Coleção pessoal de MiqueiasdeCastro

Encontrados 15 pensamentos na coleção de MiqueiasdeCastro

Sem o Fruto do Espírito Santo você será agressivo ou subserviente, opressor ou oprimido. Com o Fruto do Espírito Santo você será manso como Cristo.

Rev. Miquéias Castro
Tags: manso mansidão

Ser manso não é ser bobo. Jesus não nos ensinou a ser capacho dos outros. Ser manso é enfrentar os ofensores, as lutas, os problemas com paciência, gentileza e submissão a vontade de Deus.

Rev. Miqueias Castro
Tags: manso mansidão

No caminho do inferno existem muitas placas de atalhos, no caminho do céu só existe uma: Jesus

Rev. Miquéias Castro
Tags: caminho inferno

Com o tempo descobrimos que o caminho é longo e árduo, mas que vale a pena ser trilhado, pois os atalhos nos faz perder momentos maravilhosos que só podem ser vividos quando se trilha pelo caminho.

Rev. Miquéias Castro

O pecado é algo difícil de se lidar pelo simples fato dele se apresentar com várias caras, jeitos e formatos atingindo todas as áreas do ser humano, assim como o tempo passado, presente e futuro. Não o futuro eterno, mas um futuro terreno.

Rev. Miquéias de Castro
1 compartilhamento

É de suma importância desvendarmos no que realmente consiste o pecado. Muitos erros teológicos, sobre muitos assuntos como: salvação, santificação, vida cristã e etc, se serão resolvidos se entendermos biblicamente o que é o pecado

Rev. Miquéias de Castro
1 compartilhamento
Tags: pecado salvação

PEQUENAS, MAS MORTAIS

Aquela caminhada na trilha lhes renderam vários arranhões no corpo, cortes profundos nos pés e respiração ofegante.

Ele gostava muito de se aventurar em meio a natureza. Calça camuflada, coturno até a canela, uma casaco mais grosso sobre a camiseta, um cajado nas mãos, chapéu na cabeça e muita disposição de antar longos trechos, que as vezes chegavam a dezenas de quilômetros. Todas as suas férias separava uma semana para curtir de uma forma mais “hard” a natureza com dois de seus amigos.

Esperou tanto pelo mês de setembro, mês de suas férias, e quando chegou juntou todas as suas tralhas, passou a mão no cantil e foi para o ponto de partida, anteriormente combinado, pois, como de costume, iriam sair os três juntos. Quando ele desceu do metrô se arranjaram ali mesmo no chão da estação e começaram a discutir pequenas coordenadas, traçaram planos e em pouco tempo estavam prontos a subir montanha acima.

Parecia que tinham planejado tudo, parecia que nada estava faltando. Nenhum sentimento negativo tomou conta deles ou até mesmo pois tinham bússola, barracas, facas, radiocomunicador, sinalizadores. Tudo isso sem falar na vasta experiência caça e pesca que ambos dominavam muito bem. Estavam preparados para tudo. Já haviam enfrentado juntos todo clima (de frio intenso e calor escaldante), tempestade (de água, de vento e de areia). Nenhuma fera os assustavam facilmente. Nada parecia intimidá-los.

Depois de três dias no meio da mata densa e úmida, estavam orgulhosos pois achavam que mais uma mata virgem e desconhecida estava para ser vencida. Sem perceber um deles esbarra numa casa de abelhas que estava em seu caminho. De repente um sonido forte das asas das abelhas prontas a ferroar os alarmou. Começaram uma correria alucinante, pois se tratava de “abelhas africanas”. Para correrem mais começaram a soltar todo o peso que estava carregando. O pavor era tamanho que não sentiam grandes espinhos rasgarem suas roupas e suas carnes, tropeções e tombos fazia-os rolar no chão. Sabiam que as abelhas africanas podiam perseguir suas presas até 900 metros distante da colméia. Não podiam mais voltar, pois na correria perderam a bússola, suas barracas ficaram em algum lugar em meio a mata. Nada havia sobrado a não ser escoriações e feridas. Sorte deles foi o fato de estarem no último quilômetro daquela floresta. Estavam prontos a enfrentar feras e tempestades, mas não estavam prontos a enfrentar os pequenos insetos. Nem sempre o que nos derruba são as coisas grandes, os problemas imensos, mas sim as pequenas coisas, as que subestimamos, as que não vemos.

