Coleção pessoal de josegomespaes

1 - 20 do total de 29 pensamentos na coleção de josegomespaes

O meu maior prazer, é estar na proa da canoa pescando

José Gomes Paes

Gosto muito do Rio Negro, um gigante no meio da selva.

José Gomes Paes

CONSELHOS DE MINHA MÃE

Quando o dia amanhece
Levanto cedo e agradeço
De joelhos ao Senhor
Oro aos céus em uma prece
De glorificar eu não esqueço
Foi o que sempre me ensinou

Minha mãe sempre pedia
Pra ser um homem de respeito
Ser honesto e trabalhar
Tudo pra nós ela fazia
Nos ensinava a ser direiro
Que a maior riqueza era estudar

O aprendizado ninguém tira de você
Ser bom e não ser ganancioso
Ter fé e ajudar a quem precisa
Era o que ela falava ao anoitecer
Antes da rede e do sono gostoso
Aconselhava com sua palavra bendita

Os conselhos foram importantes
Assim, formei minha família
E minhas filhas todas orientei
Mesmo que esteja muito distante
Quero lhe agradecer com honraria
O pai de família que me tornei

Assim, agradeço todos os dias
Os dons que recebi de Deus
Louvando glórias ao Senhor
Tudo que senhora fazia
Ensino aos filhos meus
Com as bênçãos do Salvador


Autor: José Gomes Paes
Em 25/09/2019
Poeta urucaraense
Membro da Abeppa - Associação Brasileira de Escritores e Poetas Pan Amazônicos.
Acadêmico Fundador da Alcama - Academia de Letras Culturas e Arte da
Amazônia.

José Gomes Paes

A Escadaria e o Tabuleiro da Baiana.

O Tabuleiro da Baiana é um marco na cidade de Urucará, junto com a Escadaria, foi construído nos anos 40 ou 50 e desde de lá, se tornou um ponto de referência da cidade. No passado era o Porto onde os barcos atracavam, principalmente os de linha, que traziam cargas e passageiros. No dia da chegada, formava-se uma multidão para receber quem chegava, cartas e encomendas dos parentes que se encontravam distantes, muitas crianças ficavam a espera do Barco de Linha, que por um tempo, foi proibido pelo juiz, a presença dessas crianças na Escadaria. Nas nossas viagens para Manaus para estudar e no retorno das férias, era onde o Barco de Linha encostava. Eu, gostava de tomar banho na Escadaria do Tabuleiro da Baiana.
Por muitos e muitos anos, também serviu como ponto de encontro de amigos, em colocar as conversas em dias e saber das novidades da cidade.
Era aprazível, divertido e feliz, muitas histórias, causos e contos se ouvia, principalmente das lendas da nossa Amazônia, como: do Boto, da Anaconda e da Onça.
De vez em quando, saía um cafezinho para despertar o sono. O que não faltava era uma boa piada, que alegrava todos os presentes. Muitos já estão na morada eterna e nos deixaram muitas e muitas saudades.
A Escaria e o Tabuleiro da Baiana, não estão mais tanto em evidência. Devido a demanda e a dificuldade do desembarque, foi construído outro Porto, que recebe os Barcos que chegam em Urucará, mas nunca deixou de servir, alguns Barcos ainda atracam na Escadaria.
Sempre quando vou a Urucará, gosto de ir a Escaria e ao Tabuleiro da Baiana, matar a saudade, relembrando os momentos felizes vividos. Tenho encontrado sempre o amigo Cleonir, vendendo seu salgadinho.
A Escadaria e o Tabuleiro da Baiana, está precisando de inovação e mais adereço, para que seja mais visitado, pelo povo que chega em Urucará e assim manter a viva chama do local, que sempre foi o maior ponto de referência da Cidade de Urucará.

José Gomes Paes
Escritor, compositor e poeta de Urucará.
Membro da Abeppa - Cadeira
Membro da Alcama - Cadeira 23 - Acadêmico Fundador.

José Gomes Paes
Tags: tabuleiro baiana

E. E. RAMALHO JUNIOR
A minha casa e o rio

O otimista é um tolo. O pessimista, um chato. Bom mesmo, é ser um realista esperançoso. Ariano Suassuna.

A MINHA CASA E O RIO

A minha casa
A casa que eu nasci
Era linda
De uma beleza
Sem fim

Eu sonho com ela
O Rio passava
Eu via o rio
Da porta
E da janela

Sentia o vento frio
Eu descia
O caminho do porto
Na carreira
Para tomar banho no rio

Todo o dia
A cena se repetia
Do cedro
Pulava na água
Fria do rio

De brincadeira
Da porta de casa
Eu corria
E saltava
Da ribanceira

Eu passava
Ele me convidava
E lá estava eu
Como uma magia
Ele me arrastava

Era um desafio
Minha mãe me ralhava
Mais eu gostava
Eu sentia tanto amor
Pelo rio.

