando essa paz

O que será desse mundo
Dessa moda desumana
Que grita, corta e te joga no fundo
Cada dia da semana

É um masacre
Uma certa penitência
Que já não dar mais pra crê
E ainda nos pede obediência

O que será afinal
De tudo o que já conquistamos
Aquele amigo legal
E tudo mais que amamos

Será o fim de tudo isso
Ou será esse
O começo de todo fim?

Valdenir De Lima Oliveira
1 compartilhamento

Indiferença

Melhor do que ninguém
Você nunca deve ser
Porque se fosse melhor
Não estaria aqui
Entre eu e você,
Respirando o mesmo ar
E queimando no mesmo sol
Todo mundo é igual
Todo mundo é perfeito
Ser diferente é normal
E sua indiferença é defeito,
O sol quando brilha
Brilha pra todo mundo
Sem escolher
Ou preferir
Quem mais ele vai aquecer
E o chão colorir,
Nós somos do mesmo quintal
Da mesma força divina
Somos todos iguais
E cada um carrega a sua sina,
Somos da mesma matéria
E dobramos a mesma esquina
Indiferença é pura miséria
De quem não tem disciplina

Seja normal com você mesmo
E presta muita atenção
Em tudo ao seu redor
Você pode estar abrindo um esmo
Um imenso corredor
Dentro do seu coração,
Por onde passa tanto mau
Te arrastando pra solidão

Ninguém é melhor
Do que ninguém
Todo mundo é exatamente igual
Você é que acha o outro menor
Só por ele não ter o que você tem,
Mas um dia essa ilusão
Ainda cai por terra
E dentro do seu coração
Toda aquela indiferença
Já se encerra,
Como toda oração
Pra aquele que tem crença
E aquela chuva
Lá no pé da serra.

Valdenir De Lima Oliveira
1 compartilhamento

Cada Um De Nós

Cada um tem sua história
Pra contar
E seus motivos
Pra sorrir ou chorar,
Cada um sabe da dor
Onde sente
E seus motivos
Pra lutar
E seguir em frente

Cada um sabe a força que tem
E o medo preciso
Confuso que vem,
Cada um conhece o seu paraíso
E o teu sacrifício também
Cada olhar,
Cada gesto que vem
A se esconder tanta mágoa
Por um certo alguém

Cada um sabe guardar
O que sente
Escondendo o que não aguenta,
Sorrindo quando deve chorar
E tocando o seu barco pra frente

Cada um carrega uma certa ilusão
E pelo caminho alguma confusão
Porque caminhar nunca foi fácil,
Pra quem é perdido no mundo
Sozinho e sem direção

Cada um conhece
Tão pouco da vida
E quando o dia amanhece
Viver já é quase despedida.

Valdenir De Lima Oliveira

O Seu Jeito De Ser

O seu jeito
O seu riso
É perfeito,
As vezes é arisco
E tantas vezes corrosivos
Mas eu te quero mesmo assim
Porque eu gosto tanto de você
E amo até os seus defeitos

As vezes eu sinto
Que você é um vendaval
Mas se eu falo que não te amo
Estou mentindo,
E o que eu sinto por você
Nunca sentir igual
O seu jeito de ser
E achar tudo normal,
É meu jeito de crê
Que o amor é tão natural

Eu te quero
E te trago rosas vermelhas
Para enfeitar o seu dia
E provar que por ti eu venero,
Você me arrepia
Cantando pra mim
Aquela felicidade
Que tanto eu espero

No meu canto você está presente
No meu sol e sonho também
As vezes quando está ausente
A tua lembrança
Se faz tão constante,
É como se você
Estivesse distante
E ao mesmo tempo
Aqui entre a gente

O seu jeito de ser
O seu jeito de estar
É o que me faz viver
É o que me faz cantar,
É força que faz renascer
E razões que me leva a sonhar.

