Coleção pessoal de MariaIsabelMoraisRF

1 - 20 do total de 270 pensamentos na coleção de MariaIsabelMoraisRF

.....um suspiro...... uma lágrima....
..........uma prece...
Sonhos lindos
........feitos de ilusões
Passageiros....
Esperanças perdidas.....
.....no tempo....
Tristes momentos......
......felizes também..
Asas do tempo.....
.......felicidade escondida....
Só partidas...vidas desunidas....
Despedaçadas.....
.......desesperadas......
Enganadas.....magoadas.....
.......traídas...
Pés fincados no chão.......
........caminhantes sem regresso....
Somos pó........somos nada.....
Sem fé.....sem sonhos....
.........poemas.......escritos....
falados....recitados.....cantados..!

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
1 compartilhamento

Que natureza é a nossa....
Que bebemos o sangue das intrigas...
Criamos boatos fúteis e inúteis!

Que natureza é a nossa...
Sangramos os outros com a maldade...
Muitas vezes alheios a nós!

Que natureza é a nossa....
selvagens banhamo-nos no sangue inocente....
do sofrimento e das lágrimas dos outros!

Que natureza é a nossa....
sugamos o sangue das veias com inveja..
e das dificuldades dos outros!

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
1 compartilhamento
Tags: amo-te mais

Desejo nunca ter medo da vida.
E muito menos de vivê-la.
Afinal não há caminhos sem tempestades.
Nem estradas sem buracos.
Que seja sempre um sonhador.
Com disciplina e coerência.
Que nunca seja uma pessoa frustrada.
Nas dificuldades que a vida apresenta!

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
1 compartilhamento
Tags: amo-te mais

Esta dor que desconheço
É tamanha
Nem sei se é o cansaço que me leva.
Que me chama
Que se esconde no limite.
Que faz meus lábios tremerem
Absorverem o choro.
Acordo e durmo
Entregue ao impulso inconsciente, consciente.
Em que transformo-me no tempo
Tempo intocável.
Da vida bandida
Doida
Enfurecida
Porquê resistir a tanta dor!

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
1 compartilhamento

Os sonhos dormem.....
dormem embalados por desencantos.
Adormecem nos dias mornos dos céus cinzentos.
Sonolentos de dia.....
de noite onde vivem sem abrir os olhos.
E as flores secam no jardim de repente....
como os orvalhos sem manhãs!

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
1 compartilhamento
Tags: sonhos amados

Quisera eu ter asas para voar nos teus braços.
Para quebrar o silêncio do nosso espaço.
Envolver as ondas do tédio....
Nos nossos sonhos rasgados.!

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
1 compartilhamento
Tags: sonhos amados

Porque dói-me tanto?
As ausências e as partidas.

Porque sinto a chuva em mim?
Dos vendavais e dos temporais.

Porque a dor entra em mim?
Instalando-se, enchendo os dias tristes!

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
1 compartilhamento

Gritei amor
Tentei gritar o teu nome.
Para esquecer-me de ti
Sei lá porquê, não perguntes.
Agora ouve...
Ouve meu amor, o meu fôlego
A chamar-te...
A gritar por ti.
Sente meu amor...
Sente o meu silêncio a beijar-te.
Não vás...
Que o lume acabou de acender.
Para nos devorar no escuro.
Onde seremos eternos amantes.
Como a alcateia dos lobos.
Que a nosso lado pernoitam meu amor!

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
1 compartilhamento

És e serás sempre.
A minha alma
Nasceu num inverno sombrio
Onde a sombra da nostalgia era transparente
Nas águas do rio
Banhei-me
Sequei o meu corpo molhado
De tristeza
De amor
De desejo e de agonia
Procurei-te nas amarras da minha solidão
Alberguei no meu coração pedaços
Pedaços de migalhas
De amor
De dor
De saudade
Na minha vida deixei a felicidade fugir sem correr
Abracei a amargura onde chorei
Nas noites sombrias
Percorri a imensa escuridão
Vazia e talvez perdida
Amarrei-os os sonhos na alma
As mágoas amarrei-as no coração
Descobri
Que no meio de tanta dor
A minha felicidade foste e serás sempre tu !

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
1 compartilhamento

Devaneios da mente.....
sentidos no corpo.
Veneno do escorpião espalhado pela alma.
Salva-me da lama movediça de mim mesmo.
Nos silêncios feitos em versos.....
em poemas ardentes.
Páginas escritas em branco de promessas em fuga.
Inventas um deserto....
onde só existe a tua boca....
na minha.
Acaricias o meu corpo....
com carinho como só tu sabes!

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
1 compartilhamento

Ao sabor dos teus gestos.
A minha alma é impaciente.
Com amor sem limites.
Doce que vê em sonhos.
Sorrateiros com o meu coração.
O teu cheiro ficou entranhado.
Entranhado na minha pele.
O teu sorriso.
Sabores da doçura dos teus beijos.
Vislumbra a tua alma.
Flutuando ao sabor.
Dos teus gestos
Carinhos
Abraços
Olhares
Ternuras.
Ao sabor dos teus gestos.
A minha alma respira amor.
Respira o teu corpo perfumado!

