Coleção pessoal de risomarsilva

121 - 140 do total de 291 pensamentos na coleção de risomarsilva

'SER PROFESSOR'

Ser professor,
é ser gigante.
Daqueles mirantes que veem o por do sol no infinito.
Força descomunal nos mares escaldantes.
Ensaios vários nos quadrângulos.
Investigador da essência dos homens.
Transformador de mundos...

Ser professor,
é ser explorador de mananciais a serem moldados.
Indagador das naturezas.
Na dor,
é um excepcional 'super humano'.
Com suas dormências,
melancolias...

Ser professor é ter passos largos,
talvez limitados.
Mas sempre em movimentos.
Poço de boas ações rigorosas e flamejantes.
Sorriso no rosto,
trabalho árduo,
Plantando vidas futuras...

Risomar Sírley da Silva
1 compartilhamento
Tags: risomar ternura

'BARCO'

Mundo sem continentes,
Fumaças de verbos.
O barco veleja sem linha de chegada.
Ventos sopram abrigos inexistentes,
Embriagando direções,
Satirizando lágrimas,
Velas chamuscadas...

Navegações sob escombros,
Tempo cerrado.
Razão devastada no entardecer.
À procura de tantos mares,
Terras submersas.
Sem tempo presente,
Sentidos microscópicos...

E o barco navega perpetuamente,
Sempre desvairado.
Levando os poucos homens solventes,
Sem almas,
Já cansados.
Á procura de abraços,
Uma ilha qualquer...

Risomar Sírley da Silva
1 compartilhamento
Tags: risomar ternura

'DE REPENTE OUTUBRO'

Dia dois de Outubro,
é dia de eleição.
Uns sabem em quem votar,
Outros não sabem não.
O processo é rigoroso,
sempre aparece um 'Jocoso',
nesse dia de aflição.

É um corre corre imenso,
centenas de candidatos.
Pessoas sorrindo muito,
casos dos mais engraçados.
Há carros, caminhões, motos.
Pessoas vendendo votos,
ganhando alguns trocados.

Com a expansão da Lava Jato,
e o aumento da corrupção.
O que restava de crédito,
da nossa população.
Transformou-se em maremoto,
milhares de gafanhotos,
querendo mais refeição.

Está bem estampado,
e todos há de convir.
É que o povo só piora,
quando vai 'ali servir'.
Eleição é o pior dia,
nunca existiu democracia.
E nunca vai existir.

Se colocar candidato,
e eleitor numa balança.
Todos querem vantagens,
paz, saúde e segurança.
Porém há uma cultura,
não existe partitura.
Todos rodam a mesma dança.

Dia três de Outubro,
é dia de chororô.
Tem candidato estressado,
tem gente no xilindró.
A minoria cantando.
No céu há falta de arcajos,
esperança virou pó.

O povo volta pra casa,
a inflação já subiu.
A panela sem feijão,
candidatos sem perfil.
Há perguntas de porquês,
fechou-se os comitês.
O homem virou vazio.

Risomar Sírley da Silva
1 compartilhamento
Tags: risomar ternura

'ESPERA'

Mãos cruzadas e o olhar breve não vira a noite passageira,
desnorteada.
Ainda respiro a escrivaninha que não perdura.
Olhos intrigam as paixões que rodeiam.
Sou grito,
aflição.
Melodia sem compasso,
noites sem luar...

Mergulho expectativas sombrias,
avulsas.
Permuto passos que conspiram a ação do tempo.
Abraço palavras duradouras,
persistentes.
Tenho excelência pelo azul da aurora.
Relógios que não andam,
aguardos...

Tudo passa tão velozmente.
O coração imóvel ainda pulsa tua espera,
solidão.
Sou criança nas circunstâncias do tempo.
Respiro sequelas.
Murmuro abraços.
Dilacero interrupções,
proteção...

por Risomar Silva.

