Coleção pessoal de IancaLira

1 - 20 do total de 31 pensamentos na coleção de IancaLira

Sempre acreditei que havia um certo mistério em teus olhos castanhos. Parece que planetas colidem entre si produzindo uma explosão de luzes fazendo cada parte de mim contrair-se maravilhada. Quando olho para os teus olhos viajo por galáxias distantes e flutuo docemente sob as mais belas estrelas, e meu corpo ansiosamente clama para mergulhar na imensidão dos olhos teus. Esse universo, distante e misterioso, é capaz de dominar-me os sentidos levando-me à teus braços e desesperadamente a tua doce boca, e ali pertenço a ti loucamente. Quando os teus braços me envolvem sinto como se cada parte de mim transbordasse fazendo meu ser querer-te mais perto a cada milésimo de segundo. Milhões de sensações explodem dentro de mim quando encontro teu belo par de olhos castanhos a olhar-me com ternura. Estou certa de que você é a minha galáxia favorita.

Ianca Lira
2 compartilhamentos

À meu doce amor,

Tu vieste a minha procura hoje;
Encontrou-me meio perdida em pensamentos,
Absorta em minhas convicções melancólicas;
Senti teus olhos negros em meus olhos aflitos,
Pude ouvir os gritos inocentes do meu ser a tremer,
Contive-me. Aos poucos, enfiei meus olhos em ti.

Observei-te como nunca havia antes;
Amei cada parte de ti ocultamente.
Mas tu me fixava aquele olhar; Oh, que olhar!
Meus nervos se contraiam, afogados na doce sensação,
Minha voz falhava enquanto dirigia vagas palavras;
E tu sempre atento a mim, fazendo-me ruborizar.


A boca era maravilhosamente bem torneada,
Caia-lhe bem na face morena; possuía um perfeito e lindo queixo;
A pele lhe conferia um aspecto mais maduro; o que muito me agradava;
Os olhos tão bem desenhados, expressivamente negros;
A cascata de seu negro cabelo surgia sob a face macia,
Tinha cheiro de sabonete de lavanda; e eu amava aquele cheiro.

Mansamente teus olhos procuravam os meus;
E as tuas mãos, as minhas. Desesperadamente.
Senti o amor fluir entre nós; algo completamente doce,
Meu coração, bem perto do teu; amando-te, tenha certeza.
Pude sentir o mesmo, tu amava-me realmente;
Mergulhei no teu cheiro de lavanda, jurando não deixar-te decididamente.

Ianca Lira
1 compartilhamento

Ausência
Dou-te minha ausência; para tu guardares.
Para tu docemente ouvir o som dos meus passos aflitos,
Perdidos em constelações distantes; em tempos remotos.
Tu lembrará das flores; do cheiro que delas exala.
Tu verás teu jardim em pleno vigor; repleto de cores,
E ainda sim, sentirás a doce ausência.


Partirei ao anoitecer, para habitar entre as estrelas;
A cada noite, visitar-te-ei com uma leve brisa;
Deixarei minha ausência contigo; entre tuas flores,
Do vento sairá um frescor frio e suave; tu lembrarás,
Tu verás a névoa no crepúsculo da manhã; leve e branca;
Pairando sob tuas flores bonitas; minha doce ausência.

Suaves e delicadas ausências ecoarão da noite,
Ouvirás a graciosidade do vento entre as folhas secas; dóceis e frágeis;
Gostas de orvalho surgirão na face da noite,
Desabrochando nos vales sombrios da pele pálida;
Contornando as montanhas íngremes;
Enquanto a doce ausência; intensa e profunda,
Ecoa nos bosques primaveris da noite vazia.

