Coleção pessoal de ideniramos

1 - 20 do total de 209 pensamentos na coleção de ideniramos

Seu imbecil, você não está falando com o tolo você está falando com o discípulo dele!

Idenir Ramos
1 compartilhamento

Já socorri meia dúzia de donzelas. Um cavalheiro não pode negar a uma dama "um pouco de calor humano" numa madrugada fria.

Idenir Ramos
1 compartilhamento

Nossa!O mulher, porque criar tantas regras? Confia na minha fidelidade, o resto é devaneio teu - A imaginação delirante do teu ciúme.

Idenir Ramos
1 compartilhamento

Chega um momento na vida de um homem em que ele precisa tirar o revólver do coldre (Cheio de estilo como um Cowboy de Hollywood) e disparar um tiro certeiro, sem piedade ou hesitação, na cabeça do demônio que o arrasta para o abismo. É preciso vencer o medo!

Idenir Ramos
1 compartilhamento

Ó meus poemas, meus contos, meus monstrinhos queridos de olhos interrogadores - Minha válvula de escape; A forma que encontrei de dar sentido a minha existência.

Idenir Ramos
1 compartilhamento

Sempre me inspirei nos sábios e instruídos, portanto meu caminhar rumo a nobreza se torna cada dia mais fácil, mais natural.

Idenir Ramos
1 compartilhamento

Que droga não sou coeso, não tenho unidade, me contradigo a todo momento – que massa de caos é essa que me tornei?

Idenir Ramos
1 compartilhamento

Cheguei ao fundo do poço e ainda pichei uma frase tirada de um banheiro público, é incrível como meu desespero não perde o senso de humor.

Idenir Ramos
1 compartilhamento

Sabe ser eu é mais do que ser eu
Ser eu é ser tudo que sonhei ser
Ser eu é cortejar a possibilidade de ser infinito
Ser eu é ser a expressão da coragem humana
Multiplicada por um desejo sobre-humano de superação
Ser eu é conhecer a potência das palavras adormecidas no dicionário e jogá-las ao vértice de uma suprema indagação
Ser eu é pressionar uma alma, minha alma, contra a parede até que ela tenha dito tudo
Ser eu é ser a essência de todas as vidas destilada de uma única vida
Ser eu é andar lado a lado com toda a humanidade e ainda assim não perder a identidade
Ser eu é ser humilde com o humilde e altivo com o altivo
Ser eu é ser uma resposta e uma saída
Ser eu é quase sentir o gosto do sobrenatural

Idenir Ramos
1 compartilhamento

Depois que eu morrer e for cremado podem jogar minhas cinzas dentro dos “zóio” dessas pessoas que duvidaram da minha capacidade.

Idenir Ramos
1 compartilhamento

A fórmula do sucesso para o poeta

Diga o que ninguém disse de uma forma que ninguém espera

Idenir Ramos
1 compartilhamento

7 Bilhões de pessoas no planeta
7 Bilhões de almas vagando nessa terra
7 Bilhões de bocas reclamando nesse espaço
7 Bilhões de corações pulsando freneticamente
14 Bilhões de olhos se olhando por todos os cantos

Idenir Ramos
1 compartilhamento

Fluxo de poesia constante;
Torrente de palavras necessárias,
Insubstituíveis.
Escrevinhar até os dedos pularem de cima do teclado e saírem caminhando mundo a fora.

Idenir Ramos
1 compartilhamento

Poema-sem-pausa

Nenhum-sorriso-em-tua-face-vai-ocultar-de-mim-o-medo-que-tu-sentes-de-perder-me-pois-sei-que-me-amas-como-eu-te-amo-e-que-renunciar-a-esse-amor-é-escolher-a-morte.