Risomar Sírley da Silva
1 compartilhamento
Tags: risomar ternura

'DECODIFICAR'

Nas margens do rio Tapajós,
na ribanceira,
a casa de taipa,
coberta de palha e uma paisagem deslumbrante à frente.
O rio enorme provocara admiração.
As casas eram próximas uma das outras.
O acesso dava-se por uma trilha,
onde,
na escuridão,
dificilmente se saía dele...

Nas noites de lua cheia,
sempre nos reuníamos,
sentados à frente da paisagem para ovacionar aqueles reflexos que batia na face.
O retrato ainda é real e intrigante.
Sentados em 'rodas',
ficávamos a cantar em coro com a ajuda de um velho violão abatido.
Nas tardes frias e cinzentas,
gostávamos do frescor dos ventos.
Eles falavam uma linguagem que só agora,
depois de muito tempo,
começamos a decodificar....

Risomar Sírley da Silva
1 compartilhamento
Tags: risomar ternura

Engana-se com o vinho e o amigo truculento. Mero algozes que nos ludibriam com suas farsas mesquinhas. No fundo, são lobos avarentos e sem personalidades. Não é à toa que mesclam solidão e abandono..

Risomar Sírley da Silva
1 compartilhamento
Tags: risomar ternura

'ANO POLÍTICO'

Tempo de cidadania,
dos indecentes.
Das escolhas dos representantes,
do 'NADA SERÁ COMO ANTES'.
Dos reflexos que não mudam,
mudas que não brotam em meio a tantos fertilizantes,
terra boa para plantar,
cultivar...

Elegemos nossos reflexos.
Elegantes estampados na tribuna,
triunfantes.
Roedores sem identidade?
Que nada!
Fazemos parte!
Há muito da nossa cultura no palanque,
cultura irritante...

É também o ano das equivalências,
cidadãos plantando esperanças em meio ao sol.
Dos que tentam transformar o desequilíbrio das formas.
O céu não transmudará repentinamente,
já é tarde!
Esperarmo-lo ei há tantos anos.
A 'identidade' já estar enraizada em naufrágios,
sufrágios,
símbolos covardes...

Risomar Sírley da Silva
1 compartilhamento
Tags: risomar ternura

'JOSÉ ERA SINOPSE'

José era sinopse,
linhas vazias,
extinção.
Apanhara estrelas,
sonhos avulsos.
Jogara com o destino.
Equilibrou partidas.
Abandonou-as.
Caiu,
levantou-se...

José era sinopse
Imbuíra melancólicas pressuposições,
caminhos tortuosos,
veredas.
Correra de encontro aos ventos,
equilibrando-se em cordas,
fumaredas.
Sem orações,
abraços,
ou reiterações...

José era sinopse,
mas transformou-se é compêndio,
documentários.
Fixou amor,
caracteres,
permanência.
Redige a própria história.
Com seus conglomerados temas,
tenta haurir reflexões,
escrever trajetórias,
poemas...

Risomar Sírley da Silva
1 compartilhamento
Tags: risomar ternura

'HIPERTEXTO'

Absorvo cliques secretos,
cursor entre páginas,
colunas.
Anônimo sem eco.
Virtual,
visceral,
subscrito...

Ausento realces,
linhas,
endereços.
Incógnito 'fontes',
cobertores,
diálogos.
Plagio códigos,
bibliotecas...

Ratifico o abandono,
trilho embaraçado.
Invento faces,
ego gelado.
Sou impressão nos dias de chuva,
'Web matéria',
punhados de agravos...

Risomar Sírley da Silva
1 compartilhamento
Tags: risomar ternura

'SOMOS ARTISTAS...'

A vida pendurada na janela.
Avenidas em molduras,
martelos.
Antes a paisagem fosse risonha,
cantada à beira-mar,
neblinas suaves,
amplificadas.
A vida sempre ecoa,
mistérios,
limoeiros,
marteladas...

Pequenos e grandes passos se vão,
agora nevoeiros,
escadarias.
Matéria diluída,
sem paradeiro,
saguão.
Deixar-nos-emos saudades.
Eis o retrato da vida:
passageiro como trem!
Bela arte,
invenção...