Ianca Lira
1 compartilhamento

É noite, amor. Tenho necessidade de transpor meus versos tristes;
Que faço confusamente nas altas horas de uma distante noite;
Dói em mim, pensar em ti noutros braços;
Sinto grande dor; intensa e forte...
Lágrimas pesadas rolam na face da noite;
Afogo-me a pensar no teu amor; que tu dizes meu;
Preciso que me proves que pertence a mim;
A escuridão da noite me acolhe; e só faz-me pensar em ti.
Tua presença ilumina os pântanos tépidos de meu ser;
Cada célula do meu corpo procura a ti; cada parte.
Teu sorriso é um doce encanto nos dias frios; tua voz, melodia.
Teus olhos cor de noite são fonte de mistérios; fortes e ingênuos.
A curva do teu rosto é delicadamente perfeita; macia e celeste.
Tuas mãos são ondas que agitam os mares calmos;
A pele negra; repleta de constelações e planetas desconhecidos...
Tenho tanto o que falar de ti, amor...
Tu não sabes a angústia de te amar ocultamente...
Tu não sabes o quanto me dói não estar ao teu lado..
Meus olhos me entregam; basta tu os observar.
Meus modos sem jeito; tremendo por ti.
Amar-te-ei enquanto em mim habitar a vida.
Amar-te-ei agora e eternamente.

Ianca Lira
1 compartilhamento

Meu doce amor,
Tu és o canto da cotovia que me acorda sob a luz inocente da manhã;
Tu és a canção que tocou meu coração, que penetrou minha alma abatida;
És a estrela mais bela que cintila nas noites sem lua;
És o mar, límpido e sombrio, numa noite de amores vazios;
Tu és a brisa numa tarde de outono;
Tu és a lareira que me aquece nas noites de um inverno chuvoso;
És um vento forte; uma emoção que persiste; uma hipóxia de amor;
És a voz que acalma, que pacifica. És o amanhecer da alvorada o sereno da manhã.
És a lua que ilumina o meu céu; tu és o meu amado, o meu abrigo.
Está tão silencioso que posso até ouvir o tic-tac do relógio.
Cada segundo passando numa velocidade extraordinária;
E ...eu... bem... Eu amo você! Tanto que dói.

Ianca Lira
1 compartilhamento

Eu te esperarei; como a terra espera pela doce chuva,
Como as estrelas esperam pela noite escura;
Feito madrugada à procura do amanhecer;
Em cada raio de sol; no cheiro de terra molhada.
No vento sentirei tua presença; silenciosa e acolhedora;
Amarei o cheiro dos teus cabelos, e da tua pele macia;
Amarei cada canto de ti; cada átomo teu.
Sentirei a brisa que te envolve; amar-te-ei profundamente;
Enlaçarei minha mão à tua; doce e urgentemente;
À procura do teu amor aflito, beijar-te-ei.
Amar-te-ei.

Ianca Lira
1 compartilhamento

Ontem à noite tu me ligaste; um sorriso nasceu em mim.
Viajei nos teus olhos; castanhos e doces.
Relembrei o dia que tu encostaste tua face na minha;
Meu ser transbordando em teus toques suaves
Navegando na subjetividade do teu amor,
Enquanto tua voz ecoava sublimemente
Dizendo-me que amavas o cheiro que exalava de mim.

Senti meu amor transbordando em toda magnitude.
Tu me olhavas de um modo tão teu; perdia-me nisto;
Expressavas uma intensidade de luz que meu peito ardia;
Nas noites de insônia; tu me vens à memória.
Deixo-me pensar em ti enquanto a noite dorme;
Encontro a cor dos teus belos olhos
Enquanto a fina neblina nasce fria em mim.

Um vento de lembranças circunda meu sentir; vem de ti, bem sei.
Revejo as tuas marcas envolvendo teu peito;
Cicatrizes deixadas em forma de versos;
Se tu soubesses, como as tenho amor.
É como se em parte, pertencessem a mim;
Amo você com todas as minhas forças; para ser sincera;
Desde o dia que meus olhos encontraram os teus,
Naquelas noites em que tu foste só meu.

Ianca Lira
1 compartilhamento

Não tenho a intenção de tê-lo só para mim.
Quero vê-lo voar, vagando num horizonte distante;
Velejando em águas serenas, rumo às estrelas.

Ianca Lira

Ouço teus passos firmes em minha direção,
Quando sentas ao meu lado vejo que tremes;
Um pálido pulsar emerge do canto esquerdo; até então inerte;
Chama acesa nas cavernas gélidas de um coração puro,
Trazendo rajadas de emoções bailando sob o vento de um céu escuro.
Quando tua mão alcança a minha; pertenço a ti desesperadamente.
Avalanches de pensamentos formam-se a cada segundo;
O toque sublime emerge das profundezas; fazendo-me tremer.
Noto o perfume que usas; doce e delicado.
Tu faz-me viajar nos mares calmos do amor...
Afogando-me nas correntezas frias e mortais...
Deixando-me morrer nas tuas ondas macias...
Deixando-me sofrer nas minhas noites vazias...