Rev. Miquéias de Castro
1 compartilhamento
Tags: pequenas mortais

EU NUNCA SERIA UMA MÃE

Ser mãe é ser boba, é ser fraca, chorona... é ser chata.


É ser tão boba que nunca pensa nela mesma se preocupando com a família. Seus filhos e marido são sempre favorecidos com o melhor, enquanto se satisfaz com o pouco. Passa a noite em claro apavorada enquanto os filhos se divertem nas festinhas de amigos. Está sempre pronta a abrir mão do conforto e descanso para ver todos bem. Muitas vezes todo seu trabalho e esforço não é reconhecido, mas mesmo assim o faz. Ama tanto sem ser correspondida à altura, doa-se tanto sem ser retribuída na mesma proporção...

É ser tão fraca que mesmo brava e irritada se desmancha depois de um beijo, esquece todo o passado assim que o presente a faça feliz, ainda que por segundos. Sua fraqueza é tamanha que não é capaz de desejar o mal muito menos faze-lo quando um filho a maltrata...

É tão chorona que é capaz de chorar simplesmente por uma vitória do filho, se derrama toda quando recebe um beijo ainda que seja beijo interesseiro. Chora quando é maltratada, quando é esquecida, quando é ignorada, mas também chora quando é lembrada, bem querida considerada. Aprendem a arte do choro quando ouvem pela primeira vez: Parabéns, você é mamãe e esse choro vai até os seus últimos dias de vida por qualquer motivo, sejam eles de alegria ou de tristeza, mas nenhum deles por ressentimento.

É tão chata que não permite os filhos andarem sujos, desarrumados. Gosta de levar para a escola e em plena chatice dá um beijo da frente dos amigos. Nunca deixa sair sem blusa no frio, sem proteção na chuva e sem chapéu no calor. É chata esperando na hora do dever de casa esperando notas boas, é chata se intrometendo no namoro e permanece ainda chata se preocupando com os filhos mesmo depois de velhos.

Eu nunca poderia ser uma mãe, pois jamais seria capaz de transformar a bobice, a fraqueza, o choro e a chatice em qualidades. Qualidades essas tão essenciais que jamais viveria sem elas. Deus me deu a facilidade de ser pai comparado a tamanha dificuldade, trabalho e sacrifício de ser mãe.

Rev. Miquéias de Castro
1 compartilhamento

PROTESTO

Adicionar legenda

Estamos a 25 dias do maior evento futebolístico do mundo e isso ainda divide, em muito, as opiniões do povo brasileiro. Não quero ser somente mais um na briga dos contra X pró copa. Não quero expor opiniões frívolas e esperar que você as aceite ou até mesmo me devagar sobre um assunto que tem muitos ângulos a serem observados e muitas coisas a serem consideradas. Segundo Issac Newton: “O que sabemos é uma gota; o que ignoramos é um oceano”.

Minha insatisfação é ver que muitos dos que dizem contra a Copa a favor de melhorias na saúde, de qualidade alimentação, de reforma na educação são os mesmos que gritam esperneiam, mas não fazem nada. Excitam, provocam, atiçam, mas na hora da batalha correm, na hora da luta desertam. Adiantou? Depois vão pegar seus ingressos, ligar suas televisões abrir uma bebida gelada e algo salgado para comer e gritar Goooooooooooool!

Estou falando não dos políticos (vereadores, prefeitos, deputados, governadores, presidentes e etc que são passíveis de nossas eternas críticas), estou falando de mim e de você que nos especializamos em criticar e não fazer nada.

Olhemos para nossa cidade, para nossas escolas, para nossos bairros, para nossas famílias, para nossas vidas e nada ainda mudou e queremos mudar o país? Nem mesmo mudou seu jeito ardil e intragável de ser, nem mesmo mudei minhas próprias falhas e estou me ajuntando a milhares de vozes para protestar contra algo que vai acontecer de um jeito ou de outro e quando soar o apito inicial o primeiro chute não será na bola, mas em todos os protestos que era levantado lançando para bem longe, fazendo-o cair no esquecimento?

