Coleção pessoal de sidartamartins

1 - 20 do total de 27 pensamentos na coleção de sidartamartins

Do perambular e do acreditar

(à Pequetucha de minh’alma, Neide Marchioli)

Do perambular...

Eles vagaram pelas noites
Perambularam pelas ruas
Entraram e saíram
Sorriram e choraram
A cada encontro uma esperança
A cada esperança uma decepção
Foram tantos encontros
Mas tantos e quantos desencontros
Que já não mais sonhavam
Só perambulavam, e perambulavam...

Não mais acreditavam
Afinal, para quê?
Não mais sonhavam...
O acordar era um pesadelo
Uma noite mal dormida
Não mais buscavam
De nada lhes adiantava
Ao término do dia, no final da rua...
Ao cair da noite, inicio de madrugada...
Nada encontravam
Só perambulavam, e perambulavam...

Mais do igual...

Mais um ano, e nada de novo
Mais um verão, e nada de calor
Um novo outono, de árvores sem cores
Um novo inverno, mas um inverno cinza
Nada de branco...
E chega outra primavera
Mas uma primavera sem flores
Sem vida, sem cores

Dos sinais...

Mais um Natal...Igual?
Um novo ano...
Novinho em folha, com novas estações
Aqui e acolá os sinais...
Um novo verão, e um novo outono...
As árvores experimentavam um novo tempo
Pareciam se preparar para algo novo...
Para um novo inverno, pleno de cores
(Afinal o branco é o pai e mãe de todas as cores...)
Pareciam se deliciar, já, com uma nova primavera
Com um tempo sem contar o tempo...!?

Reconhecendo os sinais...

Um dia, outro dia...
E uma dança, e... outra dança
Os sinais, e uma esperança
Um passo, outro passo
Uma visão no meio de tantas visões
Uma mão estendida...
O convite para rodar
Não mais para perambular e perambular...
Para rodar juntos
Rostos colados, corações selados...

Mãos dadas...

De mãos dadas, desde então
Rodam pelos mais diversos salões
Rodam pelos mais diversos caminhos
As mãos não se soltam
Os corações não se separam
Todo Natal é Natal
Cada ano é sempre novo
Cada verão é mais quente
Cada outono fala de coisas novas
Cada inverno é aquecido
E cada primavera traz novas cores
E a vida se renova a cada estação
E o amor se propaga, desde então...

.......

POETA SIDARTA MARTINS
1 compartilhamento
Tags: amor inverno

Este texto é uma resposta à Rosmary Carlos, amiga de anos e anos, companheira
de realizações, hoje fonte de inspirações. Uma amizade é um tesouro indestrutível.
Ela postou este texto do F. Pessoa, e me pergunta se é verdade...
"O poeta é um fingidor, finge tão completamente, que chega a fingir que é dor, a dor que
deveras sente" . Respondo que talvez..


Ou, talvez...
O poeta, por ser poeta, seja adepto ao fingimento
Fingindo, até mesmo, ser poeta...
Fingindo a dor, fingindo a ausência, fingindo a alegria...
A alegria pela existência, a alegria pela presença
A alegria pela alegria, simplesmente...
Entretanto, há que se pensar
Quem o tempo todo finge, o tempo todo será
Será alegre, será presente, será dor, será amor
Será encontro, e desencontro, será paz e será guerra
Será pergunta e será resposta, será ida e será volta
Será partida e será chegada, será tudo e será nada
Compreensão e incompreensão, som e silêncio, ..
Será abraço e será saudade, descaso e amizade
Será fogo ardendo no peito, e calmaria à beira- mar
Será aconchego a dois, e será egoísmo depois...
E depois de tudo, será nada
Como uma música inacabada
À espera da melodia...
Será um renascer no dia a dia
E um morrer a cada noite, à espera da noite final
Talvez o poeta seja, mesmo, fingimento
E fingindo mundo afora, vida adentro
Consiga ser feliz, sendo infeliz
Consiga ser amor, em meio a tanto desamor
Consiga ser afeto, em meio a tantos desafetos
E consiga alegrar, embora sinta tristeza
Consiga ser a mão amiga, entre tantas mãos vazias
Afinal, ser poeta é ser único...
E únicos são os tantos e quantos papéis da vida
Da vida de um poeta.

...

Poeta e Linguista Sidarta da Silva Martins
1 compartilhamento
Tags: poeta alegria

Consciência Negra: Há o que comemorar?

Precisamos compreender que fomos educados dentro de uma cultura “branca”, onde a Escola é Branca, o Hospital é Branco, onde o Símbolo da Paz é Branco, onde Deus é Branco! Onde o termo “negrice” é aceito com a maior naturalidade, e o termo “denegrir” é usado em documentos oficiais...

Recentemente foi publicado um estudo intitulado "Mapa da Violência 2015", sobre a violência contra a mulher. Neste mapa destaca-se a acentuada diferença entre a agressão à mulher branca e à mulher negra, no Brasil.

Importante deixar claro que qualquer tipo de violência é abominável! Contra a mulher, contra a criança, contra qualquer Ser Humano, contra animais... Porém, há que se refletir sobre os resultados deste "Mapa da Violência 2015".

Quando pensamos na questão da Consciência Negra, somos, irremediavelmente, remetidos a um passado recente, quando nossos irmãos negros eram espancados até a morte, em praça pública, transformando o dia em feriado, para que todos pudessem assistir à maldade branca, à maldade dos senhores e serviçais desalmados, de ontem e de hoje, sem qualquer consciência sobre sua demência, sem qualquer consciência sobre o fato de que qualquer poder sem amor é loucura, é doença.

E quanto poder sem amor se espalha por este mundão de Deus! E quanta hipocrisia!

Por que não se fala sobre isso nas Escolas Ituanas e Brasileiras? Por que isso não está nos livros de história?

Continuo me perguntando se nas comemorações feitas em Itu, uma cidade aristocrática, de ontem e de hoje, haverá espaço para pedidos de desculpas pelas maldades em praça pública, ou para agradecimento aos verdadeiros construtores dos casarões, das igrejas, e das praças onde eram espancados.

Será que a dignidade, enfim, falará mais alto, e se curvará à verdade, reconhecendo um passado recente, que nos enche de vergonha?

Quando me vejo cristão e me compadeço com o sofrimento do Cristo, nosso exemplo maior, me pergunto se o sofrimento ao qual foram submetidos centenas de milhões de irmãos nossos, não só nas Américas, mas em todo o mundo - e continuam sofrendo, não é digno, também, de compadecimento e reconhecimento público.

Mas existem outros pontos a serem discutidos, a serem colocados “à prova de consciência”, antes de nos colocarmos a defender isso ou aquilo para os nossos irmãos negros.

Por exemplo: Você concordaria que sua filha, branca, se casasse com um negro? Você receberia sua neta, branca, com o parceiro negro, para posar em sua casa, almoçar à sua mesa, com a mesma disposição que a receberia se estivesse com um parceiro caucasiano? Você respeita seu genro negro? Seu chefe negro? Seu comandante negro? Seu médico negro? O policial negro? O pedreiro negro?

Quanta hipocrisia, meu amigo! Quanta hipocrisia!

Aliás, quantos de nós aceitam fazer consulta com um médico negro? Quantos de nós aceitam um professor negro? Quantos de nós aceitam que nossos filhos e filhas frequentem a casa de amiguinhos negros, e vice-versa?

Indo um pouco além: Em uma Sociedade com 51% de negros, quantos vereadores negros temos, prefeitos negros, deputados negros, senadores negros, promotores negros, professores negros, juízes negros?

Há muito que caminhar, ainda, e esta é a CONSCIÊNCIA QUE PRECISAMOS TER. Precisamos compreender que fomos educados dentro de uma cultura “branca”, onde a Escola é Branca, o Hospital é Branco, onde o Símbolo da Paz é Branco, onde Deus é Branco! Onde o termo “negrice” é aceito com a maior naturalidade, e o termo “denegrir” é usado em documentos oficiais...

Aliás, que tal levantarmos TODOS os termos pejorativos aos negros e pedirmos que sejam retirados dos dicionários de língua portuguesa?

Tenho a honra e a alegria de ter tido, em minha infância, inúmeros amigos negros, de ter recebido, em minha casa, na minha juventude, colegas negros de Ensino Básico e Médio, para estudarem comigo. Tenho a imensa honra de viajar, semanalmente, e trocar impressões, com uma gentil amiga negra, uma mulher de imenso valor, Educadora das mais destacadas. Não cito seu nome aqui, por não estar autorizado, mas ela sabe do respeito que tenho por ela e por todos nossos irmãos negros. Um beijo terno a você, doce amiga, onde quer que esteja agora.