Ianca Lira
1 compartilhamento

Tiveste que partir cedo em circunstâncias obscuras;
Negou-me um beijo; pude perceber o quão terrível eras.
Revi memórias passadas; tristes notas dramáticas da boca ecoam;
Puros olhos inocentes reprimidos por tua fatal indelicadeza.

Desconheço a incerteza que recobre os teus olhos;
Escura névoa que exala dos teus modos gentis.
Graves e furiosas estações que tu deixaste,
Presa à minha alma aflita; ainda tua.

Deixa-me e vai-te embora! Diga-me adeus!
Não me deixes a te esperar, quando tu não me queres.
Não te finjas; Peço-te só isto! Não me engane.
Tu expressa nestes teus olhos indiferença; fria e áspera.

Não me negues minha verdade, infinita sou;
Porque te ausentas tanto? Fale-me!
Posso juntar-me quando tu me destruíres.
Qual o motivo que me olhas? Não queres que eu te esqueça?

Quanto egoísmo! Tu queres todas que te tocam;
No teu ínfimo, queres também a mim; eu sei.
Mas eu nunca serei tua; não aceito tuas caras metades.
Um vapor de decepção assola meu corpo e sinto nojo de ti.

Tuas mãos; um dia acariciaram minha pele fria;
Enlaçaram meu corpo inerte e lânguido na floresta escura;
Tu sabias o que farias comigo; mesmo assim continuou.
E ainda continuas! Sabes fingir e mentir tão descaradamente!

Sei que tu não mandas em teu inconstante sentir;
Todavia poderia fazer-me o favor de negar-me teu ‘boa noite’?
Sejas um homem! Esquece-te que eu existo e deixa-me em paz!
Ser-lhe-ei profundamente agradecida. Adeus!

Ianca Lira
1 compartilhamento

O meu amor é assim tão imprudente?
Quando se está perto, sente temor;
Quando longe, anseia pela presença;
Quanta insanidade nos lábios dos dementes.
Santo Deus! Que Amor é este?

Sente um pulsar ao vê-lo em outros braços;
Um aperto terrível e mortal devorando os sentidos;
Destruindo cada átomo do meu corpo quente;
Sugando cada gota de alegria do meu peito ardente.
Santo Deus! Que Amor é este?

Quantos olhares rasgaram-lhe a pele;
Quantas dúvidas! Oh sim, dúvidas!
Doce voz; canção indecifrável aos meus sentidos;
Corpos lado a lado, porém vazios; intocáveis.
Inocentes sonhos reprimidos em máquinas ausentes.
Santo Deus! Que Amor é este?

Anseio um dia, em teu peito descansar a mente;
Beijar-lhe as cicatrizes; ah, as tuas marcas!
Tuas marcas são tão lindas, amor.
Desejo que tu me ames, assim como eu te amo.
Urgentemente e desesperadamente;
Santo Deus! Que Amor é este?

Ianca Lira
2 compartilhamentos

Quando tu me pedes para ficar contigo;
É como se meu corpo já não me pertencesse mais.
Tu me dizes tão mansinho...
Fica mais um pouco, amor;
Sinto-me tão especial e saio de órbita por alguns segundos..
Como um planeta perdido, procurando o teu amor;
Na imensidão do infinito..

Ianca Lira
1 compartilhamento

Foste um anjo de luz em meus sonhos..
Anjo que acalentou minhas noites frias...
Estes teus olhos meu amor...
Um par intenso, profundo, expressivo;
Negros como um céu sem estrelas, sem luar..
Para onde foi teu amor? Será que ainda vive?
Ou foi engano teu? Diz-me...
Não há dúvidas em mim...
Eu só queria tua certeza amor..
Esse tempo que me sufoca...
Parecem mil anos, um dia sem ti..
Deixa eu te olhar, meu amor..
Apenas te olhar...
Tocar-te seria um erro..
Pois na verdade, te vejo só em meus sonhos...
Nos meus sonhos, tu podes dizer-me..
Diz, meu amor... Diz-me chorando...
Que ainda tu me amas...
E que não vives sem meu amor..
Eu posso ouvir as lamentações do vento...
Do teu amor em silêncio..
Do meu amor infinito, contrito, aflito...