O rio, uma imensidão
Escondido
Pegava o casco
E o remo
E ia passear no meião

Anoitecia
E dormia
Eu acordava
Com o rio
Eu vivia e sonhava

A minha casa
Ficava de frente
Para o rio. Ela ouvia
Quando o rio se agitava
E roncava

No rio eu pescava
Todos os dias
Carregava água
Enchia os potes
E o tanque de casa

Belo e caudaloso
O rio está lá
A minha casa não existe mais
Ficou no tempo
Passado saudoso

Doces recordações
Que não me sai
Da memória
Dos momentos vividos
De eterna glória
Jamais esquecidos.

Esse poema, um dos mais lindos que fiz, abraça minha alma de saudade e faz-me lágrimar de emoção.

José Gomes Paes
Poeta amazonense de Urucará
Direitos reservados ao autor.

José Gomes Paes
Tags: minha casa

LENDA DA CASTANHEIRA

Existia na tribo dos Tefés
Uma guerreira muito valente
A bela índia chamada Caboré
Que saiu para caçar para aldeia, sua gente

Caboré entrou na mata ainda de manhã
Já estava anoitecendo e não retornava
Todos ficaram preocupados com a bela cunhã
Que na aldeia era muito respeitada

Havia um guerreiro valente Apiá
Que era apaixonado por ela
Saiu à procura sem nada encontrar
O que teria acontecido com sua donzela?

Cansado, resolveu sentar
Na beira de um igarapé
Tupã, onde posso encontrar
A minha índia Caboré?

E Tupã respondeu:
Guerreiro valente
Conheço a sua dor
Olha para as águas
E verás a tua amada

Caboré, as terras dos Juruparis, invadiu
E os espíritos invejosos causaram a sua morte
Tupã, ao ver tanta tristeza de Apiá, decidiu
Transformá-la em uma arvora imponente e forte

Daí nasceu a Lenda da Castanheira
Uma das mais belas árvores da Amazônia
Que alimenta seu povo, com seu fruto o ano inteiro
Centenária, Lendária e Indômita

José Gomes Paes
Poeta, escritor e compositor amazonense de Urucará
Direitos reservados ao autor

Jose Gomes Paes
1 compartilhamento
Tags: tribo guerreira

( A cruz, símbolo do cristão )
Corpo de Cristo

Não quereis que eu me entregue assim
A minha imagem ainda está manchada
Deixa eu pedir perdão a quem ofendi
Para que eu possa me apresentar com alma lavada
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Os meus pecados ainda me perseguem
A cruz de Jesus é o meu refúgio
Não erreis mais na caminhada que se segue
A confissão, aos meus atos, de repúdio
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Que possa me perdoar de todos os meus pecados
Que confessei ao padre e a igreja
Na presenca de Jesus e comunidade na sacristia
xxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Que o fardo seja leve, manso e alado
Aberto ao amor que o coração eu esteja
Para receber o corpo de Jesus na Santa Eucaristia.
xxxxxxxxxxxxxxxxxx

Amém.

Poeta José Paes
De Urucará

José Gomes Paes

Ponta Negra, meu amor

Lembro quando curumim
Vinha me banhar nesse teu Rio Negro Moreno
Que tinha as areias branquinhas
como alvas
Tu ainda virgem, eu tinha ciúmes
Ciúmes dos outros que vinham banhar-se também
Eu te queria só pra mim
Mas tu não cabias só em mim
Tu era de todos
A todos tu recebias de braços abertos
Oferecia o que mais tinha de belo
As tuas areias brancas como alvas e esse teu Rio Negro Moreno
Que te banha e te beija todos os dias
E te acaricia com muito amor
Com encanto e magia.
Ponta Negra, meu amor.

José Gomes Paes
Em: 05/01/2020
Poeta Urucaraense
Membro da Abeppa e Alcama

José Gomes Paes

URUCARÁ, MEU AMOR

Oh! Salve meu torrão querido
Teu nome está sempre guardado
Do lado esquerdo do peito
Por mim jamais esquecido
Por tudo que é demais sagrado
Te venero com muito respeito

Em todos os lugares que vou
Tuas lembranças levo comigo
Em muitos poemas que componho
Te homenageando estou
Dos lindos Lagos com capricho
Dos Banhos e a infância de sonho

Do baixo Amazonas a mais formosa
Pela tua beleza ímpar
Por muitos chamada de princesinha
Pra mim tu és uma rosa
Do meu jardim a mais linda
Doce e admirável rainha

Enquanto nesta vida, vivo for
Vou te amar pra todo sempre
Mesmo quando o tempo parar
Não te esquecerei, meu grande amor
Vou estar muito contente
Exaltando teu nome, Urucará

José Gomes Paes
Em 28/12/2019
Poeta e escritor urucaraense
Membro da Abeppa
Acadêmico e fundador da Alcama.