Consciência, negra consciência!

Consciência!
Negra!
Consciência sobre um passado
Negro!
Um passado negro de negras ações
Negras atitudes de um branco com alma negra
Um negro passado!

Consciência!

O negro passado a limpo
O príncipe, negro
Com um passado limpo
Limpando a alma, lavando o espírito
Um príncipe, vários príncipes!
Guerreiros, heróis, crianças e velhos
Homens e mulheres, príncipes e heróis
Fantoches de um branco sem consciência

Consciência!

Consciência sobre a maldade
Consciência sobre o passado
- O passado, passado a limpo!

Feriado!

O passado em praça pública
Para assistir à maldade inconsciente
De um branco onisciente, de um branco insano
Agredindo ao negro
Em praça pública!
Agredindo ao negro de alma branca
Que lhe traz a consciência de sua alma negra
Negra nas intenções
Negra nas ações
Negra nas maldições
Maldições que hoje voltam
Vão e vem, em um vai-e-vem sem fim
Até que haja a consciência, plena!
E a aceitação...

Consciência!

Lavando a alma, trazendo a calma
A esta alma negra
Lavando um passado e construindo um futuro

Consciência!

Em uma só palavra, a ciência, conosco
Conosco o conhecimento, sobre nós mesmos
Sobre o que fomos e o que somos

Consciência, paz, amor
Com ciência!

Sidarta da Silva Martins
1 compartilhamento
Tags: consciência negra

Canção de um povo, de todo o povo brasileiro.

Já se faz tarde, uma nova manhã já está para raiar, preciso ir, preciso me preparar.
Preciso me alimentar de alegria, preciso me encher de folia, preciso cantar este novo dia.
Já se faz tarde, preciso ir, preciso cantar, embora que tardia, a canção de um novo dia.

Dia 15! Eu vou pra rua! Vou retomar minha cidade.
Eu vou pra rua dia 15! Vou mesmo! Vou cantar a liberdade
Vou me encher de Democracia, vou expressar minha alegria
Alegria por não ser igual a eles, por não concordar com eles
Vou para a rua! Dia 15! Vou para o centro da cidade, me encher de felicidade
Vou dizer bem alto que não concordo, que não concordo com o Brasil deles
O Brasil é dos brasileiros, de todos os brasileiros!
O Brasil não é de um grupelho! Não é de uma quadrilha!
E não quer ser governado por corruptos incompetentes!
O Brasil é dos brasileiros! De todos os brasileiros!
Não de pessoas sem eira nem beira, absolutamente alienadas
Sem noção de tempo e espaço, de certo e errado
Vou me perder na grande, na média, e na pequena cidade
Vou me esbaldar de Liberdade!
Vou cantar e dançar a Liberdade!
Dia 15! Vou pra rua! Vou para a desforra, vou para o desagravo
Vou lavar minha alma, vou alegrar meu coração
Vou caminhar e cantar a canção do poeta, a canção da Liberdade!
Vou cantar a canção de todo cidadão
A canção de nossa cidade, de todas as nossas cidades
Dia 15 vou pra rua! Vou tomar conta de cada rua de minha cidade
E de todas as ruas
Vou expressar meu “NÃO CONCORDO!” cantando e dançando
Vou mostrar a eles que “Conhecimento” não é igual a “Burguesia”
Eles são os pequenos, muito pequenos, burgueses
O Povo tem o Conhecimento! Sim senhor!
Tem conhecimento de seus direitos, de seus mais elementares direitos
Tem conhecimento do direito de ir e vir, do direito à Segurança
O povo sabe o que é direito à Saúde, à Educação, à Locomoção, à Alimentação
O povo sabe, e muito bem, algo que eles não sabem, distinguir certo de errado
O Povo sabe, e muito bem, de seu direito de ter esperança!
Eles não têm a mínima noção da diferença...
Não sabem distinguir administração de corrupção
São burgueses retrógrados, com ideias retrógradas!
Acreditando que podem fazer de nosso Brasil, deste imenso país
Um país retrógrado! Um país da Idade Média
NÃO PODEM!
Eu vou pra rua dia 15! Eu vou cantar, vou dançar, vou falar
Vou falar aos quatro ventos que NÃO CONCORDO!
Vou pedir para que nos deixem em PAZ
Para que se retirem em PAZ
E para que nos deixem construir o PAÍS DE NOSSOS SONHOS
O país de nossos filhos, o pais de todos nós, o país da LIBERDADE!
Vou pra rua dia 15! Vou mesmo!
Vou pedir para que nos devolvam, imediatamente, o nosso país
Aquele país de Caminha, de Anchieta, de Tiradentes, de Rui Barbosa
De Tancredo, de Ermírio, de Senna...
Dia 15! Vou pra rua!
Vou colocar o violão debaixo do braço e vou pra rua
Vou cantar a LIBERDADE!
...

Poeta e pensador Sidarta da Silva Martins
1 compartilhamento

Mulher: Uma (urgente) mudança de paradigmas.


“Hoje, dia 25 de Fevereiro, em apenas UM DIA, serão agredidas, espancadas, estupradas, E MORTAS, 550 MULHERES BRASILEIRAS!”

Este texto é dedicado a todas as mulheres que passaram por minha vida e, de uma forma ou de outra, me ajudaram a ter uma melhor visão sobre a graça e a beleza feminina, e a importância da mulher na construção de um mundo melhor, mais fraterno, mais acolhedor.

Todas as mulheres do Planeta deveriam ter acesso à leitura, estudo e debates sobre as ideias de Simone de Beauvoir, discutidas no livro “O SEGUNDO SEXO”. A internet está repleta de informações sobre este livro.

É fundamental que as mulheres percebam o quanto são usadas, enganadas, e, principalmente, levadas a pensar que são seres inferiores, atendendo ao interesse machista, que impera no mundo todo, com destaque para o Brasil.

AS MULHERES SÃO SUPERIORES!

São mais cordatas, são mais compreensivas, companheiras, amigas, dóceis, atenciosas, estudiosas, e, muito importante, são muito mais organizadas e centradas que os homens. Quando fazem um trabalho não deixam rebarbas, o fazem por completo.

Isso deixa os homens absolutamente raivosos. Só que não demonstram, ao invés disso perseguem as mulheres em casa, no trabalho, no transito. Fazem piadas maldosas, fazem insinuações maldosas, não raras vezes se utilizando do cargo que ocupam, e por aí vai.

E o mais triste de tudo, não dão a menor satisfação, agem como se nada tivesse acontecido.

Infelizmente muitas mulheres ainda aceitam a “cultura do machismo” e educam suas filhas dentro desta visão cultural, educam suas filhas para serem “dondocas”, para serem dependentes do homem, ou vão para o extremo, e educam suas filhas para serem “donas de casa”, ou seja, serviçais, o que é mais comum.

Porém a vida real é outra, e muitas vezes cruel. É preciso mudar! E urgentemente.

Em um momento da vida, já adultas, a Simone e sua irmã, que viviam dentro de uma cultura francesa totalmente machista, vão à mãe e pedem para que ela não interfira mais em suas vidas, para que conviva com elas como amiga e orientadora, não como determinadora do que fazer ou deixar de fazer. Explicam de forma educada, mas firme, que querem ter suas descobertas, seus tombos e levantares, para que possam aprender a viver como mulheres dignas. Pedem, inclusive, que sua mãe deixe de abrir suas cartas (hoje e.mails e facebooks).

A felicidade da mulher está no conhecimento, nas descobertas, no crescimento interior, nas realizações como participantes de uma Sociedade em ebulição, em constante transformação. A felicidade da mulher está no cair e no levantar, cada vez mais determinada e digna, está na imersão neste mundo novo que surge, na alegria de ver nascer um novo dia em suas vidas, na descoberta de um assunto novo, na descoberta de novos caminhos...

A felicidade da mulher não depende do homem, não está nas mãos dos homens, e de quem quer que seja. Isso é uma ilusão muito grande, construída pelo machismo reinante que diz que a mulher não dirige bem, que não fala outra língua, que não se vira sozinha, que não administra bem os negócios, que a mulher é confusa.