Ianca Lira
1 compartilhamento

"Estamos tão distantes. Já não penso mais em nós juntos como antes, e já não tenho tanta disposição para nos dar uma nova chance. Havíamos feito juras, tu lembras? No entanto tudo foi se destruindo gradativamente e no no final eu só vejo-me em meio aos destroços de uma rua vazia. Pude observar teus modos e teus olhares vagando em outras dimensões, à procura de novas constelações em galáxias distantes. Tua ausência tornou-se nitidamente evasiva e teu intelecto tão restrito a pensar que não procuravas por ti. A verdade é que minha procura por ti não tem um limiar máximo. Eu te procuro na pessoa que tu és hoje. Eu tento te reconhecer em meio a teus disfarces, tuas palavras incolores e tua voz de risos. Será que procuras por mim? Será que o nosso orgulho é maior que o nosso amor? Fizeste-me tanto bem. Te digo mais. Sonhei até contigo esta noite. Pude sentir o toque das tuas mãos em minhas mãos. Tu tens se tornado tão ausente e tão presente em mim. Estarei sempre aqui, oh estrela. Esperando que tu acordes e brilhes no céu das minhas eternas noites."

Ianca Lira
1 compartilhamento

"Tu tens se tornado tão incerto a ponto de transformar-se da água pro vinho do dia para noite. Tu não deverias dizer-me palavras doces quando não pretendias ficar. Tenho andado pensativa estes dias em razão das tuas súbitas inconstâncias, e todas as noites arrependo-me do dia em que meus olhos encontraram os teus. Maldito o dia em que percebi que tu tinhas um algo a mais. O dia que entreguei minha mão à tua e vivi contigo noites efêmeras e frias. Quisera eu ter um coração livre e raso como o teu. Mas não. Meu coração fez-se teu, desde o dia que pus meus ligeiros olhos em teu olhos expressivo. E tem insistido nessa história de amor, que mais parece com dor, até o presente instante. E isso é uma droga!

Ianca Lira
1 compartilhamento

Quem és tu que me procuras nos meus sonhos?
Que choras encostando minha face na tua?
Diz-me, porque em vão te procurei...
Eu pude sentir teu choro caindo na tua face linda..
Pude escutar teu coração a palpitar sob meu peito..
Quem és tu, que choras por mim?
Quem és tu, que encostas tua face em meu peito e chora?
Teus olhos são lindos meu amor, até quando choras..
Quando teus braços enlaçaram-me, meu corpo desfaleceu...
Tuas lágrimas foram cessando, e tu fostes me abraçando..
Eu cai em teus braços adormecida...
Enquanto tu me seguravas numa bela e fria noite...

Ianca Lira
1 compartilhamento

Porque tu não dizes que me amas?
Porque tu ficas em silêncio quando mais preciso de ti?
Como poderia eu, ser feliz navegando em outros mares?
Meu sorriso transformaria-se em cinzas...
O que fazes nesse instante, amor?
Será que pensas em mim?
Meus olhos procuram teus olhos na imensidão dos céus..
Tens lembrado de mim nos teus sonhos?
Será que tu sentes meu coração a bater por ti?
Se existir uma incerteza, ela é tua.
Porque te amo, e hei de te amar até meu último suspiro..
Volta e diz-me mansamente, calmamente.. Como só tu fazes..
Que sou tua;
Que és meu;
Que tu me amas.

Ianca Lira
1 compartilhamento

Em vão, eu te amei profundamente;
Mergulhei nessa emoção incerta, obscura;
E me perdi, eu juro.
Me perdi nessas tuas palavras inseguras;
Nessas tuas atitudes oscilantes;
Tua maneira me agride e teus gestos são espinhos;
Sinto dizer-te, mas seguramente afirmo;
Que as reticências, antes infinitas;
Puseram um fim na triste história;
Que as estrelas inventaram.

Ianca Lira
1 compartilhamento

Que o vento traga consigo o remédio, para curar a dor que tua partida causou.

Ianca Lira

Teus olhos serenos em forma de versos,
Tua cor sensível e sublime,
Tua voz que fala em silêncio,
Torna-me incapaz de até mesmo,
Controlar as oscilações que tua presença deixou.

Ianca Lira
1 compartilhamento