Risomar Sírley da Silva
1 compartilhamento
Tags: risomar ternura

'SER...'

Sou rima,
lençol,
pecado...

Semente esparramado,
seca,
freático...

Soldado ferido,
insensato,
solitário...

Calabouço,
místico,
para-raios...

Perdido em multidões,
nuvens,
bárbaros...

Embatucado,
solstício,
açoitado...

Sou pedras,
lanças,
armaduras...

Loucuras,
ferraduras,
homem de aço...

Risomar Sírley da Silva
1 compartilhamento
Tags: risomar ternura

'FALANDO DE AMOR...'

És sublime,
tornando-te árvores de ambições,
sensações,
almas.
Metamorfose na rotina infindável.
Chama nas incontáveis tempestades,
magias...

Custoso falar de amor.
Centenas de ramificações,
definições.
Como expressar o que tentamos definir por toda uma vida?
Inacabável na alma,
incitando poetas,
artigos,
poesias...

Risomar Sírley da Silva
1 compartilhamento
Tags: risomar ternura

'OUTUBRO'

Há multidões em ruas coloridas,
betumes.
Fogos e tantos fungicidas,
artifícios.
Representa-se 'partidos',
'fatias'.
Céus de esperanças,
exageradas mudanças...

País de adornos,
adereços desabrasileirados.
Ilusão paraense,
paulistano,
nordestino.
Covis Inter-raciais disputando palanques,
qualidades,
personagens,
discursos.
Mistura embaída,
bandeiras coloridas...

Subsiste-se eloquente até a data prevista.
Impetuosos nas pranchas de sonhos,
anseios.
Todavia,
são balões que esvai-se no espaço.
Tácitos desesperados,
agora desalentos,
brasileiros,
utopias...

Risomar Sírley da Silva
1 compartilhamento
Tags: risomar ternura

Escrevera uma vida falando de um poema. E no final, percebera que o poema eram apenas rabiscos. Não valera tanto a pena!'

Risomar Sírley da Silva
1 compartilhamento
Tags: risomar ternura

'NÃO DESISTA!'

Não desista das estrelas quando elas se forem,
tudo ficará bem!
Insista nas boas lembranças dos tempos de outrora,
das brincadeiras atravessando ruas,
lagoas.
Não adormeça os lugares que se vai tão facilmente quando se estar triste,
faz parte viajarmos distraído respirando o ontem...

Não desista dos novos amores que baterão a velha porta empoeirada,
abra-o sem medo de ser feliz.
Não esqueça dos rastros perdidos na chuva ou dos pingos molhando o velho espírito,
as flores na varanda podem já não ter tanta importância,
mas elas continuam exalando vida,
abraços...

Não seja tolo confinando mágoas no escasso tempo,
ele é verdadeiro em curar dores,
angústias,
sofrimentos.
Seja fã dos temporais,
não pelos fortes ventos ou a violência dos estragos,
mas pelos rastros das aprendizagens,
ensaios...

Risomar Sírley da Silva
1 compartilhamento
Tags: risomar ternura

'SOMBRAS'

Possui lugares imprescindíveis quando os homens te nascem.
Imortal como trevas pedindo fluorescências.
Oculto entre atalhos deméritos,
cabanas,
fissuras.
Aparência obscura,
és profundeza de almas,
oceanos.
Fantasmas...

Atrofia solidão submersa no peito,
aposentos.
Cultivas segredos,
passos.
Suspira luxúria,
dispersão.
Tirania minguante quando o sol expira,
imitação.
Penúria...

Embarcado nos movimentos,
sombrio.
És vestígio de aproximação ausente,
travesseiro.
Opaco como as veias que à sombra do pulsar respira vida,
receio.
Intrínseco aos homens falecendo dias.
Amordaçando loucuras,
paixões,
perfumes,
melodias...

Risomar Sírley da Silva
1 compartilhamento
Tags: risomar ternura

'FOLHAS'

As folhas estão em coma,
despencaram-se aos campos como tantas outras.
Acinzentadas ao sol,
chuvas...