Confusos somos nós, os homens! O exemplo está na bagunça que está o Planeta Terra, que ficou nas mãos machistas por milhões de anos.

As mulheres confusas, em sua maioria, tem um homem que fica interferindo em suas vidas, e dizendo o que devem ou não fazer. Na administração de nosso país temos um exemplo vivo disso.

A felicidade da mulher depende, única, e exclusivamente, dela, das escolhas que faz, dos caminhos que escolhe seguir, da aceitação, ou não, do machismo reinante.

Quanto mais cresce nesta visão, melhores companheiros ou companheiras conquista, e se faz respeitar, com orgulho de SER MULHER, a cada dia, e em todos os dias, o orgulho de SER MULHER.

Claro, e isso é importante ressaltar, a felicidade de cada um de nós depende, única e exclusivamente, de cada um de nós. Não há que se culpar este ou aquele. Nós fazemos nossas escolhas. Nada a lamentar, nada a lamuriar, somente a aceitar.

E a mulher precisa, ou melhor, pode (vejam como o machismo se apresenta a todo instante), aprender a fazer escolhas pela felicidade interior, que irá refletir na felicidade exterior, na educação correta dos filhos, e das filhas, na convivência harmônica com o companheiro ou companheira de jornada, na vivência plena de acordo com o momento histórico que vivemos.

A felicidade da mulher NÃO depende do homem. Há que se mudar esta ideia estapafúrdia, enganosa e enganadora.

A felicidade tem que ser uma troca constante, onde, tanto os homens, quanto as mulheres, ganham. Tem que ser jogo de “ganha/ganha”, onde todos saem felizes, sempre!

Eu fui convidado, em meus tempos de USP, e depois, mais tarde, em um Curso de Tradutor, em São Paulo, a expressar por escrito minhas ideias sobre a mulher, já que vão "de encontro" à visão arcaica que se manteve até hoje.

Tenho escrito poesias, textos, e tenho aceito convites para uma palestra intitulada “Só para mulheres”, o que tem me proporcionado um bonito retorno e muita alegria. Entretanto nunca havia compreendido bem o tema até notar que agora a mulher tem sido muito mais agredida e enganada que no passado. As agressões, em sua maioria, são veladas, evitando hematomas, como fazem os torturadores de todos os tempos.

Agora compreendo melhor. Demorou mas aqui estamos.

Acredito que esta contribuição fará com que se acenda uma luz, e que esta luz possa levar à reflexão e ao debate sobre este assunto. Não só por parte de órgãos públicos, eu não acredito neles, mas, e principalmente, por parte das mulheres. Que estas formem grupos de discussão em casa, nas escolas, nos teatros, nos grupos de bate-papo, nos faces da vida, e discutam esse assunto à exaustão.

Hoje, dia 25 de Fevereiro, em apenas UM DIA, serão agredidas, espancadas, estupradas, E MORTAS, 550 MULHERES BRASILEIRAS!

Que país é este?

Não computo aqui as sacanagens e jogo emocional, o machismo, o engodo, e a sacanagem da superioridade masculina, tentando fazer parecer que “sem o homem a mulher não sobrevive”.

Sobrevive, e muito bem!

Aliás, sobrevivem bem melhor, pois deixam de ser bloqueadas em suas buscas, em suas conquistas, em seus sonhos, em suas realizações, pela interferência de seres incompetentes que não admitem a pequenez de visão, a pequenez da vida que levam.

HÁ QUE SE PARAR ISSO! HÁ QUE SE MUDAR A HISTÓRIA.

....

Poeta e Escritor Sidarta da Silva Martins
1 compartilhamento
Tags: mulher vida

Mulher: Uma (urgente) mudança de paradigmas.


“Hoje, dia 25 de Fevereiro, em apenas UM DIA, serão agredidas, espancadas, estupradas, E MORTAS, 550 MULHERES BRASILEIRAS!”

Este texto é dedicado a todas as mulheres que passaram por minha vida e, de uma forma ou de outra, me ajudaram a ter uma melhor visão sobre a graça e a beleza feminina, e a importância da mulher na construção de um mundo melhor, mais fraterno, mais acolhedor.

Todas as mulheres do Planeta deveriam ter acesso à leitura, estudo e debates sobre as ideias de Simone de Beauvoir, discutidas no livro “O SEGUNDO SEXO”. A internet está repleta de informações sobre este livro.

É fundamental que as mulheres percebam o quanto são usadas, enganadas, e, principalmente, levadas a pensar que são seres inferiores, atendendo ao interesse machista, que impera no mundo todo, com destaque para o Brasil.

AS MULHERES SÃO SUPERIORES!

São mais cordatas, são mais compreensivas, companheiras, amigas, dóceis, atenciosas, estudiosas, e, muito importante, são muito mais organizadas e centradas que os homens. Quando fazem um trabalho não deixam rebarbas, o fazem por completo.

Isso deixa os homens absolutamente raivosos. Só que não demonstram, ao invés disso perseguem as mulheres em casa, no trabalho, no transito. Fazem piadas maldosas, fazem insinuações maldosas, não raras vezes se utilizando do cargo que ocupam, e por aí vai.

E o mais triste de tudo, não dão a menor satisfação, agem como se nada tivesse acontecido.

Infelizmente muitas mulheres ainda aceitam a “cultura do machismo” e educam suas filhas dentro desta visão cultural, educam suas filhas para serem “dondocas”, para serem dependentes do homem, ou vão para o extremo, e educam suas filhas para serem “donas de casa”, ou seja, serviçais, o que é mais comum.

Porém a vida real é outra, e muitas vezes cruel. É preciso mudar! E urgentemente.

Em um momento da vida, já adultas, a Simone e sua irmã, que viviam dentro de uma cultura francesa totalmente machista, vão à mãe e pedem para que ela não interfira mais em suas vidas, para que conviva com elas como amiga e orientadora, não como determinadora do que fazer ou deixar de fazer. Explicam de forma educada, mas firme, que querem ter suas descobertas, seus tombos e levantares, para que possam aprender a viver como mulheres dignas. Pedem, inclusive, que sua mãe deixe de abrir suas cartas (hoje e.mails e facebooks).

A felicidade da mulher está no conhecimento, nas descobertas, no crescimento interior, nas realizações como participantes de uma Sociedade em ebulição, em constante transformação. A felicidade da mulher está no cair e no levantar, cada vez mais determinada e digna, está na imersão neste mundo novo que surge, na alegria de ver nascer um novo dia em suas vidas, na descoberta de um assunto novo, na descoberta de novos caminhos...

A felicidade da mulher não depende do homem, não está nas mãos dos homens, e de quem quer que seja. Isso é uma ilusão muito grande, construída pelo machismo reinante que diz que a mulher não dirige bem, que não fala outra língua, que não se vira sozinha, que não administra bem os negócios, que a mulher é confusa.

Confusos somos nós, os homens! O exemplo está na bagunça que está o Planeta Terra, que ficou nas mãos machistas por milhões de anos.

As mulheres confusas, em sua maioria, tem um homem que fica interferindo em suas vidas, e dizendo o que devem ou não fazer. Na administração de nosso país temos um exemplo vivo disso.

A felicidade da mulher depende, única, e exclusivamente, dela, das escolhas que faz, dos caminhos que escolhe seguir, da aceitação, ou não, do machismo reinante.

Quanto mais cresce nesta visão, melhores companheiros ou companheiras conquista, e se faz respeitar, com orgulho de SER MULHER, a cada dia, e em todos os dias, o orgulho de SER MULHER.

Claro, e isso é importante ressaltar, a felicidade de cada um de nós depende, única e exclusivamente, de cada um de nós. Não há que se culpar este ou aquele. Nós fazemos nossas escolhas. Nada a lamentar, nada a lamuriar, somente a aceitar.

E a mulher precisa, ou melhor, pode (vejam como o machismo se apresenta a todo instante), aprender a fazer escolhas pela felicidade interior, que irá refletir na felicidade exterior, na educação correta dos filhos, e das filhas, na convivência harmônica com o companheiro ou companheira de jornada, na vivência plena de acordo com o momento histórico que vivemos.

A felicidade da mulher NÃO depende do homem. Há que se mudar esta ideia estapafúrdia, enganosa e enganadora.

A felicidade tem que ser uma troca constante, onde, tanto os homens, quanto as mulheres, ganham. Tem que ser jogo de “ganha/ganha”, onde todos saem felizes, sempre!