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
2 compartilhamentos

Não sei porque choras.
Choras ou chove.
De um tempo tão distante.
Passado errante.
Tristeza por definir.
Recordação que me faz sentir.
Lembro
Recordo
De tantas, tantas coisas
Que foram, ou não foram
Chuva ou choro
Porque
Porque tive tanto medo.
Resta o infortúnio
Infortúnio do que não foi.
Talvez seja
Por medo do que podia ser.
Será tudo tempo
Tempo
Como cada chuva tem o seu momento.
Momento
Gotas soltas, caídas no chão.
Será chuva ou choro.
Será
Do tempo distante
Passado
Presente
Por medo do tempo!

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
1 compartilhamento
Tags: palavras ditas

Tu.........sim tu porque plagias as minhas dores...
As minhas mágoas e sofrimentos.
Tu sabes que o meu sofrimento não é igual ao teu
Porque eu não sou tu.
Tu.......sim tu porque plagias o meu amor.
Ele é só meu......e não é igual ao teu.
Tu.......sim tu porque plagias a dor da minha alma.
Se a tua não é igual à minha, cada alma é única.
Tu.......sim tu porque plagias as minhas palavras escritas.
Em poemas, versos ou desabafos.
Se tu não sentes da mesma maneira que eu sinto.
Quando escrevo os meus sentimentos.
Tu......sim tu, porque plagias a minha vida...
Os meus pensamentos, as minhas dúvidas.
As minhas noites mal dormidas....
De solidão de tudo que escrevo.
Tu.......sim tu porque plagias tudo o sinto.....!
Quando tu és diferente de mim!
Partilha os meus poemas, versos ou pensamentos.
Respeita o nome de qualquer poeta e de quem escreve.!
Eles merecem todo o nosso respeito e carinho.
Afinal não há duas pessoas iguais....
Somos todos diferentes, com sentimentos diferentes.!

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
1 compartilhamento

Derramei as lágrimas do meu coração.
E chorei num dia de chuva....
para não ver as lágrimas cair.
Onde a minha alma, secou-as simplesmente!

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
1 compartilhamento
Tags: derramei lágrimas

Livro em branco
Leio em silêncio esta página
Pagina em branco vazia
Sem palavras
Onde as letras vivem no silêncio
No papel reciclado
Perfumado
Falo soprando os versos dos poemas
Transparentes escritos
Onde as palavras derramam risos
Dores
Mágoas
Saudades
Que passam nas nossas veias
Veias cheias de sangue
Onde
Onde gritam bem alto
As palavras de amor
Num livro
Sem silêncios
Onde quer ser lido
Não esquecido
Numa estante de pó
Sem vexame e sem dó!

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
1 compartilhamento

Chegas dás-me um beijo.
Gosto do teu sabor meu amor.
Dos teus beijos quentes.
Albergarei o meu coração.
Debaixo dos teus braços sinto-me segura.
A lareira está acesa para aquecer-nos, nesta noite fria.
Um bom vinho e uma longa noite meu amor!

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
1 compartilhamento

Dou asas ao pensamento
Onde corto a minha dor.

Adormecendo ao relento
Com o orvalho da manhã.

Onde salpico o corpo
Tirando da minha alma a dor.

Vagueio na noite escura
Na tortura do viver.

Sentir o poeta cortar
As amarras do querer !

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
1 compartilhamento
Tags: palavras ditas

Calçada fria
Piso as pedras da calçada
De uma vida
Já sem vida
Procuro um caminho
Sem mágoas
Talvez sem direção
Sinto que não tenho nada
Mas talvez tenha
Tenho tudo na minha mão
Um inferno
Um céu
Com uma cruz
Numa amarga sinfonia
Que ninguém tocou
Que nunca ninguém escreveu
Amarrada de mim mesma
Dentro e amargurada
Piso as pedras da calçada
De uma vida sentida
Já sem vida
Que comigo vai morrer
Na suja e fria calçada.!

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
1 compartilhamento
Tags: calçada fria

O tempo vai devagar, talvez depressa demais,
e eu com saudades de te beijar.
O tempo passa a voar,
e não há quem descubra a fórmula mágica.
de o fazer parar.
Deixa-me tocar os teus lábios,
para juntares com os meus meu amor
Sinto a falta de um beijo teu,
com o sabor das romãs onde a nostalgia do outono.
Percorre a minha alma como as folhas secas
no chão de todas as cores.
Preciso da doçura dos teus lábios,
das palavras ditas com carinho, muito tuas.
O tempo passa a voar e não há quem descubra,
a fórmula mágica de o fazer parar.
O tempo vai devagar, talvez depressa demais,
e eu com saudades de te beijar!

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
1 compartilhamento
Tags: palavras ditas

Folhas secas de telas vazias.
Pintadas de várias cores.
Peças intocadas de argila.
De barro, de mar.
Foram postas diante de mim.
Como o nosso corpo um dia esteve.
Onde todos os cinco continentes e os horizontes....
Giraram ao redor da tua alma.
Como a terra ao redor do sol, da lua.
Agora o ar que provei e respirei mudou de rumo.
Todas as imagens foram banhadas de preto.
Onde tatuei tudo e o amor transformou o meu mundo em escuridão.
Como podes amar alguém, que foge dos teus carinhos.
Dos teus braços.
Que te ignora em muitos momentos.
Como podes amar alguém, como eu meu amor.
Onde as minhas mãos estão amargas e secas.
Esfolam-se demais para alcançar as nuvens.
Os pensamentos estão entrelaçados ao redor da minha cabeça.
Onde embalam todos os cacos de vidro!

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
1 compartilhamento
Tags: desencontro