José Gomes Paes

QUANTAS VEZES


Quantas vezes
Eu senti prazer
Em ler suas poesias
Quantas vezes
Eu me encantei
Com os versos que fazia

Quantas vezes
Você me surpreendia
Quantas vezes
Um novo poema surgia
Era diferente como escrevia

Quantas vezes
Na rede me embalava
Ouvindo a sua voz
No poema que falava
E me emocionava

Ah! Quantas vezes !
No banzeiro eu remava
Olhava o horizonte, na nascente
E via o céu e o rio, no poente
No encontro com a mata e me encantava.

Quantas vezes !
Descia o rio de canoa
Remava léguas pra te buscar
Na subida enfrentava a correnteza
Só pra gente ficar numa boa

Quantas vezes !
Fiz juras de amor toda hora
Nas noites enluaradas
No frio da madrugada
E ao romper da aurora.


Jose Gomes Paes
Poeta e escritor urucaraense
Membro da Abeppa e Alcama

José Gomes Paes

"Quando vê uma onça, o caboclo treme mais que cachorro em canoa".

jose gomes paes

"O maior prazer do pescador, é pescar o peixe e assar na beira do lago".

José Gomes Paes
Tags: prazer pescador

"Quando chove, até os peixes se escondem da chuva, não beliscam mais no anzol"

Jose Gomes Paes

"NOSSO OLHAR DE CABOCLO"

De onde eu vim
Por onde passei
Onde eu passar
Quero deixar sempre um sorriso
Do meu jeito de ser
Do meu jeito de olhar

Olhar as montanhas
Vários ângulos
Bem do alto
Decifrar seus mistérios
Ficar mais perto do céu
Sentir o frescor
Da natureza e tudo que é belo

Olhar para as matas
Cada árvore
Chão úmido de folhas secas
Pássaros voando
Macacos pulando
Diversidade que ela nos dá
Olhar de mateiro
Caboclo seringueiro
Desse meu jeito de ser
Do meu jeito de olhar

Olhar o rio Amazonas
Sua importância e riqueza
Sua extensão territorial
Quanta pessoa alimenta e transporta
Cuidar de sua preservação
Lutar pela sua sobrevivência
Para que no futuro outros possam
Usufruir de sua existência.

Olhar para cada irmão
Interiorano, na sua maneira de ser
Atencioso, no seu jeito de agradar
Simplicidade, na cumplicidade
De ser fiel ao seu irmão
Olhar de matuto, não besta
Esse nosso jeito de olhar
Nosso modo de amar.

FIM

José Gomes Paes

Enviado por José Gomes Paes em 01/09/2011
Código do texto: T3194841

José Gomes Paes
Tags: amazonas extensão

O QUE É SER CABOCLO

Ser caboclo não é mole não.
É nascer no interior
Não ter medo de assombração
É trabalhar de sol a sol no roçado
Saber manejar o facão.

Ser caboclo é ser corajoso
Não ter medo de onça
É não ser preguiçoso
Ser um cara amigo e legal
E ser muito atencioso

Ser caboclo é saber se virar
É ter sorte na pescaria
Abarrotar no tamuatá
Trabalhar no plantio da farinha
E na colheita do guaraná

Ser caboclo é não reclamar
Da vida que se leva
Das dificuldades que passar
É ter muita fé e esperança
Que tudo vai melhorar.

Ser caboclo é ser amigo do peito
Respeitar todos sem distinção
Ter noções de seus direitos
Cuidar bem da família
Com dignidade e respeito.

FIM

OBS: Estas pequenas estrofes, dedico a todos os caboclos dos nossos interiores do Amazonas, aos quais tenho maior respeito e admiração.