Eu fui convidado, em meus tempos de USP, e depois, mais tarde, em um Curso de Tradutor, em São Paulo, a expressar por escrito minhas ideias sobre a mulher, já que vão "de encontro" à visão arcaica que se manteve até hoje.

Tenho escrito poesias, textos, e tenho aceito convites para uma palestra intitulada “Só para mulheres”, o que tem me proporcionado um bonito retorno e muita alegria. Entretanto nunca havia compreendido bem o tema até notar que agora a mulher tem sido muito mais agredida e enganada que no passado. As agressões, em sua maioria, são veladas, evitando hematomas, como fazem os torturadores de todos os tempos.

Agora compreendo melhor. Demorou mas aqui estamos.

Acredito que esta contribuição fará com que se acenda uma luz, e que esta luz possa levar à reflexão e ao debate sobre este assunto. Não só por parte de órgãos públicos, eu não acredito neles, mas, e principalmente, por parte das mulheres. Que estas formem grupos de discussão em casa, nas escolas, nos teatros, nos grupos de bate-papo, nos faces da vida, e discutam esse assunto à exaustão.

Hoje, dia 25 de Fevereiro, em apenas UM DIA, serão agredidas, espancadas, estupradas, E MORTAS, 550 MULHERES BRASILEIRAS!

Que país é este?

Não computo aqui as sacanagens e jogo emocional, o machismo, o engodo, e a sacanagem da superioridade masculina, tentando fazer parecer que “sem o homem a mulher não sobrevive”.

Sobrevive, e muito bem!

Aliás, sobrevivem bem melhor, pois deixam de ser bloqueadas em suas buscas, em suas conquistas, em seus sonhos, em suas realizações, pela interferência de seres incompetentes que não admitem a pequenez de visão, a pequenez da vida que levam.

HÁ QUE SE PARAR ISSO! HÁ QUE SE MUDAR A HISTÓRIA.

....

Poeta e Escritor Sidarta da Silva Martins
1 compartilhamento
Tags: mulher vida

Encontros e desencontros de verão.

Existem pessoas encantadoras que gostaríamos
de ter encotrado pelo mundo afora, pela vida adentro,
e ter sentido seu perfume, e ter sentido seu calor, e ter
sentido seu abraço...Mas nos desencontramos.
A Dona Agueda Byondo Marchioli é uma dessas pessoas.

Desencontramo-nos!
Puxa! Que pena.
Gostaria de tê-la encontrado
Mas, por essas surpresas da vida, nos desencontramos...
Nosso tempo estava contado errado
Nosso relógio estava em horário de verão
E nos desencontramos...
Foi por pouco, muito pouco
Tudo estava preparado, mas nos desencontramos
Mas encontrei, à minha espera, as flores
Aquelas flores perfumadas, encantadoras
Que ficaram reservadas para mim
Em um vaso todo especial
Delicadamente arranjadas e muito bem distribuídas
E tenho me deliciado com seu perfume
E tenho me esbaldado com sua graça
E tenho dançado a dança das flores...
Obrigado!
Não nos encontramos
Mas encontrei seus frutos
E encontrei-me com as belas sementes
Que nos dizem, a todos nós, de sua passagem por aqui
Preservarão tão encantadora presença
Nos dirão do encanto que trouxe ao nosso coração
Não a encontrei!
Mas a cada dia, a cada semana, a cada mês
A cada nascer de um novo dia
A cada raiar de aurora
Encontro-me om as flores perfumadas que deixou para mim
E me delicio com seu perfume...
A cada novo dia, e em todos os dias de minha existência
Desencontramo-nos, que pena!
Mas vive e convive comigo
Bem guardadinha em meu coração.
Afinal, a vida é assim, não é mesmo?
São os encontros e desencontros de verão.

........

Poeta e Linguista Sidarta da Silva Martins
1 compartilhamento
Tags: agueda byondo

Avô Avelino

(Uma homenagem ao Seo Avelino, um avozinho charmoso)


Eu estou fascinado
Encantado eu estou
Eu estou encantado
Com o homem que é meu avô

É um velhinho charmoso
Arrumadinho e cheiroso
Gosta muito de TV e adora ouvir um rádio
Não dispensa um chocolate e devora pão com ovo

Eu estou fascinado
Encantado eu estou
Eu estou encantado
Com o homem que é meu avô

Ele ama minha avó
Para ele, ela é tudo
Mesmo depois que ela partiu
Sempre e sempre a amou

Eu estou fascinado
Encantado eu estou
Eu estou encantado
Com o homem que é meu avô

Trabalhou a vida toda
Ele sempre trabalhou
Educou todos os filhos
Com suor e muito amor

Eu estou fascinado
Encantado eu estou
Eu estou encantado
Com o homem que é meu avô

- Ele é o pai do meu pai
- E da minha mãe também
- Quero ele só prá mim
- Não dou ele prá ninguém

Eu estou fascinado...

Poeta e escritor Sidarta da Silva Martins
1 compartilhamento

Pais:Do amor e do desamor....

Antes de começar este texto alerto que, como poeta, tenho, também, liberdade poética, o que quer dizer que escrevo o que percebo, não o que acho sobre isso ou aquilo. O pessoal, mesmo misturando-se com o geral, não o suplanta. Um texto poético é, sempre, um convite à reflexão.

Achei interessante este texto da figura que copiei por constatar que foi "curtido" por centenas de milhares de pessoas e comentado por dezenas de milhares... Isso demonstra ser um “problema” recorrente, o que justifica nos debruçarmos sobre ele.

Em nossa Sociedade Capitalista ( O Brasil é o país mais capitalista do mundo! ) nos esquecemos do principal para viver o que "fica bem na foto'. Lembro-me das tantas e quantas vezes em que visitava minha mãe no meio da noite, em silêncio, para ver se estava tudo bem...As vezes ficava alí "um tempão", olhando para ela e agradecendo...E recordo outras em que interrompia o que estava fazendo e ficava até duas horas ou mais ouvindo atentamente suas histórias, sem interrompê-la - Em uma dessas oportunidades nasceu "MEIGUICE", que me rendeu alguns bonitos prêmios de poesia ( reproduzo abaixo).

Hoje, ainda, sinto enorme prazer em visitar amigos antigos, tomar um café juntos, falar de coisas passadas e presentes, e trocar abraços afetuosos, que deixam o sabor de "quero mais".

Tenho imensa alegria em acordar na casa de meu sogro, um jovem senhor de 87 anos, e cumprimentá-lo, abraçá-lo, conversar com ele, falar de qualquer coisa e de tudo um pouco. Aprendo muito, posso garantir.

Para aqueles que acham que os pais não precisam de apoio, de uma conversa, de um afago, de um passeio com os netos, digo que estão enganados...Mas os filhos precisam disso muito mais, embora não o percebam, ou não admitam...

Para aqueles que acham que não tem tempo, digo que o tempo não é dos pais, mas dos filhos!

A vida é uma quimera, a vida é curtíssima, não podemos perder um minuto sequer em querelas, em coisas vãs, há que se ter discernimento, fazer o constante diálogo entre a razão e o coração, entre a fantasia e a realidade...Sem isso não há como sermos felizes.

Nada, absolutamente nada, substitui uma visita aos pais, um passeio com eles, uma cantoria, uma conversa descontraída. Não há, neste mundo, presentes físicos que possam substituir isso. É a construção de nossas vidas, e de nosso futuro, e do futuro de nossos filhos.

Infelizmente, como disse no começo, o Capitalismo desenfreado tomou conta dos corações, e ganhou o espaço que deveria ser ocupado pelos sentimentos nobres, pelas emoções.

Sou muito feliz por expressar meu amor por todos, pais, filhos, netas, amigos, amigas, minha esposa...

Sou careta? Não tem problema! Sou muito feliz por isso.

Desta forma não deixo dúvidas, nunca, sobre o amor que vai em meu coração e que me orgulho de ter por todos.

Nascemos para amar, portanto o amor não tem data e não tem preço! E a falta dele não tem justificativa, jamais.


MEIGUICE ((Poesia dedicada à Doce Sebastiana, minha mãe)

(Sidarta da Silva Martins)


Olhando para ela, e por ela,
Olho com atenção um outro lado
Um outro lado que ela traz atrás do olhar.
Uma vida, uma aventura, uma ternura
E consigo ver, ver e compreender tudo isso
Ver e calar, para poder me aprofundar
Na percepção deste outro lado
Um lado que não é dito, é percebido.
Um lado que conta histórias da vida, de toda uma vida
De uma vida encantadora.