Elas sempre caem ao chão,
subterfugias.
Evasivas,
levadas aos ventos...

Vislumbrou estrelas,
galáxias.
Suaves discursos,
faróis desconhecidos...

Porém,
sucumbiu-se em mágoas,
esmagadas ao chão,
destino decesso...

Era suave como a flor,
outono.
Hoje é incinerada,
triste,
sopeada.
Folha sem vida...

Risomar Sírley da Silva
1 compartilhamento
Tags: risomar ternura

'PARAENSE'

Por do sol Paraense,
sem olhos,
horizontes,
sementes.
Do Grão-Pará,
antipolítico,
sobeja cachaças,
bicho das matas,
das brenhas,
chibés,
munguzás...

Nascido das chuvas,
distraído amazônico.
Particípio.
Respira hidrografias,
farinhas.
Sem trajes,
És Carimbó conformado,
ribeirinha...

Cultiva ouro preto,
isolação,
açaí.
Saboreia pupunhas,
tacacá,
camarão.
És baião,
multidão,
muricis...

Guarda tralhas,
bacuris,
pirão,
pescado.
Cultua piquiás,
esperanças,
tucumãs,
cajados...

Subsiste manhãs,
neblinas.
És indígena,
fardo.
Flutua canoas,
rio acima,
bicho sem mato...

Exala naturezas,
apogeus sem cobiças.
Pela força admirado.
És espelho.
Paraense.
Reluzente.
Estilhaçado...

Risomar Sírley da Silva
1 compartilhamento
Tags: risomar ternura

'SEI LÁ O QUÊ!'

É fácil 'amar' quando a pessoa cobiçada é inalcançável.
É fácil 'amar' os olhos,
cabelos,
sorrisos.
Não é nada estranho admirar o modo como se anda,
o jogo de cintura,
passos lentos esbanjando sensualidade...
Fala-se:
- Quero-te nem que seja pela metade.
Alguns diriam que só serviria 'o todo'!.

Ela parece desprezar-lhe.
Talvez nem saiba da explosão que corrói-lhe a alma ou das noites em afrescos pensamentos.
O amor talvez comece com a troca de olhares.
Essa 'troca', talvez, nunca tenha existido para um dos amantes.
Mas do outro lado,
a perfuração sempre será profunda,
enraizadora.
Mistura de dores sem medidas exatas.
Não importa a idade,
a criança começa aflorar e o falta de doces deixa-lhe os dias entristecidos.

- Deve ter sido amor à primeira vista!
Amor,
paixão,
fanatismo,
entusiamo.
Sei lá o quê!
Sabe-se apenas que a intensidade ardente de querê-la é desvairado.
- A felicidade poderia estar na dor.
Levaria milhares de topadas se em indenização,
conhecesse seus olhos,
cabelos,
sorrisos...

Risomar Sírley da Silva
1 compartilhamento
Tags: risomar ternura

'QUADROS'

Pincelo quadros como quem esculpi sonhos intocáveis.
Faço traçados diluindo curvas,
lacunas,
eixos.
Talho sonhos tal qual a quem escreve poesias,
que a cada toque,
desfaz-se fugaz à imagem passada...

Imagens recriadas envoltos às linhas que revivem bruscamente.
Metamorfoses de mãos e suas injustas proporções em molduras,
pensamentos.
Fixados nas velhas paredes,
estranhamente modernos.
Velhos quadros,
no ontem rabiscados,
fluem pelas veias como correntes,
ascendentes,
hodiernos...

Gero quadros/transições tornando-se passadouros,
ausentes.
Porém,
Insisti-lo-ei aos sonhos de outrora,
à beleza,
à vida,
à angústia da criança que chora sem saber.
Mãos que tremem sem querer,
são quadros desejando mutações,
aquarelas,
tantas outras formas,
novas telas.
Você...

Escrito por Willas Gavronsk e Risomar Silva.

Risomar Sírley da Silva
1 compartilhamento
Tags: risomar ternura