José Gomes Paes

Enviado por José Gomes Paes em 26/07/2011
Reeditado em 23/08/2011
Código do texto: T3118999

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

José Gomes Paes
Tags: caboclo onça

O PESCADOR SOLITÁRIO

Aqui estou eu novamente
Dentro e na margem do lago
Estou só, observando o rio
Os igapós, os aningais, os murerus
Olhos com os olhos de águia
A procura da presa.
Assim procuro ver
Qualquer maresia
No boiar dos peixes
Onde estarão os peixes?
Porque onde bóia um, há muitos.
Eles andam em cardumes.
É pegar o caniço e lançar o anzol.
E pegar, um, dois... muitos peixes.
Venho pescar, porque gosto de pescar
Contemplar toda essa beleza.
O silencio da natureza
O barulho e o voar dos pássaros.
Dos peixes boiando, os jacarés secando.
Das formigas mordendo, das muriçocas ferrando
Tudo isso é belo
Faz parte desse lugar agreste.
Se chega a chuva
Protejo-me debaixo do Japa
Sou um pescador da antiga
Pesco de caniço e anzol
Isso é mais excitante para mim.
Pego o meu chapéu, casco e o remo
E me lanço em direção do lago.
Quando chega a hora do almoço.
Trato os peixes, preparo o fogo
Asso na beira do lago.
Levo a farinha, pimenta e sal.
Quando aparece algum companheiro.
Este é bem vindo ao banquete.
Com muito gosto e prazer
Compartilhamos desta maravilha
Que a natureza nos oferece.

FIM.

Autor: José Gomes Paes

Enviado por José Gomes Paes em 11/01/2012
Código do texto: T3435526

Jose Gomes Paes
Tags: caniço anzol

"11 DE SETEMBRO DE 2011"

Autor: José Gomes Paes

Quando vi, pensei que fosse desenho animado ou um jogo desses de ficção que têm muitos por aí hoje em dia, fiquei em êxtase, depois fui percebendo que era real, estava acontecendo mesmo àquelas cenas da TV.
Muitas pessoas olhando e comentando. Só acreditei quando comecei a ouvir a voz do apresentador de TV. Cair por terra, era pura verdade, uma realidade da ganância e do poder.
Não queria acreditar que um avião pudesse derrubar um prédio daquele tamanho e ceifando muitas vidas de inocentes, mas não era só um, eram dois prédios, foi quando vi o outro avião se chocando com a outra torre.
Foi quando depois soube que havia mais 2 aviões que também causaram muito transtorno ao povo americano. Causando a morte de 3.000 pessoas inocentes.
Já faz 10 anos, lembro-me muito bem, fui dar entrada de um processo na Seduc, na TV da sala de espera, quando pude ver essas cenas macabras.
Quanta maldade! Deus o fez como a sua própria imagem. Como pode o ser humano ser capaz de tanta maldade? Mas há pessoas que já nasceram com o espírito de morte, prontas para matar. Quanto ódio? Insensatez.
Hoje, o povo americano vive com medo, de outro novo ataque de terroristas.
Foi construído um memorial, onde foram lidos os nomes de todos os que morreram naquele dia fatídico. Fiquei triste e me solidarizei com o povo americano.
Lutemos pela PAZ e peçamos a Deus: Que todos os governantes lutem por um mundo de PAZ, AMOR, UNIÃO e SOLIDARIEDADE.
Vamos fazer a nossa parte, em todos os ambientes que freqüentamos, levemos um aperto de mão, um abraço, um carinho, um afago, um elogio, um bom dia, um incentivo, ... Tudo isso, são pequenos gestos que podem transformar muitas vidas.

FIM

José Gomes Paes

Enviado por José Gomes Paes em 12/09/2011
Código do texto: T3215661

Jose Gomes Paes
Tags: terra-tv-poder

À MULHER DA MINHA VIDA

José Gomes Paes

Hoje, foi um dia importante para mim.
Eu encontrei a mulher da minha vida
Então, eu fiz um texto para ela.
E prometo que por mim jamais será esquecida

Do meu grande amor não me descuidarei um só momento
Hoje e amanhã com o mesmo carinho e intensidade
Nem que eu tenha a maior tristeza e felicidade
Ao meu amor, meu coração pulsará de contentamento.

Em toda minha vida vou zelar a todo instante
Entoarei meu canto na musica em seu louvor
Vou chorar e sorrir de tanto prazer e amor
Quando estiveres triste ou simplesmente radiante

Se ainda estiver vivo, a morte me acompanha, ao meu lado vive.
Quem sabe eu esteja só, pois a solidão faz parte de quem ama.
Eu possa proclamar o grande amor que tive

E assim, meu grande amor eu quero te falar
Que o nosso amor não pode morrer nunca esta aceso em brasa
Mas que seja intenso enquanto viver e durar

Em homenagem a Vinicius de Moraes

Poeta membro da Abeppa e Alcama
Filho de Urucará - AM

José Gomes Paes
Tags: vida-musica-brasa

" Um grande amor, causa sofrimento "

José Gomes Paes
Tags: amor-sofrimento

" Urucará, meu amor, meu porto Seguro ".

José Gomes Paes
Tags: urucará-amor-porto-seguro