Olhar, ver e calar, para poder perceber
E percebendo, encantar-me com a história humana
Um história permeada de aventuras e desventuras
Uma história construída pelos mais estranhos caminhos
De uma existência finita, que nos torna infinitos
Uma história de conquistas e perdas,
De conquistas e perdas que são ganhos.
Tudo ali, atrás daquele olhar
Um olhar que nos fala à alma,
Nos fala das noites e dos dias
De vigília, de esperança, de tormento e de bonança.

Mãe,
Olhando através de seu olhar, volto no tempo
E não posso deixar de ser criança.

Poeta e Escritor Sidarta da Silva Martins
1 compartilhamento

Uma Carta à Aline: Reflexão sobre valores

“Sonhar
Mais um sonho impossível
Lutar
Quando é fácil ceder
Vencer
O inimigo invencível
Negar
Quando a regra é vender
Sofrer
A tortura implacável
Romper
A incabível prisão” (Chico Buarque)


Cara Aline, Você postou minha foto em um dos eventos da nossa querida Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro. Não sabe a alegria que toca minha alma ao recordar um momento tão sublime, tão encantador que, ao mesmo tempo nos eleva e nos une como humanos.

Porém, ao mesmo tempo em que me enche a alma de felicidade, me provoca no espírito uma imensidão de questionamentos, me levando a uma reflexão sobre tudo isso, com ênfase sobre os valores escolhidos pela Humanidade.

Será, doce amiga de minha alma, que é isso que o Mundo deseja?

Será que esses valores que temos perseguido desde sempre, como amizade, bondade, gratidão, trabalho honesto, melhoria na qualidade da arte e da educação à nossa volta (melhorando, assim, a qualidade do Ser Humano), melhoria nas relações sociais, melhoria na administração pública, reflexo direto da melhoria na Educação, são de fato os valores que interessam ao Mundo?

Não seria Aline, mais fácil remar a favor da corrente? Será que desta forma não seríamos mais “apreciados”, seríamos vistos e apontados por amigos e familiares como “exemplos” de sucesso a serem seguidos (assim como o tal “Eike” e tantos outros)?

Será que as tantas e quantas noites mal dormidas, ou não dormidas, por uma vida toda, saindo de nós mesmos para que outros pudessem dormir tranquilos, não teriam sido melhor aproveitadas se simplesmente tivéssemos olhado para nosso próprio umbigo, para as “conquistas do dia seguinte”?

Será que nossa pressão alta, ou baixa, não estaria no “normal” se tivéssemos levado a vida com mais festas e mais riso, e menos “siso”?

Será que, de fato, o fato de termos acreditado sempre, e visceralmente, que a honestidade e a bondade podem vencer um dia, nos levará a dias melhores? Será que um dia alguém irá se preocupar em separar a realidade da fantasia e, seremos, de alguma forma reconhecidos por isso?

Será que um dia, enfim, nossas portas se abrirão e deixarão entrar a gratidão, bálsamo para as feridas da estrada?
Olhando a foto, volto ao que estava pensando naquele momento solitário, absolutamente solitário, envolto por uma aura de esperança e fé. Naquele momento eu, sentado ali, olhava a preparação do espaço, o chegar das pessoas, e agradecia por ter a oportunidade de dividir tão intenso momento com pessoas tão especiais.

Confesso-lhe que, olhando para trás, me pergunto se tudo isso tem valido a pena, se, de fato, nossa busca por um mundo melhor, mais humano, mais irmão, mais grato, tem gerado resultados.

Lá atrás, se tivéssemos pensando nos louros das glórias que se nos apresentavam, em vez de pensar na melhoria do “humano”, em vez de pensar na construção de algo melhor, mesmo com os olhos obnubilados, será que hoje não estaríamos mais “confortáveis”?

Vale, afinal, a pena, acreditar que você, como célula única, pode contagiar outras pessoas e fazer a diferença?

Depois de tantas tempestades cobrindo teto alheio, depois de tantos invernos sem cobertor para que outros não passassem frio, depois de tantas desistências para que outros fossem assistidos, digo a você que tenho dúvidas.

Sim, tenho dúvidas, muitas dúvidas! E meu coração se agoniza, como se fora um coração poeta meu coração se agoniza.

Mas, cá entre nós, confesso que não há outro caminho, tornei-me um viciado em acreditar, tornei-me um dependente do amar, tornei-me um “louco” a esperar, e a esperança é a única coisa que me move, a esperança de que um dia, afinal, possa dizer: VALEU A PENA!

Um terno abraço de seu afilhado.


“Não me importa saber
Se é terrível demais
Quantas guerras terei que vencer
Por um pouco de paz
E amanhã, se esse chão que eu beijei
For meu leito e perdão
Vou saber que valeu delirar
E morrer de paixão
E assim, seja lá como for
Vai ter fim a infinita aflição
E o mundo vai ver uma flor
Brotar do impossível chão” (Chico Buarque)

Poeta e Escritor Sidarta da Silva Martins
1 compartilhamento
Tags: sonha amor

Dia do Psicólogo, dia da compreensão

Claudias, Alines, Ritas, Karinas, Vivianes
Deborahs, Rosas, Brancas, Marias
Paulos, Pedros, Joãos, Antonios
Saulos, Andrés, Norbertos, Mauros
Alciones, Neides, Rosálias, Marcelas
Letícias, Susannes, Carolinas, Suelys
Robertos, Aparecidos, Renatos, Torquatos
Evandros, Silvios, Adrianos, Josés...
Por trás de tantos nomes, e de todos os nomes, tanto amor
Por trás de tantos outros que não cabem neste espaço
Dedicação e oração, oração com devoção
Devoção com compreensão, do outro e de si mesmo
Compreensão do humano e do divino, que habita o humano
Compreensão de como somos, todos, e de como podemos ser
Com a ajuda de pessoas que dedicam a vida à ajuda
À ajuda ao semelhante, a um semelhante melhor
Que nasce e renasce a cada dia, a cada encontro
Compreendendo o espelho que somos nós
E nos ajudando a compreender como se espelhar no bem
E como compreender o bem dentro de nós mesmos
Projetando, assim, o bem à nossa volta
Fazendo, assim, nascer e renascer um novo dia
A cada encontro, a cada dia, e em todos os dias
Nos encantando a alma, nos dignificando a vida
Nos mostrando, com doçura, a alegria de se viver
o bom viver.

Poeta e Escritor Sidarta da Silva Martins
1 compartilhamento
Tags: compreensão amor

Meu amigo Raucci: uma lição de vida.


Este artigo é dedicado, com todo carinho, a um grande amigo que nos deixou há 14 anos, Dr. José Armando Raucci, e à sua família, Cleide, Ana Cláudia, Paulo e Rogério, e aos netos. Ele foi um dos maiores administradores que o Brasil já conheceu, hoje algo tão difícil em nosso país. Daí a razão desta merecida homenagem.

Uma lição de vida!

Cada um de nós tem um amigo, ou uma amiga, que faz uma grande diferença, em algum momento de nossas vidas, ou durante toda nossa existência.

Eu, quando jovem, prestei concurso público e fui trabalhar na CEF - Caixa Econômica Federal, em São Paulo.

Com aquele espírito de conquista, de descoberta, de idealismo, que norteia a vida de todo jovem, principalmente daqueles que vivem no interior e vão para a capital, entrei de corpo e alma no trabalho.

Era uma época bonita na CEF, nós estávamos na década de 70, com o Brasil em pleno desenvolvimento. O próprio País se descobrindo e construindo seu futuro, como nós, jovens idealistas, construíamos o nosso.

Na educação, nas artes, na indústria, na política, na tecnologia, havia um espírito de esperança, de certeza de um futuro melhor.

- Só mais tarde descobri que, na realidade, via fora o futuro que desejava para mim.

As portas estavam abertas para o crescimento profissional, dentro da CEF, para todos aqueles que, como eu, preocuparam-se em investir em cursos, palestras e seminários dos mais diversos tipos.

Foi nessa época que tive a felicidade, e a honra, de conhecer o Raucci, um dos seres humanos mais incríveis que alguém pode ter como amigo e um dos maiores administradores que este País já teve.

Eu, aos 23 anos, um subgerente idealista, com visão local, querendo reformar o mundo. Ele, um diretor operacional com a visão do todo, e cuidando do "local".