Idenir Ramos
1 compartilhamento

Promessa quebrada

Eu tinha prometido a mim mesmo que iria parar de procurar respostas para enigmas absurdos. Paradoxo de Zenão, aposta de Pascal, teoria da evolução, psicanálise freudiana, enfim eu não agüentava mais tantas questões fervilhando na minha cabeça. Entretanto cada dia que passava meu cérebro queria descobrir mais e mais coisas e assim eu me sentia cansado demais, às vezes até deprimido. Eu era metafísico demais, ontológico demais, tudo tinha que ter um porque, tudo precisava ser investigado e decifrado. Até que um belo dia resolvi de uma vez por todas não me incomodar mais com nada. Eu me tornaria apático, indolente, indiferente. Não iria mais consultar o dicionário cada vez que ouvisse uma palavra desconhecida, não iria sair correndo para a internet ou para a enciclopédia cada vez que me deparasse com uma nova idéia filosófica ou cientifica. Não iria mais fazer palavras cruzadas nem assistir a filmes cults. Nada, absolutamente nada, me faria mudar de idéia. Mesmo que descobrissem vida fora da terra eu me limitaria a dizer um simples: - hum bom pra eles. Não investigaria nenhum assunto nem a fundo nem superficialmente. Depois que tomei essa resolução e os dias foram passando comecei a me sentir melhor. Era muito boa a sensação de não ter noticia nenhuma do mundo. Sentia-me como Robinson Crusoé na sua ilha deserta, porém sem a preocupação de fazer fortuna e voltar para casa. Contudo, numa insossa tarde de terça feira um documentário na televisão me tiraria daquela resignação. O documentário era inverossímil e escandalosamente sensacionalista. Começava falando de fantasmas e criaturas bizarras e terminava falando do “Monstro do lago Ness” e nesse momento fui obrigado a abdicar da minha ataraxia. Era óbvio que algum maluco de mente delirante tinha visto um peixe qualquer e fantasiado o resto da história. A mente enxerga o que ela quer enxergar. É assim com os vultos, com os ruídos estranhos e com muitas coisas. As primeiras civilizações já tinham criado um vasto catálogo de animais fantásticos, de criaturas que desafiavam a lógica e esses produtos supersticiosos obviamente não acabariam no homem moderno, contemporâneo. Seres irreais existirão sempre, pelo menos até o ultimo dia de vida do homem nesse mundo misterioso. O estranho é que essas pessoas além de acreditarem em tais criaturas ainda tentam encontrar argumentos e até falsificam provas para embasarem seus delírios. Elas não se contentam com a ficção de Lovecraft, é preciso mais, é preciso transformar a superfície em um lugar maravilhoso. O homem não aceita o tédio e a mesmice, é mórbido demais para ele – a realidade quando muito árida pode levar o homem ao abismo e dali ao suicídio. Por isso o homem cria literatura, passatempos, enigmas. É preciso revestir a matéria de sonhos para que um lago não simbolize apenas um lago e um peixe não traduza outro peixe, mas um monstro, uma criatura de outro mundo com tentáculos horripilantes e pele inexplicavelmente verde esmeralda. Aqui eu parei de divagar lembrei-me da promessa, guardei a imagem do Mostro do lago Ness na memória e disse: Provavelmente ele existe, sim existe, sem dúvida ele existe, foi então que passei a mão em uma cadeira, com fúria, e a lancei sobre a televisão e em poucos instantes um terrível incêndio começou. Mais tarde minha casa se tornaria cinzas e dali alguém ainda veria uma fênix surgir. Uma não uma revoada porque segundo essa pessoa as fênix andam sempre em bando.

Idenir Ramos
1 compartilhamento

Sou poeta por culpa do amanhecer.
Sou poeta porque já acordo ouvindo o canto dos pássaros.

Idenir Ramos
1 compartilhamento

Penso repenso refuto repasso resmungo, logo existo.

Idenir Ramos
1 compartilhamento

Sobre a questão Shakespeare

Quer dizer que Shakespeare não é Shakespeare?

Idenir Ramos
1 compartilhamento

Como essa torrente de palavras apaixonadas pode ter saído dos píncaros da minha superficialidade?

Idenir Ramos
1 compartilhamento

A poesia está no dicionário, no jornal, na imaginação, no céu, no sonho, no chão.

Idenir Ramos
1 compartilhamento