Valdenir De Lima Oliveira

A Sua Voz

Quando eu ouço a sua voz
É como se um relógio
Despertasse aqui dentro de mim,
Eu logo já fico atento
É como se o amor
Fosse um ser atroz
E todo ódio no mundo
Chegasse no fim,
Como se tua mão
Arrancasse essa dor
E teu colo me oferecesse acento

Quando eu ouço a sua voz
Alguma coisa
Dentro de mim estremece,
Eu já não sei me controlar
Eu já não sei o que acontece
Quando eu ouço a sua voz
O meu coração quer disparar
E ninguém mais ele obedece

Quando eu ouço a sua voz
Alguma coisa me atordoa
A tua alegria me alimenta
E eu não fico atoa,
Porque você é meu aconchego
E não é qualquer pessoa
Você é uma a paisagem
E os meus olhos quer contemplar
O seu corpo é uma lagoa
Onde o meu quer se afogar

Você é tudo de bom
De corpo, alma e coração
Não sei se tudo isso é um dom
Eu só sei que é mais que paixão,
E quando eu ouço a sua voz
É como se tocasse
Os sinos da emoção
E guardasse sem fim
Toda e qualquer ilusão,
Pois aqui dentro de mim
Parece um turbilhão
É tanta sensação
Que só insiste em dizer sim.

Valdenir De Lima Oliveira
1 compartilhamento

Felicidade

Felicidade é coisa rara
Daquelas que a gente
Quer segurar com as mãos
E nunca mais soltar,
A gente quer guardar no coração
E por aí andar
Com ela estampada na cara
Felicidade é uma pedra preciosa
Uma amiga meio delicada,
As vezes ela é ansiosa
E chega te dar cutucadas
Felicidade é água de rio
Que corre tranquila alegre e macia,
Felicidade nunca é vazia
Tem sempre mais alguém
A compartilhar dessa alegria,
Pois ela é sempre contagiante
E só ela faz melhor o seu dia
Pra você seguir adiante
E sair da nostalgia

Felicidade é bem querer
É luz divina no amanhecer
Felicidade é chuva no teto
É luz que faz
O nosso sonho crescer,
Só ela é quem refaz
De uma vez por completo
Um campo inteiro
Tão lindo a florescer.

Valdenir De Lima Oliveira

Eu Não Sou Tão Forte Assim

Alguém me ache por favor
E me liberta,
Não me deixe aqui
Não me acerta,
A quem já padece dessa dor
Eu tô em alerta

Você se foi
E não me levou
Isso me corrói
E me matou,
Por fora pareço de ferro
Mas por dentro
Eu sou como parede que desabou,
Quando você partiu
E sozinho aqui me deixou

Eu não sou tão forte assim
Sou mais frágil que porcelana
Não suporto ver o fim
Começando pela semana,
Tudo tinha que ser pra sempre
E se fosse pra um dia acabar
Que voltasse mais na frente,
Tudo que é bom dura pouco
E se eu pudesse
Eu guardava a semente,
Pra nunca mais passar o sufoco
De olhar pro lado e não ver mais
Quem a gente gosta
Do lado da gente

Eu não sou tão forte assim
De tudo eu sinto saudade
Saudade que não tem fim
E pra sentir já não tem idade,
Eu não sou tão forte assim
Não dá pra esconder essa verdade
Quando tudo parece que sim
O coração se descontrola
E os olhos já dizem que não,
É dor que não se tira
Com a vitrola
Nem tampouco com a mão,
Porque eu não sou tão forte assim
E ver tudo se acabando
Comigo acaba também
O sentimento vai se acumulando
E a saudade mais forte vêm
Por isso eu continuo buscando
E valorizando sempre o que tenho.

Valdenir De Lima Oliveira
1 compartilhamento

Visão De Um Mundo Melhor

Se os olhos enxergassem mais
E a boca falassem menos
O mundo não seria sem paz
E o seu coração tão pequeno,
E você não seria um rapaz
Tão cheio de ódio e veneno
E quando o sorriso é quem traz
E infeliz é quem olha
Eu vejo do que você é capaz
E assim como a água da chuva
O nosso sangue
Aqui também molha,
Todo sonho aqui se desfaz
E só Deus por ti aqui olha

Se os olhos enxergassem mais
E a boca falassem menos
O tempo até pararia pra nós dois
E não deixava ninguém para trás
Seguir sozinho depois,
Tantos acenos não seria em vão
Em busca de paz
Ou atrás de perdão

Se os homens não fossem valente
Talvez ainda existisse amor
Seríamos todos tratados
Como semelhante
E não nos causaria tanta dor,
Mas nem sempre é
O que a gente espera
Pois os olhos só vêem o que quer
E o coração tão certo é quem erra
Quando a boca fala demais
E os olhos de cego se faz

Se olhos enxergassem mais
E a boca falassem menos
Todos nós seríamos iguais
E os nossos dias tão belo e sereno,
Mas nem sempre é o que se quer
Pois tem sempre alguém
Querendo mais
Alguns cortando seu pé
Tentando roubar seu vintém.

Valdenir De Lima Oliveira
1 compartilhamento