Antes que o conhecesse pessoalmente, sem que eu soubesse, ele me “adotou” como um filho ou irmão mais novo , cuidava de meus passos, guiava meus caminhos e protegia meu futuro profissional.

Quando à beira dos "abismos da vida", lá estava ele estendendo a mão, me aconselhando, me ensinando a navegar, como se fora um professor que cuida do aluno do primeiro ano escolar, me orientando e me mostrando o norte.

Como jovem Gerente de Agência e Instrutor de Gerentes, costumava contestar as decisões da administração superior, que me parecessem injustas para com os clientes (mais uma vez olhando o local!).

Ele, em uma sexta feira à tarde, chamou-me à sua sala e, gentilmente, mostrou-me o "geral".

Disse-me, com toda paciência, de forma didática até, que precisávamos construir a casa tijolo por tijolo, e muitas vezes refazer paredes, para que a construção ficasse sólida: "O bom pescador é paciente e não faz barulho".

- Melhor, doce amigo Raucci, é o pescador que preserva e respeita os peixes menores! Você sempre foi mestre nisso.

Em pouco tempo, levou-me para uma chefia de divisão na Gerência de Administração e Recursos Humanos, a sua Gerência Operacional, na Avenida Paulista onde, por seis anos, vivi em um paraíso de realizações, sendo orientado por um dos maiores Administradores que o Brasil já conheceu, Dr. José Armando Raucci.

A grandeza do filho, do irmão, do esposo, do pai, do tio e do amigo; A visão de futuro, a produtividade, a lealdade, a bondade e a generosidade deste homem, dignificaram e dignificam a Raça Humana.

São, e o serão, pela eternidade, um pleito diário de gratidão à criação divina e à beleza do Reino de Deus.

Em um dia de fevereiro, hoje distante em minha lembrança, e presente em todos os meus dias, estive com o Raucci, no Hospital da Beneficência Portuguesa, em São Paulo.

Fui convidado a auxiliar na sua movimentação na cama para que recebesse os medicamentos do dia e, para isso, tive que abraça-lo carinhosamente.

Lá fora a tarde se acabava e caia a noite, o sol ia se despedindo de mais um dia, de mais uma jornada. Já sem poder falar, meu querido amigo, de tantos anos, pegou em minha mão com carinho, de forma característica, e despediu-se de mim.

No dia 02 de março, uma quinta-feira, despediu-se de todos nós.

O país, naquele dia, perdeu um de seus grandes homens, ouso dizer um de seus maiores homens, e Deus recebeu um de seus maiores e mais queridos filhos.

Por favor, meu amigo Raucci, onde quer que esteja, seja lá a missão que esteja desempenhando agora, continue olhando por nós.

Está, e sempre estará em nossas orações, e em nossos corações.

Poeta e Escritor Sidarta da Silva Martins
1 compartilhamento
Tags: amizade raucci

Passatempo...

(Texto dedicado aos filhos Evandro, André e Renato Martins, às noras Tatiane e Daniela, às netas Júlia, Beatriz, Rafaela e Laura)


Eu não tenh ‘inda setenta, eles passam dos noventa
São mais velhos do que eu, vê se dá pra’acreditar
Ou se devo, eu não sei.
Já viveram muito mais, muito mais já viajaram
Já amaram muito mais, muito mais já se entregaram
Já sofreram outro tanto, mais ainda renunciaram
Eles passam dos noventa, e eu? Não cheguei ‘ind’ aos setenta!
Sei que ando devagar, eles correm, e muito mais
E percorrem mais o mundo, crescem mais, são bem maiores
Vitamina não lhes falta, e se mexem, se aborrecem
E reclamam, e proclamam, s’enrolam, e me enrolam
S’ enganam e me enganam, se descobrem e se amam
Se descobrem e m’ encobrem, s’ enobrecem e m’ esclarecem
É uma pena, sei que é, gostaria de andar junto
Mas são muito, muito e muito, mas são muito mais ligeiros
Não consegui ‘inda os setenta, eles passam dos noventa
E já foram mais além, logo chegam aos cento e tantos
Eu não sei se chego lá, a distância é muito grande
E eu ando devagar, eles não, são bem ligeiros
Com seus passos sete léguas, que, acredito, nem conheçam
Viram mundo, vão a fundo, são teimosos, atrevidos
Sempre‘ sempre decididos.
Com seus gostos descabidos, seus desejos divertidos
Que n‘entendo, eu confesso, mas compreendo, não censuro
Não critico, isso eu juro! Só constato, isso é fato
Que são muito verdadeiros, e deveras lisonjeiros
Mas são muito, muito e muito, são muito mais ligeiros
Eu demoro pros ‘ setenta
Eles logo, logo, logo, chegam fácil aos cento e tantos
Cento e trinta, e quarenta, e quem sabe, aos duzentos
Se acertarem o compasso, e andarem par-i-passo
Não sei não, eu não duvido, irão juntos, de mãos dadas
Conhecer outras paradas, descobrir outras histórias
Com os passos sete léguas, que o que é, já saberão
Mundo afora, vida adentro, sempre unidos, protegidos
Vão ouvir outros poetas, vão cantar outros cantores
Ser felizes, certamente!
Seguirão outras correntes, crescerão ainda mais
E serão bem mais contentes
Pois os frutos, mar adentro, pros’ que andam mais ligeiro
São macios, saborosos, nutritivos, mais gostosos
Não cheguei ‘inda aos setenta, eles passam dos cento e tantos
Sei que quando eu chegar lá, terão ido muito além
Como andam mais ligeiro, passarão fácil, bem fácil
Passarão é dos duzentos, pois são três, eu sou só um
Não cheguei ‘inda aos setenta, e eles foram muito além...
Dentro em pouco, bem pouquinho, terão passado dos cem!

Poeta Sidarta da Silva Martins
1 compartilhamento
Tags: passatempo viver

Neide!

Eternamente (Ode to Joy)

Vou te querer
Eternamente
Vou te amar
Tão docemente

Prá sempre te
Amarei
Prá sempre
Te amareeeeeiii

E quando for
Te receber
No altar do amor
Vou te amar
Tão docemente
Tão ternamente

Vou te querer
Eternamente
Vou te amar
Tão docemente

Por toda minha
Vidaaaaa
Vou te seguir
Tão docemente

Por toda minha vida
Eternamente...

Poeta Sidarta da Silva Martins
1 compartilhamento
Tags: neide eternamente

Isabela: Fotos da liberdade!

(Texto dedicado a uma mulher que tem a Educação na alma - Isabela Caliani)


Mas...Que fotos são essas?
- São fotos de uma mulher
Simplesmente mulher...
Que não deixa de ser criança
Como toda mulher é criança...
Uma criança que traz
...E preserva na alma
A beleza da mulher...
São fotos da liberdade feminina
Imagens do feminino
Do sublime, do divino
Que grita e canta, canta e grita
Aos quatro cantos
...E mostra aos quatro cantos!
O encanto do Ser
O encanto do Ser Feminino
O encanto de Ser Livre...
E Bela!
O encanto de cantar a liberdade
De gritar a liberdade
...E viver a liberdade!
Sendo sempre e sempre Bela
Sempre e sempre Isabela!

Poeta Sidarta da Silva Martins
1 compartilhamento
Tags: liberdade vida

Aprender uma língua estrangeira é fácil!

Em um momento ímpar para o Brasil de visibilidade mundial com a Copa do Mundo, com Olimpíadas à porta, comércio internacional, intercâmbio, rede mundial, notícias instantâneas de todas as partes do mundo, me parece pertinente a reflexão sobre a importância do ensino da língua estrangeira em nosso país.

Será que estamos preparados, ou mesmo nos preparando, de fato, para os desafios, ou tudo está só na propaganda?

Com a releitura deste texto, apresentado e discutido com profissionais da área em, pelo menos, uma dezena de Congressos sobre Linguística, em importantes Universidades Brasileiras, como UNICAMP, UFSCAR, e Congresso SABER, acredito que o leitor poderá compreender melhor o assunto e ter algumas respostas.

Aprender uma língua estrangeira é mais fácil do que se imagina. Para a maioria das pessoas é algo muito difícil aprender uma segunda língua.

Este artigo tem o objetivo de mostrar ao leitor que esta suposição está errada. Aprender a segunda língua é bem mais fácil do que foi aprender a primeira, a língua mãe. A terceira e a quarta ficarão ainda mais fáceis, e assim por diante.