Estou aqui para protestar a favor das reformas particulares, pessoais que precisamos ter. reformas essas que dizem respeito à modéstia, à simplicidade, ao amor e a fé. Coisas como essas há muito se deterioram e necessitam de conserto. E se nosso protesto fosse ouvido e a copa não acontecesse? E se sua voz saísse do anonimato e a política mudasse? Alguma coisa mudaria? Posso afirmar que não porque eu e você ainda não mudamos.

Exige-se amor, mas não se pratica, clamam por segurança, mas estamos com as mãos cheias de sangue, buscam milagres, mas não se cremais em Deus, fala ser um país cristão (independente da sua fé), mas de Cristo não tem nada.


Não irei expor minha opinião sobre a copa, meu protesto ou minha satisfação, venho arguir sobre quem somos. Nosso país, nossa cidade, nossa família e nossa igreja é simplesmente o reflexo de quem somos realmente. Pense nisto, e que Deus tenha misericórdia de nós.

Rev. Miquéias de Castro
1 compartilhamento

EM MEIO AOS ESCOMBROS

Parei para pensar um pouco no que aconteceu em 11/09/01 às torres gêmeas chamadas World Trade Center, em New York. Após os aviões se chocarem com aqueles arranha-céus, foi questão de pouco tempo e tudo vei a baixo, restando apenas toneladas de concreto reduzido a pequenos fragmentos, toneladas de ferro retorcido e corpos sem vida. Puro escombro.

Relembrando tragédias como essa, me vem à memória outras como o Tsunami que varreu o litoral da Ásia matando mais de 200 mil pessoas. Passado a fúria das águas tudo o que restou foi juntar centenas de milhares de corpos misturados a milhões de toneladas de escombros. Sempre que ouvimos falar em escombros nos é certo que associado a esta palavra está a tragédia, a destruição, a tristeza. Aos sobreviventes dos escombros fica um sentimento de desesperança, de medo.

Não é diferente o que aconteceu com a chamada “Fé”. O homem hoje encontra tem sua fé, sua esperança em meio aos escombros do ceticismo causados por uma igreja que não sabe mais ser igreja. Quantas igrejas pregam o amor e não conseguem vive-lo na prática nem com os “irmãos”, quanto preconceito e a Verdade Bíblica continua sendo belíssima, mas nas folhas da Bíblia e não nas mãos, nos pés e na boca dos que dizem ser cristãos. As igrejas passaram por grandes desastres, uns naturais e outros causados por forças externas e até internas e estão agora entre escombros, restos de destruição e tudo isso sabe por quê? Porque eu e você nos esquecemos que a igreja não são as paredes, o teto ou chão de mármore, suntuosas construções para nos encher de orgulho enquanto escondem nossos escombros religiosos. Enquanto os corredores dos templos estão limpos, os vidros incrivelmente transparentes, os bancos envernizados, os fiéis permanecem sujos, em meio a lama, chorando perdas passadas e quem sabe futuras e não tendo forças para se levantar e começar a faxina espiritual.

Os templos estão cheios de pessoas cruéis, desonestas, maldosas, e desencorajadoras de toda boa obra. Esquecemos que nós, as pessoas, é que somos a igreja, e, a igreja só é verdadeiramente igreja quando agirmos como uma. Deus não nos chamou para julgamento, não nos chamou para ira e discórdia, mas nos comissionou para o amor. O que levantou os Estados Unidos após 11/09, a Ásia e outras tantas nações que um dia se encontrou em meio a escombros não foi nada além do amor e cumplicidade mútua entre pessoas que os fizeram crer que não era o fim. O mundo está em meio ao restolho de uma guerra espiritual, afundado na descrença e a Igreja (eu e você) somos as pessoas que Deus chamou e capacitou para limparmos os escombros e trazermos vida e esperança à humanidade. Então comece já a ser igreja.

Rev. Miquéias de Castro
1 compartilhamento

ONDE ESTÁ DEUS?