O processo tem sido visto desta forma porquê a maioria dos professores de língua estrangeira, com destaque para os professores de inglês, idioma mais procurado, não prioriza a audição, concentrando-se na gramática, mais fácil de se aplicar, já que exige apenas a repetição indefinida de solução de exercícios escritos.

Parece-me que, no entender desses professores, este processo é menos trabalhoso. Porém posso afirmar que estão enganados. O que dá mais trabalho é “re-ensinar” um aluno que, supostamente, deveria ter condições plenas de comunicar-se em outra língua.

Não há justificativa alguma para um jovem sair do colegial, ou segundo grau, após onze anos de estudos, sem falar, pelo menos, duas línguas estrangeiras. Isto me parece um grande absurdo! O que dizer de alunos que passam dois, três, cinco anos estudando em escolas de inglês e não conseguem se fazer compreender nesta língua, e não a compreendem, quando falada por nativos?

O que é ouvir?

É receber, através dos ouvidos, vibrações emitidas em código, por pessoas, pássaros, animais, instrumentos musicais, veículos. Enviadas ao cérebro humano, ou de outros seres vivos, são armazenadas para uso imediato ou posterior.

É um processo que exige dois agentes: o emissor e o receptor.

O que é falar?

É repetir, através dos órgãos da fala, os sons, ou seja, as vibrações armazenadas no cérebro.
Então, se não há audição, não há fala! Para que a aprendizagem de uma nova língua aconteça, me parece que o fator “recepção” ou “audição” é o mais importante.

Quando aprendemos a ouvir, aprendemos a acumular conhecimentos para uso posterior, em nosso benefício e em benefício de nossos semelhantes.

A meu ver, seria de extrema importância que os educadores, em geral, compreendessem isso. Se um aluno não lê em voz alta, não aprende a falar, e não aprende, também, a fazer uma apresentação em público.

É preciso que volte às salas de aula a leitura em voz alta, e em pé, na frente da classe. Isto irá contribuir sobremaneira para o aprendizado e desenvolvimento da criança e do jovem. È uma questão de cidadania.

A Metodologia dos Sons, que foi desenvolvida na Inglaterra e tem sido aplicada no Brasil com muito sucesso, prioriza a audição e a fala, no aprendizado de línguas estrangeiras. Esta metodologia está baseada em quatro importantes fatores da comunicação: Audição, fala, leitura e escrita.

Muitos executivos e profissionais liberais, inclusive os de áreas técnicas, estão encontrando nesta metodologia a resposta para seus problemas de comunicação em outra língua, hoje tão necessária, já que a globalização é uma realidade que não pode ser ignorada.

Para crianças e jovens, aprender uma, duas e até três línguas estrangeiras, com o uso da Metodologia dos Sons, passou a ser uma fonte de prazer, ao contrário das maçantes aulas voltadas para o aprendizado da gramática.

Poeta Sidarta da Silva Martins - Pesquisador em linguística.
1 compartilhamento
Tags: inglês lingua

Você já levou seus filhos ao boliche?

Se ainda não levou, não sabe o que está perdendo!
Quando os meus nasceram, ouvia dizer para aproveitar, pois seria o melhor tempo como pai enquanto fossem bebezinhos.
Uns amigos diziam que quando começassem a andar, seriam terríveis, iriam mexer em tudo, colocar os dedos em tomadas, comer pedras, esconder-se dentro de armários, e outros que tais.
Pois fizeram tudo isso e um pouco mais, mas foi algo maravilhoso.
Começaram a andar, então outros aconselhavam a “curti-los” enquanto ainda eram pequenos e aceitavam andar de mãos dadas com os pais, pois quando crescessem mais um pouco, “báu báu”, não iriam querer ter um babá por perto, iriam, sim, subir em armários, pendurar-se em varal, colocar as mão em liquidificadores, fazer teste elétrico com pilhas, fugir de casa, andar em trilhos de trem, entre outras ideias engenhosas.
Pois cresceram mais e fomos ao cinema, fomos às piscinas da vida, aqui e acolá, trabalhamos juntos algumas vezes, muitas outras dormiram em meu colo, na volta pra casa. Já jovenzinhos, mas ainda crianças, gostavam de ouvir, antes de dormir, minhas histórias e minhas estórias.
Apresentei a eles João Valjean, de Victor Hugo, e falei de sua incrível aventura, fugindo, por uma vida inteira do terrível Javert; falei do Cristo e dos apóstolos, e da importância deles para a Humanidade; falei do bandido que salvou uma aranha e, no purgatório, quase foi salvo por ela; falei da fé de Jó e da importância da oração, sobre José do Egito; contei-lhes estórias mil sobre o homem que calculava, sobre os Reis Magos, sobre as bruxas da Floresta Negra, sobre Davi e Golias; falei a eles sobre meu querido amigo Armando Raucci, e contei-lhes histórias e estórias de meu pai, das coisas que ele me contava...
Adormeciam e acordavam, a cada dia mais mocinhos e donos do próprio querer. Afinal o caminho deles seria único, e a escolha do caminho também seria única...
Então, ouvia de terceiros: “Aproveita agora, pois logo batem as asas e "adeus quimera", só terão tempo para as namoradas e para os "da idade deles", irão experimentar as “delícias” do mundo que existe além- muros.
Pois cresceram, tornaram-se homens feitos! A vida lhes está ensinando, na prática, o que só tive tempo para lhes ensinar na teoria, em meus contos, que procurei rechear com o meu mais puro afeto, com meu mais intenso amor. Uns, parte de minha experiência viva, outros parte de minha imaginação e da imaginação de outrem.
Penso que, pelo menos, eles têm uma indicação do caminho. Carregam, no embornal de viajantes universais, algumas plaquetas indicativas que, espero, lhes conduzirá ao porto seguro.
Ouço agora que, casados e voltados para o dia-a-dia, não terão paciência para conversas do passado, que o papo será outro, que o trabalho, as esposas, filhos e amigos lhes roubarão todo o tempo.
Faço ouvidos moucos e os convido para almoçar, jantar, ir ao cinema, ao shopping, ao aeroporto, e ao boliche.
Se você não levou seus filhos ao boliche, leve! Não deixe passar em branco esta parte tão importante na vida de uma mãe ou de um pai.
Entre uma "bola na canaleta" e um "strike", encontramos tempo para uma conversa, para falarmos um com o outro e um ao outro. Concordamos, discordamos, discutimos, reclamamos, e trocamos nossas alegrias e tristezas.
Como o espaço é pequeno, aprendemos a ficar próximos e dividir nossas limitações. Temos tempo para sermos humanos, para descobrir que, por melhor que estejamos, sempre uma "canaleta" nos espera e, por pior que sejamos, sempre haverá um "strike" para comemorarmos, nos mostrando que a humildade e a paciência nos torna, também, vitoriosos.
A alegria contagiante das pessoas trocando abraços, saltando, gritando, comemorando, expressando a amizade e o amor fraterno, nos empurra para isso.
Como ficarmos chateados? Todos que ali estão são exemplos vivos de erros e acertos, de "canaletas" e "strikes", são exemplos vivos de como é a vida, de como é a nossa vida! Aliás, nos mostra, na prática, que uma existência é feita muito mais de tentativas do que de acertos.
A maioria dos jogadores não consegue um “strike”, ou sequer fazer pontos, mas são felizes, são vitoriosos, voltam para seus lares realizados, gratos pela oportunidade de estarem ali, dividindo aquele momento. A vitória e a alegria são bens universais, pertencem a todos os Seres Humanos, sem exceção.
Nossos filhos sabem disso e constroem suas próprias histórias e estórias, como eu próprio construo as minhas.
Leve-os ao boliche! Todo dia é um bom dia.

Poeta Sidarta da Silva Martins
1 compartilhamento
Tags: boliche filhos

A mulher, no Brasil e em todo o mundo, tem sido agredida, enganada com falsas promessas, tratada como se fosse "propriedade", e não raras vezes por outras mulheres. Este texto é em homenagem à mulher que busca, com toda sua força, com toda sua garra, a liberdade através do conhecimento. Conhecimento de si mesma, de seu ambiente e das conquistas a serem conquistadas.



MULHER

M de montanha, M de movimento, M de mulher

Nasceu livre, vive livre, não tem dono!

Mesmo que os machistas queiram

Que os fracos desejem e que os covardes apregoem

Nasceu livre, e vive livre, não tem dono!

Mesmo que ganhe menos e mesmo que sofra mais

Mesmo que lhe tirem a voz

E mesmo que, em tantas filas, fique para trás

Nasceu livre, e vive livre, não tem dono!

Mesmo que algumas aceitem as correntes

Mesmo que algumas até gostem das correntes

Nasceu livre, e vive livre, não tem dono!

Mesmo presa em quatro paredes e amarrada aos “deveres”

Criados, inventados por aproveitadores, covardes de plantão

Mesmo fingindo “prazeres”

Nasceu livre, e vive livre, não tem dono!

Mesmo agredida, diminuída, destruída

Mesmo que não seja ouvida

Sua voz ecoa, ganha espaço, incomoda

Seu grito de liberdade cresce, toma corpo

Mesmo que usada sutilmente e sutilmente enganada

Mesmo ludibriada, sutilmente levada por promessas vãs

Acorda a cada dia mais determinada

Aprende, compreende, e mais forte se torna

E mais bela se torna!

Nasceu livre, e vive livre, não tem dono!

Poeta Sidarta da Silva Martins
1 compartilhamento
Tags: mulher liberdade

No campo e na vida
“A queda do viaduto em Belo Horizonte é algo muito mais grave que a queda da Seleção!”
“Não é normal cair um viaduto de $500 milhões!”
“A vida é um combate que aos fracos abate, aos fortes aos bravos só pode exaltar” (Gonçalves Dias)

Tanto para o campo de futebol, como para a vida, precisamos estar preparados.
Não há como conseguirmos uma vitória, em qualquer campeonato, sem preparação, sem concentração, sem garra.
Disse, há alguns dias, que a vida é feita de “jogo duro”. Parece que os jogadores da seleção brasileira perceberam isso hoje, 08 de julho, ao enfrentarem uma Alemanha organizada, concentrada, há anos, para a Copa do Brasil.
Pasmem! Foram 08 (oito) anos juntos, preparando-se para a Copa do Brasil.
Foram oito anos de seriedade em relação ao esporte, à competição, não em relação ao que a vitória pode render em termos de dinheiro e de notoriedade.
Bom será se o aprendizado for o resultado desta percepção, deste “sofrer na pele” a diferença entre a fantasia e a realidade.
Nosso país acordará mais consciente no dia 09 de julho, dia em que se comemora uma das mais importantes revoluções em nosso país, a Revolução Constitucionalista de 1.932, uma revolução que foi feita, exatamente, para voltar as coisas aos seus devidos lugares.
Estará ainda incrédulo, atônito, mas estará mais consciente. Terá, então, a oportunidade histórica de “Cair na Real”, de perceber que “a vida é um eterno combate, que aos fracos abate”, e aceitará, então, que não fizemos por vencer.
Se retrocedermos um pouco, veremos que em nenhum momento a Seleção Brasileira levou a sério este Mundial. Em nenhum momento as opiniões dos torcedores e da imprensa foram respeitadas.
Baladas, visitas de familiares, visitas de vizinhos, oba-oba, samba, esta era a tônica da preparação dos nossos jogadores do “tudo pode”, enquanto as outras seleções treinavam, suavam a camisa, se concentravam para os jogos e estudavam (e muito!) os adversários.
Poucas horas depois de desembarcar no Brasil a Holanda já estava treinando na praia, já estava concentrada nas responsabilidades que tinha perante seu público!
É fundamental que o Brasil caia na real!
É imperioso que nós, brasileiros, paremos um pouco para repensar nosso país, repensar nossos hábitos, repensar nossa filosofia de vida, enfim.
É muito importante que percebamos que não se pode construir um país sério baseado na fantasia.
Não gostamos de levar nada a sério! Achamos bonito e engraçado quando ouvimos falar que o Brasil é o “país do jeitinho”.
Não podemos!
O fato de “Deus ser brasileiro” não nos isenta de nossas responsabilidades, ao contrário, nos torna mais responsáveis ainda! Nossa vida, nossa existência, nossa origem divina não nos permite levar as coisas no “jeitinho”.
Há que se ter seriedade com as coisas públicas! Há que se ter seriedade nos estudos, no trabalho, nos relacionamentos, e em tudo o mais que fazemos. Até nas brincadeiras, nos jogos de carta, e inclusive nos esportes.
Não podemos achar que é normal ficar sem água, ter buracos nas estradas, vivermos na insegurança, não termos hospitais adequados, não termos atendimento médico de qualidade, não termos uma administração pública preocupada com o bem público, não conhecermos o planejamento de nossa cidade, de nosso estado, de nosso país.
Isto não é normal!
Não é normal cair um viaduto de $500milhões (quinhentos milhões)!
A corrupção não é algo que está ligado ao humano. Não é normal, e não podemos aceitar!
Como queremos passar em um concurso público sem estudar? Como queremos “ir levando” um curso universitário, ou qualquer outro, e ter um bom resultado ao final?
Como aprenderemos a ler e escrever sem leitura?
Como podemos ser músicos sem estudo e sem prática?
Como podemos ter resultados em nossas empresas sem seriedade e trabalho duro?
E como podemos vencer uma COPA DO MUNDO sem preparação e seriedade?
Este texto é um convite à reflexão, de verdade! Um convite ao debate, ao repensar, à consciência.
Não estamos perdendo somente nos campos de futebol. Todos nossos índices são piores que os da Alemanha e dos países afins.
Na educação, na produtividade, no desenvolvimento tecnológico, no investimento em pesquisas e desenvolvimento, entre outros.
Queridos leitores, a queda do viaduto em Belo Horizonte é algo muito mais grave que a queda da Seleção!
O desastre estava anunciado e cantado em verso e prosa.
O Brasil acordará, neste Nove de Julho, mais maduro, mais preparado para a vida, mais preparado para as mudanças que o Mundo moderno exige.
Bem mais preparado para se tornar em um País Real!

Poeta Sidarta da Silva Martins
1 compartilhamento

Uma Mulher de Valor

Este texto é uma homenagem à Professora Maria Ângela Pimentel Mangeon Elias , uma mulher especial, que encanta a todos com sua graça, sua vitalidade, sua força de vontade e sua determinação em construir um mundo melhor, e, principalmente, em nos mostrar, a cada dia, e em todos os dias de sua existência, que isso é possível. Parabéns à nossa querida Professora neste dia em que completa mais um ano de encantadora existência.


Uma mulher de valor
Não é aquela que só nasceu para ser mãe
Ou irmã, ou companheira, ou amante, ou educadora
Uma mulher de valor tem tudo isso em sua bagagem
E mais outro tanto, guardado em seu coração
Em um coração que, normalmente, não pulsa
Deixa, com serenidade, o sangue fluir
Indo e voltando, como um rio
(Grande ou pequeno, afinal, todos os rios são iguais)
Como um rio que vai e volta...
Vai e volta...Sempre volta, na sua forma de voltar
E sempre tem serenidade em suas águas
Embora, por vezes, suas aguas pareçam revoltas
Uma mulher de valor é assim, uma mistura perfeita
Um amálgama entre o humano e o divino
Entre o santo e o não santo, entre o espírito e a matéria
Uma mulher de valor é atraente, naturalmente
Não precisa de subterfúgios, não precisa de salamaleques
Naturalmente se apresenta, e naturalmente encanta
Vive naturalmente, compreendendo que a vida é uma passagem
Só uma passagem, uma ponte, entre o hoje e o amanhã...
Não vive o passado, não olha para trás, não se distrai
Segue em frente, sempre em frente, nada a detêm, nada!
E leva consigo todos que querem atravessar a ponte
Todos que querem conhecer o futuro
Todos que querem estar ao seu lado neste futuro
Uma mulher de valor...
Encanta-se com cada novo dia, com o nascer da aurora
Louva a cada novo dia, encanta-se com a vida, com as flores
E com os inúmeros jardins da vida, aqui e acolá
Encanta-se tanto que chega a fazer parte deles
Tornando-se uma flor, tornando-se uma flor-mulher
De um valor inestimável, de um encanto contagiante
De suave perfume...Tornando-se mulher!
Meiga, angelical, doce, próxima, parte de cada um de nós
E nós todos a amamos, como amamos tudo que é belo, divino
Nós a amamos, muito e muito!
Afinal, o valor está em toda mulher, não é mesmo?
Em cada uma com suas particularidades
E nesta, em especial...Ela é especial!
....

Poeta Sidarta da Silva Martins
1 compartilhamento
Tags: amor mulher