“E, respondendo Jesus, disse: Descia um homem de Jerusalém para Jericó, e caiu nas mãos dos salteadores, os quais o despojaram, e espancando-o, se retiraram, deixando-o meio morto. E, ocasionalmente descia pelo mesmo caminho certo sacerdote; e, vendo-o, passou de largo. E de igual modo também um levita, chegando àquele lugar, e, vendo-o, passou de largo. Mas um samaritano, que ia de viagem, chegou ao pé dele e, vendo-o, moveu-se de íntima compaixão; E, aproximando-se, atou-lhe as feridas, deitando-lhes azeite e vinho; e, pondo-o sobre a sua cavalgadura, levou-o para uma estalagem, e cuidou dele;”

Esta é uma das perguntas que mais tem sido feita. Diante de tanta desgraça, diante de tanta violência, tanto roubo, tanta injustiça passamos a perguntar: Onde está Deus?

Hoje você não pode ter uma “ranchinho” para passar o final de semana com a família, pois durante a semana entrará pessoas más intencionadas e furtará de você toda a alegria. Hoje você não tem a segurança de ter um filho ou uma filha descendo do ônibus de volta da faculdade, pois o medo de ter alguém forjando mal na próxima esquina não o deixa dormir em paz até que a porta de casa se abra. E se um certo dia a porta de casa não se abrir na hora certa, e o telefone tocar sua alma bradará: Onde está Deus?

Se você olhar a sua volta verá que poucos tem muito e muitos tem pouco trazendo um desequilíbrio social e econômico fazendo poucos rirem e muitos chorarem e novamente uma voz grita lá do fundo do nosso coração: Onde está Deus?

Mas acredito que a pergunta carregada de decepção, crítica, insatisfação e um tom de obrigatoriedade precisaria ser outra: Onde estou eu? Onde está você?

Somos sabidos de que Deus faz o que não podemos fazer, estamos cientes de que a mão de Deus alcança para nós o que não podemos alcançar, faz parte do conhecimento comum que o que é para nós fazermos Deus não fará por nós, então a pergunta “Onde está Deus?” diante de tamanha desgraça, maldade, injustiça e desigualdade é fácil de ser respondida: Esperando eu e você fazermos alguma coisa, darmos o primeiro passo, agir conforme nossa capacidade e não cruzarmos os braços e esperar que tudo caia do céu.

Quer ter filhos abençoados então nunca ache que já pode parar de ensinar a ética, a moral e a fé, tenha ele os anos que tiver; quer ter um casamento maravilhoso que supere toda e qualquer adversidade então passe a amar incondicionalmente seu cônjuge, dando a ele a oportunidade de concertar os erros por piores que forem; quer ter uma sociedade justa comece dentro de casa, no trabalho, na escola agindo de justiça para com o teu próximo, que, segundo Jesus, nosso Mestre e Senhor, nos ensinou que nosso próximo não é apenas que amamos, mas sim quem Deus, por sua onisciência, fez cruzar o nosso caminho dando-nos a oportunidade de nos tornarmos “bons samaritanos”. Foi isso que Jesus quis ensinar na Parábola conhecida como “O Bom Samaritano”, que particularmente gosto de intitulá-la de “O Verdadeiro Cristão”.


O verdadeiro cristianismo vivido por Jesus e requerido pelo mesmo que vivamos é o de entender as coisas simples e mais básicas da felicidade tanto minha como de todos: a compaixão e a disponibilidade de fazer o bem.

Rev. Miquéias de Castro
1 compartilhamento
Tags: onde está

É CEDO OU TARDE DEMAIS?

"Tudo tem seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu." Eclesiastes 3.1

Acordou naquela manhã e olhou no relógio. Os ponteiros começavam a marcar as primeiras horas do dia. Ainda com aquela preguiça matinal, puxou o cobertor sobre si e ficou ali encolhido sem saber o que haveria de fazer. Mas ainda era cedo demais, não sabia muito bem o que fazer e nem como fazer alguma coisa. De repente o Grande Relógio da copa, daqueles antigos de pêndulo, badala num alarido forte que lhe causa calafrios. Era alto o ressoar do seu gongo anunciando 06h da manhã. Ainda deitado, com um pouco de medo e muita ansiedade esperou ser chamado. Com os olhos abertos o tempo parecia ter parado, ou quem sabe estivesse extremamente lento e entre um badalar e outro, do Grande Relógio, se ouviu soar oito vezes o gongo marcando 08h da manhã. Ainda era cedo demais.

Mesmo sendo cedo, se levantou, foi até a cozinha à procura de algo para comer. Esticou a mão e sem conseguir alcançar levantou o pé para pegar um pacote de bolacha que estava pelo meio de cima da mesa. Frouxou a ponta do pacote que estava torcida, pegou uma bolacha e comeu ali mesmo em pé, pegou mais duas, torceu a ponta do pacote novamente e foi até a sala para comer e ver televisão, pois ainda era muito cedo.

Ainda sonolento, o pouco de atenção que ainda restava foi arrebatada pela programação daquele canal, mais logo adormeceu mergulhado nas muitas almofadas do sofá. De repente é acordado com forte barulho do Grande Relógio e ao contar os badalos somavam 14h. Não mais tinha medo daqueles gongos, naquele momento ele nem parecia tão alto mais, não lhe causava mais calafrios. O sol já entrava pelas janelas de vidro e penetrava o fino tecido das cortinas e seus raios terminavam bem em cima dele. Com muito calor se levanta e para aliviar aquela sensação térmica vai até o armário, passando pelo Grande Relógio, que já nem era tão Grande mais, e sem se importar com ele pega um copo enche de água, vai até a geladeira tipo duplex e abre o frízer para lançar mão de alguns cubos de gelo. Apesar do Grande Relógio marcar 14h, não tinha nada importante para fazer, preferiu se preocupar mais tarde, quem sabe à noite. O dia estava apenas começando para ele.

Pegou sua bicicleta foi até a “prainha”, uma curva do riacho que mantinha uma margem de areia, à 3km de sua casa e ali gastou todo o resto da tarde. Mesmo longe e sem ouvir os gongos do Grande Relógio, as horas continuavam a passar, mas não estava lenta como antes, o dia foi acabando rapidamente. Saiu do riacho pegou a bicicleta e correndo voltou para casa. Ofegante toma um banho e sai para uma festa de um amigo e não percebe que o Grande Relógio não parou e que já não era mais cedo, estava ficando tarde. Fim de festa, começou a ficar cansado como até então não tinha sentido. Suas pernas começaram a perder a firmeza, seus olhos se tornaram sensíveis à luz e a fala tornou baixinha. Saiu da festa, pegou o carro e completamente sem forças e exausto voltou para a casa. Antes de abrir a porta ouviu soar forte e aterrorizantemente, como nunca ouvira antes o Grande Relógio soar 00h. Entrou portas a dentro se apoiando na parede pois o dia lhe pesava nas costas como o peso de 100 anos. Caiu de joelhos frente aquele Grande Relógio e viu que o tempo passou e era tarde demais para fazer o que era importante, ainda que soubesse o que tinha que fazer e com fazê-lo. Agora não dava mais tempo o tempo passou, a vida acabou e descobriu no fim da vida que nunca foi cedo e sim tarde demais.

Rev. Miquéias de Castro
1 compartilhamento

ERMO

Por que falar se quase não sou ouvido?

Por que gritar se minha voz se mistura com os trovejos da densa tempestade?

Caminham, tropeçam, caem... esfolam, laceram, decaem

Quase não ouvem, pouco enxergam, nada percebem



A noite se mostra escura, trevas durativas se alargam ante os pés

Desalumiados e tíbios prosseguem, se batem, se cansam esmorecem

Tornam-se cada vez mais letárgicos, excessivamente apáticos

Quase não ouvem, pouco enxergam, nada percebem



Subo ao monte e grito mais alto num vociferar tresloucado

Sem efeito, sem retorno, consequentemente sem consequência

Me canso, desfaleço, continua o cortejo e mudanças não vejo

Quase não ouvem, pouco enxergam, nada percebem



Quando parecia vencido, sem forças caído

Uma luz me alcança, me traz energia, fortalece me faz erguido

Por que falar se quase não sou ouvido?

Porque volto a crer, ainda que pareça demorado, nem tudo está perdido



Por que falar se quase não sou ouvido?

Porque foi para isso que fui chamado, e preciso sempre estar animado

Confesso ser difícil, às vezes quase impossível, mas no fim coroado


Ainda que quase não ouçam, pouco enxerguem, nada percebam.

Rev. Miquéias de Castro
1 compartilhamento

Cristianismo não é para ser ensinado, é para ser vivido.

Rev. Miquéias de Castro
1 compartilhamento

Para ser romântico só basta uma coisa: ser atencioso.

Miquéias de Castro